Diário de Bordo: Pedal Noturno Pedreiras e Friends 06/05

06/05/10 – Por Bruno Fernandes e Renato Amaral
Já era 18h50 quando nós saímos da casa do Bruno. Tivemos que parar no posto para encher o pneu. No semáforo do coração da cidade o Bruno ainda caçou encrenca com um PM que transitava de moto na ciclovia. Eram 19h02 quando chegamos à Nutry onde eles estavam lá apostos para receber os 25 bikers animados (e bota animação nisso). Havia muitos novatos. Infelizmente já havia sido realizado o sorteio e ficamos fora. O Claudinho foi um que ganhou e tomou um energético que fez o cara pedalar como nunca.

Galera do NPD na Nutry Suplementos
Galera do NPD na Nutry Suplementos

Bom, quem se lembra do último pedal que saímos da Nutry e fomos fazer essa trilha? Relembre aqui então: https://www.noispedala.com.br/noticias/diario-de-bordo-trilha-pedreiras-friends-040210/. Havia o medo de acontecer tudo novamente. E o pior. O pneu do Magela furou logo quando estávamos lá parados. Isso fez com que saíssemos 19h20.
Saímos todos sentido Ponte Antiga do Rio Paranaíba (Fundão). O Euler Caixeiro Viajante foi o fecha trilha, Magela o guia e o Renato Amaral o Chilon da vez. Ao invés de barro, havia muita, mas muuuuita poeira. Em alguns momentos os pneus faziam até barulho.
Tudo certo até descermos as “pedreiras”, onde alguns companheiros resolveram passar susto na galera.
Era um riso só. Como divertimos.
Faróis da bike confundem-se com as luzes da cidade. Que visual.
Faróis da bike confundem-se com as luzes da cidade. Que visual.

Estranho foi o Breno (corrigindo) pedir comida de sal. E o pior foi que ninguém havia pedido pizza desta vez e o Ki Bocão estava fechado. Continuamos o pedal até passarmos pelo colchete onde da última vez tivemos que “apartar” o gado. Mudamos um pouco o pedal e subimos um morro bem bacana. Ficamos completamente em um breu, pois a galera desligou a lanterna. Foi aí que o Euler chegou dizendo que o Bocão havia comprado um Mata-burro. Realmente não era a noite do nosso companheiro.
Depois de subirmos pra valer e o Sérgio Zago demonstrar o porque do seu retorno (tá pedalando que nem uma caninana), chegou a hora da aventura. Só descida. E a galera soltou o freio pra valer. Numa dessas o Companheiro Otávio que na penúltima semana reclamou que não haviam citado o nome dele no Diário de Bordo comprou aquele terreno. Pior que o Renato Amaral havia respondido pra ele nos comentários que uma boa forma de ser citado era levando um tombo. Então fica registrado. O OTÁVIO COMPROU UM TERRENO. E pelo tanto que ele sujou, ele deve ter gastado um bocado.
Antes e depois do Otávio comprar aquele terreno.
Antes e depois do Otávio comprar aquele terreno.

Tudo corria bem até chegarmos ao ponto da macumba, onde o Cacique Magela resolveu fazer uma roda e dançar uns passos lá que até agora não entendi. Parecia um misto de Rebolation com dança da chuva. Tudo isso para assustar um casal que vinha em uma moto. Foi um momento de muitas risadas.
E o Gagame estava inspiradíssimo. Cada palavra que ele dizia era motivo de riso da galera. Ele realmente tem o dom. Temos que voltar com a corneta do Gagame urgentemente.
Continuamos o percurso até chegarmos à ponte. Paramos e tiramos umas fotos bem bacanas. E o Euler Caixeiro Viajante intimou todos para fazermos o pedal da madrugada para a Lagoa Formosa no dia 02 de Junho, véspera de feriado.
Dança da Chuva comandada pelo Caciqe Magela
Dança da Chuva comandada pelo Caciqe Magela

É isso aí galera. Esse pedal foi muito bom. Tá ficando complicado dizer que foi um dos melhores, pois quem não foi pode não acreditar.
Mas só digo uma coisa. A cada semana está melhor. Nota importante: o Gagame não abandonou dessa vez porque ficou com medo de passar sozinho na encruzilhada e no fundão.
E fica desde já o convite para participarem do Enduro do Milho, que sairá de dentro do Parque de Exposições no último domingo da Fenamilho (30/05). Estou treinando pra chegar na frente do Bruno. Qual o seu objetivo?
Tenha uma meta e alcance, ultrapasse! Força no pedal e até o próximo!!!

Confira as fotos deste pedal noturno

[nggallery id=91]

Convite: Pedal Noturno 06/05/10 Pedreiras e Friends

Galera, tá chegando mais um pedal noturno. E a cada semana está melhor.
Iremos fazer uma trilha excelente, para um lugar que não vamos muito e é a preferida por muitos bikers.

Quinta é dia de pedal noturno Noispedala
Quinta é dia de pedal noturno Noispedala

Vocês vão lembrar da última vez que fomos lá, onde havia muuuuuito barro e deixamos uma porteira aberta e os bois migraram de pasto e foi um trabalhão. Fomos salvos pelo Ângelo Engeset que por sinal anda sumido.
Iremos sair da Nutry Suplementos, um de nossos parceiros. Falando nisso, vamos prestigiar eles hein galera. Lá têm vários produtos que vão aumentar o seu rendimento e não vai deixar você morrer no meio da trilha, não é Hebinho?
Trilha das Pedreiras das Alagoas voltando pelo Friends
Data: 06/05/10 – Quinta-feira
Horário: 18h50min tolerância 10 minutos
Ponto de Encontro: Nutry Suplementos
Guia: Magela
Dificuldade: Média
Info: Bruno (9169-0141) / Magela (9975-4745)
Fotos: Luis Farol de Carreta / Renato Amaral
Distância: 28km
Nos encontramos lá!

Diário de bordo: Pedal Noturno Trilha da Meia noite 29/04/10

29/04/2010, Por Renato Amaral
EM BREVE FOTOS.
Está virando rotina. Às quintas quando não chove, São Pedro faz um marketing violento de uma chuva que não vem. Mas dessa vez choveu forte e alguns pontos da cidade e com muito vento. Em pouco tempo as estrelas voltaram ao céu e os que realmente estavam com vontade de pedalar compareceram. Saímos da Power Bike após 19:30. Éramos onze corajosos (até então).
O Cacique Magela estreando seu recém-chegado e tão aguardado ultra massa quadro Specialized foi o guia. Saímos da Marabá em direção ao cenourinha e já na descida antes do cenourinha o Edinho Galena quebrou um raio e teve que soltar o freio traseiro. Cada um no seu ritmo nos separamos na subida. E bem no meio da grande subida, de repente, uma chuva torrencial que só durou o suficiente pra molhar a galera. Esperamos no fim da subida e quando achamos que o Luís Farol de carreta e Duracell haviam desistido lá ao longe surgem dois faróis, ou melhor, três. O Luís estava todo orgulhoso. O Duracell subiu todo o cenourinha sozinho, sem ajuda, só no pedal. Valeu a espera.
Passamos no posto cometa para a foto oficial e quando olhei o Gagame já estava lavando a bike e a sapatilha. Nem apareceu nas fotos. Algo estranho. Ele já estava era se aprontando pra ir embora. Com essa desistência o Gagame atingiu uma taxa de desistência de 75% . Nos últimos quatro pedais noturnos ele abandonou três. Com ele seguiram-se quase todos. Cada um com seu motivo. Foram quatro os guerreiros que decidiram prosseguir: O guia Magela, o Walner, O Markim Caixão e Eu. Teve suas vantagens.
Seguimos e logo na entrada do Estradão do Sumaré descemos o morro antes da Valoriza. Nenhum incidente. Tudo sob controle. Fizemos uma trilha reduzida voltando ao Estradão. Era 21:30h quando retornamos ao asfalto. O Dr. Walner sugeriu descer o cenourinha e foi bem aceito. Lá fomos nós.
Na parte alta do cenourinha avistamos uma lanterna vindo ao nosso encontro. Estranho. Será que alguém resolveu voltar? Era o corajoso Rogério da Silva treinando corrida, sozinho. Animado o rapaz.
Pra não passarem em branco as estatísticas dos tombos o Magela colaborou: errou o pé no mata burro e pisou no vão: chão. E quase levou o Markin com ele.
Pra descida do cenourinha ainda sobrou história: Eu vinha na frente (fazendo escola de kamikaze) e quase passei em cima de uma cascavel. Quando passei ela armou o bote, ficando com a cabeça levantada. O Magela vinha logo atrás e quase… Ele chegou a levantar o pé. Descemos no embalo e o Dr. Walner ficou observando o animal até ele sumir no meio do pasto. Era grande.
No fim da descida entramos pelo loteamento Chácaras Caiçaras, alcançando novamente a Marabá. Foi uma excelente pedalada. Não percam a próxima (ou não desistam)!

Diário de Bordo: Pedal Noturno Trilha do Boi 22/04/10

22/04/2010, por Renato Amaral.
Como sempre, o pedal noturno semana a semana, cada vez melhor! Quando cheguei à concentração no “balão da wolks” já vi que a turma estava animada e que o pedal ia ser bom demais.

Uma pausa para a foto oficial
Uma pausa para a foto oficial

Atenção para a chamada: Eu, Allysson Kuririn, Cadu, Euler Caixeiro Viajante, Felipe Xandinho, Flávio Bocão, Heber Contador (Araújo Contabilidade), João Victor Duracell, Luís Farol de Carreta , Marco Túlio Gagame, Walner, Iuri, e, esta semana recebendo a “visita” de Helinho Amorim e Nayara. O Amarildo NTV (pai do Gagame) apareceu pra dar um alô pra galera e recomendar ao Marco Túlio muito cuidado. O Gagame pedalou na bike do pai e fez diferença: dessa vez ele não abandonou no meio.
O ritmo geral foi tranqüilo devido às diversas longas paradas: tempo para as resenhas e para apreciar o céu com as lanternas desligadas enquanto os fecha-trilhas ainda estavam pra chegar.
Na última parada nos deparamos com uma cobra cascavel que estava de tocaia nos esperando na encruzilhada, mas algum caminhão acabou com os planos dela antes. Falando em cobra o Hebinho estava “igual a uma caninana” como diria o Cacique Magela. E falando em encruzilhada, o Gagame e o Felipe forjaram uma macumba com uns copos e pedras no caminho. Não colou, assim como o susto que eles tentaram passar na galera, escondidos no mato.
Euler Caixeiro Viajante preparando para atacar a "Caninana"
Euler Caixeiro Viajante preparando para atacar a "Caninana"

No Dia da Terra (22/04), não podia ser diferente: muita terra, mas com letra minúscula. E com muita poeira e cascalho solto, as subidas ficavam difíceis e as descidas perigosas. Na última descida do estradão dos trinta paus uma curva com muita terra (poeira) acumulada foi uma verdadeira arapuca: eu perdi o controle da bike, mas consegui me virar (ufa!), já o Gagame que vinha atrás sem lanterna foi parar na área de escape: o meio do mato.
De volta ao asfalto, no posto, o Luís patrocinou Coca Cola pra galera. Acho que a Coca fez mal pro Flávio Bocão: ele queria voltar e fazer a trilha de novo e tava falando em ir a BH de bike (mas acho que esses planos não eram todos praquela noite).  O Luís precisava fazer a trilha de novo para procurar seu Cateye perdido quando o Duracell caiu em cima dele (mas ele ia de moto).
Uns quinze minutos depois chegam o Euler, o Helinho Amorim e a Nayara. O Euler ficou para ajudar o Helinho que sofreu muito com fortes câimbras de rolar de dor (literalmente).
O destaque da trilha fica para o Hebinho que comprou um “carbo” novo na Nutry Suplementos e não parecia nem de longe o mesmo do pedal anterior.
Fica o convite para o próximo, sempre com muito pedal, turma animada e histórias pra contar!

Confira as fotos deste excelente pedal noturno:

[nggallery id=85]

Diário de Bordo: Pedal Noturno Ribeirão Mata Burrinho

“O melhor pedal noturno de todos os tempos”. Essa frase eu ouvi de muitos companheiros. E realmente foi. Mas porque foi o melhor? Bom, aqui mais uma vez quem vos fala é Bruno Fernandes.

Duracell tomando um de seus 10 copos de malto
Duracell tomando um de seus 10 copos de malto

Eram 18h51 quando cheguei ao nosso grande parceiro Nutry Suplementos. Havia poucas pessoas. Um deles era o Júlio, patense que tem bike no sangue que reside em Goiânia e é membro do Pedal do Cerrado (http://pedaldocerrado.com/). A galera da Nutry tava muito animada, fazendo com que a galera do noispedala se sentisse mais em casa ainda. Diversas informações sobre produtos foram passadas aos bikers e havia uma malto deliciosa para tomarmos. Para quem não toma, vale à pena comprar galera, pois auxilia muito na pedalada. Há também o Carbomax que está em promoção. E quem ligar na Nutry e dizer que é do noispedala vai ganhar 20% de desconto em diversos produtos. Aproveitem galera! Na degustação só houve um problema. O João Victor Duracell que parecia muito mais um jogador de futebol, exagerou na dose. O menino que deveria é tomar calmante para pedalar mais tranqüilo, ele tomou uns 10 copos. E ainda queria encher a garrafinha.
Saímos da Nutry bem atrasados. Já eram 19h11min. Ficou decidido que o guia seria o Euler Caixeiro Viajante, o fotógrafo foi o sempre prestativo Alisson Tião Vulgo Pó. Saímos pela Major Gote. Quem passava ficava impressionado com a galerona do pedal. Seguimos até chegarmos ao Posto Marabá onde o Iuri estava aguardando.
Galera atenta às instruções prestadas pela Equipe Nutry Suplementos
Galera atenta às instruções prestadas pela Equipe Nutry Suplementos

Veja como ficou a lanterna do Banhão
Veja como ficou a lanterna do Banhão

Subindo a Marabá, algumas pessoas disseram que o Luis Farol de Carreta e o Duracell haviam voltado, mas nada disso. Eles chegaram a tempo de ouvir as recomendações, pois a trilha do Ribeirão Mata Burrinho sempre prega algumas surpresas.
Contamos a galera. Éramos 19 bikers (até agora eu acho que eram 20). No estradão do Sumaré a galera dividiu em dois pelotões. Os Zelite só queriam saber de girar, inclusive o Felipe que estava uma alegria só, estreando bike e sapatilhas novas. O Gagame estava em seu dia mais inspirado. Fica até complicado escrever tudo que ele disse. Vou deixar para vocês comentarem as grandes descobertas desse “astronauta maluco”. Os rôia não estavam preocupados nem um pouco em pedalar. Estavam é conversando pra valer. E como estava bacana. Que clima legal. Ops… clima que eu digo é em relação às amizades. Pois o frio chegou galera.
Bruno passando pela mata
Bruno passando pela mata

Entramos sentido dólar e na primeira entrada à esquerda, fomos pular o mata burro que tem a corrente no meio. Sem acidentes até então. O Euler Caixeiro Viajante estava com medo do barro e o Gagame dizia que não passava, pois o mato estava alto. Ao sairmos da estradinha e entrarmos nas trilhas cheias de pedras, tocos e buracos de tatu, as emoções começaram. O primeiro a cair como sempre foi o Duracell. Logo após foi o Banhão, que passou por cima do guidão da bike e arrebentou a lanterna em vários pedaços.
Passamos pela matinha bem tranquilamente e deu início à segunda descida. O Duracell, o maior latifundiário da região, caiu mais algumas vezes. Uma galera grande saiu catando mamona, mas não chegou a cair, como Eu, Luis Farol de Carreta, Valner, Marquim Caxão e mais gente que não estou lembrando.
Chegamos à ponte. Peraí, qual ponte?
Chegamos à ponte. Peraí, qual ponte?

No fim da descida, o Gagame mais uma vez passou dentro do Ribeirão. Passamos pela ponte (que ponte?) e deu início à subida. Uma surpresa. No local onde todos esperavam muito barro, não havia praticamente nada.
Quando chegamos à cerca elétrica, o Edinho demonstrou ser um legítimo galeneiro (gentilício de pessoas que tiveram o prazer em morar na Galena). Na maior tranqüilidade ele resolveu o problema e todos passamos. Estavam presentes também o Hebão, o Rantar, o Claudinho, O Otávio e o Renato Amaral que a cada dia que passa, estão demonstrando mais intimidade com o pedal.
Após a primeira fazenda, o pneu do Euler Caixeiro Viajante furou. Paramos e o Herlley Power bike ajudou o sempre prestativo Euler no pitstop. Terminamos a subida e paramos para tirarmos a foto oficial com nossa bela Patos de Minas ao fundo.
Ih, o pneu do Euler Caixeiro Viajante furou. Herlley, o bondade da vez
Ih, o pneu do Euler Caixeiro Viajante furou. Herlley, o bondade da vez

Seguimos e deu início à descida do Pesque Pague. Daí foi só pegarmos a rodovia e chegarmos pelas Molas Americanas. Chegando à JK eu assustei pra caramba. Já eram 22h50min. Como o tempo passou rápido e nem percebemos.
É isso aí galera! Fique atento às trilhas do fim de semana. Esforçaremos para ter pelo menos uma no sábado e uma no domingo.
E sempre aquele recado. Deixe seu comentário, pois é ele que nos motiva a escrever os diários de bordo. E essa trilha, vale a pena você deixar sua opinião registrada.

Veja as fotos desta aventura!

[nggallery id=83]

Diário de Bordo: Pedal Noturno Matinha e Dólar

O que esperar de um pedal noturno que está chovendo na hora de sair? Bom. Vai dar poucas pessoas, o guia (Magela) vai faltar, O Gagame (como sempre) via está lá, a água que cai vai dar mal contato no Duracell rendendo vários tombos  e principalmente não vai faltar emoção.

Galera preparada para sair para um pedal noturno cheio de aventuras
Galera preparada para sair para um pedal noturno cheio de aventuras

Este começou um pouco diferente para mim (Bruno Fernandes). Eu não estava nem um pouco animado, pois chovia bastante. Estavam aqui na minha casa o Renato Amaral, o Léo e o Rantar (Roundup). Eles queriam ir, eu não. Quando a chuva deu uma trégua de alguns segundos eu animei e fomos todos, mesmo ajeitando os últimos detalhes no Posto Alpa ainda.
Saímos sentido CICA. Paramos, fizemos a foto oficial. Éramos 14 bikers. Gagame, Edinho, Otávio (Novatis), Doutor Valner, Raquel (digníssima namorada do Doutor), Renato Amaral, Léo, Rantar, Marquinho Kxão, Duracell, Luís Farol de Carreta, Cadu, Alisson Pó e Eu. Não foi necessário ter fecha trilha, pois a galera andou bem unida e o Chilon da vez foi o Alisson Pó. E o guia foi o Gagame.
Duracell DaMatta, o Pipoqueiro
Duracell DaMatta, o Pipoqueiro

Depois da matinha, fomos sentido Lagoa do Enduro do Batalhão, mas ela tava toda alagada e cobriu as trilhas e não conhecíamos bem o lugar e a noite estava complicado procurar outra trilha. Voltamos, entramos no Planalto e saímos nas Molas Americanas. O Gagame que parecia uma vitrola queria ir embora com medo do pai dele deixar ele para trás no fim de semana. Só que ele esqueceu que ele era o guia. Aí ele resolveu ir conosco.
Fomos sentido viveiro do IEF e ao chegar à rodovia, ficamos sem guia. Então resolvemos subir o Dólar. Os corajosos eram nove, pois o dólar não é brinquedo. E a galera não desafinou. Depois foi só girar pra valer no retorno pelo estradão do Sumaré.
A partir da próxima semana vamos instalar um caderninho na bike do Duracell para facilitar a contabilidade dos tombos. Não faço nem idéias de quantas foram. Só sei que em um desses, ele levou o pai dele junto e ambos entraram de sócio em um terreno. A Raquel também caiu duas vezes. Uma no fim da matinha e uma na subida do dólar. O Otávio Novatis também caiu, mas não afinou hora nenhuma.
É isso aí galera. Semana que vem tem mais. Forte abraço e boas pedaladas a todos.
Confira as fotos de mais esse pedal noturno.
[nggallery id=81]

Diário de Bordo: Pedal Noturno Trilha do Cemitério do Arraial 25/03/10

Aqui quem vos fala é o companheiro Bruno Fernandes. Já eram 19h04min quando cheguei ao ponto de encontro da semana, a Power Bike do nosso amigo Herlley que em breve estará com um site bem bacana. A galera já estava presente. O Euler Caixeiro Viajante e o Luis Farol de Carreta já haviam ligado preocupados com o meu atraso.

Galera subindo a Marabá
Galera subindo a Marabá

Na saída houve algumas trocas de funções. O Gleidsson Ludyele Confecções passou a ser o guia e o Euler Caixeiro Viajante fecharia as porteiras e acompanharia os meninos. O fotógrafo por livre e espontânea pressão foi o Cadu Sagra.
Tudo preparado para a saída, eis que 100 metros depois o Flávio Bocão percebe que o pneu estava vazio. Enchemos mais ou menos para ele pedalar até a Star Bike onde o Zé Gonçalves tava fazendo cerão. Pneu do Bocão cheio e prosseguimos sentido Avenida Marabá. Chegando ao Posto Caiçaras encontramos com o Banhão.
Já no início do Estradão do Sumaré, algumas pessoas resolveram ir ao Posto Cometa completar as garrafinhas. No retorno do posto, o Fábio Lana que era a primeira vez que ia a um pedal noturno, passa por uma “tartaruga” sinalizadora no asfalto e compra aquele asfalto (já que não era terra). Alguns machucados no joelho e mão. Ele resolveu voltar.
Descendo o morro
Descendo o morro

Seguimos e descemos o morro antes da Valoriza. Nenhum incidente. Tudo sob controle. Quando chegou para descermos até ao Cemitério do Arraial, resolvemos mudar o roteiro, pois já estávamos uns 30 minutos além do tempo regulamentar.
Passamos na estradinha acima do cafezal e chegamos ao morro ao morro do Arraial dos Afonsos. A galera tá cada dia mais treinada. O Pedro ficou enrolando um pouco, mas depois de uma injeção de ânimo ele subiu o morro bonito.
A galera reuniu novamente no fim do morro, já no estradão do Sumaré. Seguimos todos juntos até ao Posto Cometa aonde vimos que ainda tava cedo. O Luis Farol de Carreta foi abordado por um policial pensando que ele estava de moto na contramão, visto a potência de seu farol de carreta.
O barulho que ouvimos ao final seria deste cachorro?
O barulho que ouvimos ao final seria deste cachorro?

No início da estrada do Cenourinha paramos para ouvir uns gritos estranhos. Cada pessoa pensou que era uma coisa diferente. Seguimos a trilha e logo depois o pneu do Bruno Fernandes furou. O engraçado é que a câmara reserva dele também tava furada. Aí o Renato Amaral emprestou uma para ele.
Chegamos então a decida do Cenourinha onde o Herlley foi o último a sair e o primeiro a terminar. E olha que a lanterna dele não tava lá essas coisas. O cara desce muito.
Faltava então só subir o morro da Agroceres, onde no final cada um já foi pro seu lado.
É isso aí galera! Esse foi o primeiro pedal noturno sem nossa estrela maior Gagame que por motivo de força maior não pode está presente no pedal, mas estava lá no ponto de encontro. Deve ter sido por isso que foram somente 23 bikers.
Vai ser um fim de semana com poucas trilhas em Patos de Minas, pois a galera vai toda para Araxá curtir a Copa Internacional de Mountainbike. Para você que fica, curta nossa cobertura aqui no Noispedala.
Confira as fotos deste pedal noturno.
[nggallery id=76]

Diário de Bordo: Pedal Noturno Trilha Aragão e Rivalcino 11/03/10

O Diário de Bordo hoje será redigido em conjunto. Pelo Magela e Pelo Bruno Fernandes. Eram 18h50min quando cheguei (Magela) na Nuty Suplementos e encontrei a galera quase toda lá. Achei estranho, mas logo percebi o motivo da pontualidade do pessoal naquele dia. Era o tratamento vip dado pelo Daniel e Eliane, proprietários da nossa parceira Nutry suplementos,  que serviu uma maltodextrina athletica de uva geladinha, isso sim é que é malto.

28 bikers em mais um pedal noturno
28 bikers em mais um pedal noturno

As 19h05min saímos da Nutry, com destino a Av. JK com energia de sobra para os 38 km que viriam pela frente. Chegando ao posto São Cristóvão, encontramos o Marquinho Caixeiro Viajante que havia chegado de viagem fazia 15 minutos e o Bruno com o novato Renato Amaral, usando a camisa da seleção Brasileira, pronto para seu primeiro pedal noturno e sem capacete (não existe capacete de ciclismo que caiba em sua super mega ultra cachola). Já que era a semana do Dia Internacional da Mulher, a Luciana Toyopatos veio representando a ala feminina do noispedala.
Na avenida JK ainda, próximo à Autopatos  recebemos mais dois novatos. O Luis Farol de Lambreta e seu filho Vinícius. O menino é da turma do Duracell. Pedala muito o garoto.
Presença de pais e filhos nos pedais noturnos
Presença de pais e filhos nos pedais noturnos

Seguimos até a entrada das Molas Americanas quando contamos a turma, 28 no total. Ficou decidido que o Padrinho Gleidson seria o Chilon da vez e o Kuririn fecharia a trilha. Logo atravessamos a BR 365, pegamos a estradinha. O Magela estava na bike do nosso amigo Cricelle, uma specialized epic  e não acreditava na perfeição da suspensão traseira, que trava e destrava automaticamente dependendo do terreno. Como ele é um cara solidário resolveu compartilha o prazer que sentia e passou a epic para o Carlos Campos (mecânico de cérebro e coluna). Pedalaram uns 2 km com a bike dele, como ele não falava nada no sentido de destrocar as bikes, o Magela deu um jeito de arrebentar a corrente dele.
Não havia nenhum mecânico desta vez e após uns 20 minutos consertando a corrente seguimos sentido Aragão. Antes de chegar à granja, o Mateus do Dolor pensou que era o Lazim e foi passar um mata-burro pedalando e foi aquele tombo. Era a bike pra um lado, ele para o outro e lanterna caiu dentro do mata-burro.
Repare ao fundo as luzes da cidade
Repare ao fundo as luzes da cidade

Atravessamos a BR 365 novamente e na subida tranqüila após pular a porteira, chegou o momento de apreciar a cidade. Como é bonita a vista lá de cima. Depois de tanto sofrimento, pois eram 38 km e havia muitos iniciantes, deu início à descida. Nenhum incidente, até que a corrente do Carlos Campos resolve arrebentar novamente.
Ficamos mais de 30 minutos arrumando. A maioria da galera resolveu ir embora, pois faltavam apenas uns 500 metros de terra.
É isso aí galera. Foi um pedal muito agradável e a turma está muito boa.
Quinta-feira tem mais. Não perca e chame seus amigos.
Confira as fotos deste pedal noturno.
[nggallery id=70]

Convite: Pedal Noturno Aragão e Rivalcino 11/03/2010

Hoje é dia de Pedal Noturno!
Hoje é dia de Pedal Noturno!

Aí galera, o pedal noturno de hoje promete. Iremos sair da Nutry Suplementos onde teremos um tratamento especial lá, inclusive com desgustação de alguns produtos.
Iremos sentido Avenida JK, Molas Americanas e vamos até próximo ao Aragão. Subiremos até próximo ao Rivalcino onde dará início à uma descida das melhores que existem.
Você não pode perder! É dia de bater record de participantes. E domingo você não pode perder o Enduro Cemil Soy com largada marcada para as 09h da manhã no Clube da Aspra. As inscrições você pode fazer aqui no noispedala ou na Star Bike, Band Bike, Power Bike e na Mundial Bike.
Na tarde de sábado estaremos refazendo com bastante  calma o Enduro do Batalhão 2010. Quem tiver interesse em aperfeiçoar o dom de roteirar, entrar em contato com o Bruno no 9169-0141.
Pedal Noturno: Aragão voltando pelo Rivalcino
Data: 11/03/10 – Quinta
Horário: 18h50min – Tolerância de 10 minutos
Ponto de Encontro: Nutry Suplementos
Distância: 38 Km
Dificuldade: Média
Guia: Cacique Magela
Diário de Bordo: Bruno Fernandes
Fotos: Alysson Kuririn / Luiz Farol de Carreta
Info: (34) 9975-4745 Magela / (34) 9169-0141 Bruno

Diário de Bordo: Trilha do Beco dos Borges e Dólar 04/03

Cuidado com o dólar galera!
Cuidado com o dólar galera!

Hoje o Diário de Bordo está sendo redigido em dupla. Bruno Fernandes e Alysson Kuririn. Eram 19h10min quando saímos da Power Bike ainda sem fotógrafo, pois ele atrasou alguns minutinhos. Logo na saída, antes de chegar ao Balão da Wolks (Chevrolet) o João Victor Duracell Farolzinho de Carreta bate feio em uma lixeira. Era o sinal que seria uma noite com muitas aventuras e histórias para contar.
Seguimos em fila indiana pela Major Gote, depois pegamos a Marabá. No Posto Park estava o nosso fotógrafo Kuririn. No Posto Caiçaras estavam o Banhão e o Padrinho Gleidsson que está satisfeito com os seus pupilos.
Paramos no Posto Cometa onde alguns foram calibrar as garrafinhas. Ficou decidido que o Gleidsson iria guiar e o Euler fechar as porteiras. Eram umas 30 pessoas. Não tenho o número exato. A galera ouviu atentamente as recomendações e seguimos para a descida antes da Valoriza.
Poucos acidentes. Apenas o Valner que ficou sem lanterna  e comprou o primeiro terreno (tentou esconder o tombo mas nós descobrimos) e o Dani Boy amigo do Flávio Bocão.
Continuamos no Beco dos Borges até o estradão do Arraial dos Afonsos, onde ao chegar a um mata-burro, nossa estrela maior, o GAGAME que é o único a participar de todos os pedais noturnos comprou aquele terreno valorizado. O pé dele ficou preso em seu novo pedal de encaixe e foi aquele tombo.
Subimos até ao estradão do Sumaré onde o Pedrão foi guinchado pelo Vaninho. A subida lá é complicada mesmo Pedrão. Paramos próximo ao Ponto de Ônibus e o Criceles e um Novato tiveram que ir embora. O Herlley colocou a roda do Paulo Sérgio para rodar. Ela parecia um oito de tão empenada.
Seguimos então em direção à descida do dólar onde estavam guardadas algumas surpresas. Antes de chegarmos lá o Banhão caiu na cerca. Já na descida, o João Victor Duracell caiu cinco vezes. A ORBEA do Herlley foi estreada e ele que costuma descer como um kamikaze o dólar, não obteve sucesso e comprou aquele terreno.  Logo após o tombo dele, o Doutor Valner e o Kuririn que ficou rindo do tombo dos dois, se descontrolou e caiu também.
Além destes tombos tivemos ainda o Paulo Sérgio, o Heber cidadão olegarense e o Vaninho que também caíram.
O Pedrão filho do Euler Caixeiro Viajante que estava passando ileso, na subida após o dólar que parecia um quiabo, perdeu o controle e também caiu.
Chegamos à rodovia onde o papo era só o tombo da galera. Seguimos sentido Star Lanches onde a pizza já estava pronta. Ainda bem, pois a galera tava faminta. Lá tivemos que contabilizar os tombos, pois era impossível lembrar-se de todos. Um detalhe legal foi que não caiu uma gota d’água sequer, surpreendendo a previsão de muitos.
Mais uma vez tivemos presença de pais e filhos. O Luis Farol de Carreta e o Duracell.O Ângelo e o João Victor e o Euler Caixeiro Viajante e o novato Pedrão.
É isso aí galera. Fiquem atentos, pois vai ter trilha no fim de semana e dia 14 tem a segunda etapa da Copa Cemil lá no Clube da ASPRA.
Confira as fotos:
[nggallery id=67]