Diário do Bordo: Pedal Noturno Trilha do Aniversário do Gagame

23/12/2010 – Por Walder Martins e Bruno Fernandes
No mínimo um pedal diferente.

Felipe e Gagame. Prefiro nem comentar
Felipe e Gagame. Prefiro nem comentar

Já era 18h34 quando resolvi ligar para o nosso companheiro Bruno Fernandes, afinal a propaganda que São Pedro fazia da chuva era de desanimar qualquer um. Eu, Bruno, estava na dúvida se iria ainda. Foi quando começaram os telefonemas. Todo mundo dizendo que iria, só que atrasaria. Então ficou estabelecido que a saída seria 19h15. Chegando à Power Bike, notei a presença de um dos tiranossauros da bike patense, o Paulo Fuscão. Éramos 15 companheiros depois da chegada aos 47 do segundo tempo do Rodrigo Liderança.
Mas o pedal de hoje era especial, pois era a comemoração do aniversário de um ícone do ”Noispedala” nada mais nada menos que ele, o Inoxidável GAGAME. A proposta inicial era fazer a trilha do ribeirão Mata Burrinho, pois foi lá que nasceu esse apelido que se transformou em uma marca registrada, afinal quem é Marco Túlio? Várias alternativas foram levantadas, como mudar o “lado” da trilha, dar umas voltas pela cidade, descer o dólar e até mesmo descer o anel. O povo só queria comer pizza mesmo. Rs,
Parabéns pra você!
Parabéns pra você!

Eram 19h17 quando saímos sentido Igreja de N S. Abadia, depois Avenida. Marabá, ao chegar ao posto em frente às antenas da CTBC só servia para a galera correr da chuva. Depois de várias propostas e muitos palpites metrológicos ficou definido que repetiríamos a trilha da semana passada ”A vista mais bonita de Patos” e nosso guia seria o GAGAME. Isso mesmo, primeira vez que repetimos uma trilha em nossa história.
“É ali… ‘‘, Ou não né? Um desconto para o guia, dessa vez o mato cresceu mesmo, a galera pedalou em ritmo mais sério, uns pelo medo da chuva outros pela vontade de chegar a Star lanches, para comer aquela pizza. Nem paramos para apreciar a tal falada vista.
O Hebinho, depois de gastar boa parte de seu tempo ocioso assistindo alguns DVD’S de Stand Up Comedy Soltou boa parte do seu repertório, o cara tava impossível tava até fazendo piada de boca cheia.
O Duracell caiu nos dois lugares mais improváveis. Subida da Marabá e em frente ao Vaninho.
Nas minhas contas, queimamos 600 calorias e ingerimos 1000 calorias, visto que comemos duas fatias e não pedalamos nada praticamente. Foi muito bacana a comemoração do aniversário do Gagame. Parabéns doidão.
E antes que eu me esqueça, um feliz natal a todos. Muita força no pedal em 2011.

Confira as fotos

[nggallery id=181]

Diário de bordo: Pedal noturno na Trilha dos 50 cents

09/12/10 – por Bruno Fernandes
Bom, o que dizer deste pedal noturno? Imitando o grande herói Lagoense Feliz, do nosso diário de notícias Patos Hoje, “na minha modesta opinião, o pedal de hoje foi muito bom, pois com o apoio de todos, fizemos um pedal à moda antiga: uma pedalada bem tranquila, ritmo passeio, onde o papo de elite rolou solto e nem mesmo os novatos desafinaram, juntos somos fortes”. Estreando hoje tivemos o Luciano e o Paulo Henrique. Éramos 16 companheiros.

Como assim pedal noturno? E o sol?
Como assim pedal noturno? E o sol?

Já que o novato Luciano não tinha lanterna, nosso companheiro de bom coração, que não havia feito sua boa ação do dia, Markim Kxão, emprestou uma de suas duas lanternas para ele.
Tivemos também o retorno do Pedrão, filho do Euler e, claro, do Flávio do Galo e de nossa estrela maior, o Gagame, que por sinal foi um exímio guia. Com indicações de dificuldades em alguns lugares e inclusive falando para passarmos calados próximo às casas. Logo após passarmos pelas Molas Americanas, ele sugeriu que fizéssemos a trilha que eu gostaria de ter marcado. Só que ele colocou bastante pimenta nela. Da maneira que ele nos guiou, encurtou bastante o pedal, só que passamos por uma descida técnica e uma subidinha mais técnica ainda. Que lugar bacana.
Havia uma expectativa para o barro no fim da descida. Quando chegamos, havia uma ponte e nenhum sinal de barro. Barro somente em uma fazenda após a subida.
Gagame e suas fotos tortas
Gagame e suas fotos tortas

Na descida todo mundo mandou bem, inclusive o Pedrão. O Euler ficou fechando a trilha, acompanhando o filho e, quando observou, ele já tinha era descido. Fotógrafos não faltaram. Hoje tivemos dois “Chilons”: o Banhão e o Renato. O Banhão ficava lá recordando as vezes em que ele já foi para folias de reis de bicicleta.
Quando passamos pela última fazenda, recordamos o caminho que passamos na última semana, onde desistimos pensando que estávamos no caminho errado. Aí foi só completar a trilha, quando surgiu a ideia de passarmos na Star Lanches para comermos uma pizza. Só que com qual grana? Ahh, o Vaninho “pendura” pra gente.
Chegando lá, cadê o Vaninho? Ele estava viajando para a cidade satélite de Lagoa Formosa. Foi quando apareceu o Juninho (Cemil) Melhor de Patos para nos salvar. Ele emprestou a grana que faltava para pagarmos a pizza.
Depois disso foi cada um para a sua casa. Alguns ainda fizeram a trilha da Fátima Porto, que por sinal está mais emocionante que o dólar.
E aí? Já decidiu qual será o seu presente no nosso Pedal Solidário de Natal? Clique aqui e confira mais detalhes sobre esta nossa ação.
Vale a pena conferir as fotos. Tem umas do pôr do sol bem bacanas. E em breve teremos mais “chapas”.
Será mesmo a mulher de Branco?
Será mesmo a mulher de Branco?

Confira as fotos deste pedal noturno.

[nggallery id=178]

Diário de Bordo: Trilha do Beco dos Borges e Dólar 04/03

Cuidado com o dólar galera!
Cuidado com o dólar galera!

Hoje o Diário de Bordo está sendo redigido em dupla. Bruno Fernandes e Alysson Kuririn. Eram 19h10min quando saímos da Power Bike ainda sem fotógrafo, pois ele atrasou alguns minutinhos. Logo na saída, antes de chegar ao Balão da Wolks (Chevrolet) o João Victor Duracell Farolzinho de Carreta bate feio em uma lixeira. Era o sinal que seria uma noite com muitas aventuras e histórias para contar.
Seguimos em fila indiana pela Major Gote, depois pegamos a Marabá. No Posto Park estava o nosso fotógrafo Kuririn. No Posto Caiçaras estavam o Banhão e o Padrinho Gleidsson que está satisfeito com os seus pupilos.
Paramos no Posto Cometa onde alguns foram calibrar as garrafinhas. Ficou decidido que o Gleidsson iria guiar e o Euler fechar as porteiras. Eram umas 30 pessoas. Não tenho o número exato. A galera ouviu atentamente as recomendações e seguimos para a descida antes da Valoriza.
Poucos acidentes. Apenas o Valner que ficou sem lanterna  e comprou o primeiro terreno (tentou esconder o tombo mas nós descobrimos) e o Dani Boy amigo do Flávio Bocão.
Continuamos no Beco dos Borges até o estradão do Arraial dos Afonsos, onde ao chegar a um mata-burro, nossa estrela maior, o GAGAME que é o único a participar de todos os pedais noturnos comprou aquele terreno valorizado. O pé dele ficou preso em seu novo pedal de encaixe e foi aquele tombo.
Subimos até ao estradão do Sumaré onde o Pedrão foi guinchado pelo Vaninho. A subida lá é complicada mesmo Pedrão. Paramos próximo ao Ponto de Ônibus e o Criceles e um Novato tiveram que ir embora. O Herlley colocou a roda do Paulo Sérgio para rodar. Ela parecia um oito de tão empenada.
Seguimos então em direção à descida do dólar onde estavam guardadas algumas surpresas. Antes de chegarmos lá o Banhão caiu na cerca. Já na descida, o João Victor Duracell caiu cinco vezes. A ORBEA do Herlley foi estreada e ele que costuma descer como um kamikaze o dólar, não obteve sucesso e comprou aquele terreno.  Logo após o tombo dele, o Doutor Valner e o Kuririn que ficou rindo do tombo dos dois, se descontrolou e caiu também.
Além destes tombos tivemos ainda o Paulo Sérgio, o Heber cidadão olegarense e o Vaninho que também caíram.
O Pedrão filho do Euler Caixeiro Viajante que estava passando ileso, na subida após o dólar que parecia um quiabo, perdeu o controle e também caiu.
Chegamos à rodovia onde o papo era só o tombo da galera. Seguimos sentido Star Lanches onde a pizza já estava pronta. Ainda bem, pois a galera tava faminta. Lá tivemos que contabilizar os tombos, pois era impossível lembrar-se de todos. Um detalhe legal foi que não caiu uma gota d’água sequer, surpreendendo a previsão de muitos.
Mais uma vez tivemos presença de pais e filhos. O Luis Farol de Carreta e o Duracell.O Ângelo e o João Victor e o Euler Caixeiro Viajante e o novato Pedrão.
É isso aí galera. Fiquem atentos, pois vai ter trilha no fim de semana e dia 14 tem a segunda etapa da Copa Cemil lá no Clube da ASPRA.
Confira as fotos:
[nggallery id=67]

Diário de bordo: Pedal noturno Cenourinha e Dólar

Bom dia, boa tarde e boa noite a todos os visitantes. Aqui quem vos fala é Bruno Fernandes, responsável mais uma vez pelo Diário de Bordo, pois o irresponsável que havia assumido o compromisso de redigir essa semana faltou.

Recorde quebrado. 35 bikers no pedal noturno.
Recorde quebrado. 35 bikers no pedal noturno.

Comecemos pelos telefonemas e telegramas recebidos justificando ausências. O Magela telefonou dizendo que por motivo de viagem não poderia participar, e desejou a todos uma ótima trilha. Por telegrama moderno (MSN) o Hebinho informou que não poderia ser o redator do diário de bordo devido a afazeres profissionais e políticos. O Gleidsson que seria um dos guias também por motivo de viagem, justificou a ausência e informou que semana que vem está firme. O Lelé por motivos educacionais, morais e cívicos não pôde matar aula de novo. E finalmente o Franguinho que justificou sua ausência com base nas quedas consecutivas que ocasionou um leve amassado em seu rabo.
Então damos início efeito ao diário de bordo que infelizmente não será tão bacana como a pedalada noturna, pois ninguém caiu, ninguém errou caminho e não aconteceu nenhum fato extraordinário.
Quando cheguei à Power Bike, já percebi que o recorde de bikers seria quebrado. Fiquei muito satisfeito em ver que havia muitos companheiros novos. As calçadas estavam tomadas de bicicletas e ainda havia gente para chegar.
Eram 19h03min quando saímos pela Rua Major Jerônimo, sentido balão da Wolks guiados pelo Euler Caixeiro Viajante e pelo Herlley da Power Bike. A quantidade de bikes em fila indiana me surpreendeu. Subimos a Major Gote, pegamos a Marabá e logo no posto do primeiro balão, onde paramos e contamos a galera. 35 bikers. Com o recorde quebrado, descemos pelas ruas do Enduro do Milho 2009, chegando até o local onde estava o último PC do mesmo enduro. Foi quando demos o início da subida do Cenourinha, onde fomos ver quem pedala de verdade. Muita gente não agüentou e acabou empurrando um pouco. Mas afinal tinha gente que tava fazendo a primeira trilha. Força galera! Não desanima não.
No mesmo momento que o Kuririn tava no final do morro, ele descia e subia novamente, registrando a galera. Cada pedalada era um flash. Mais uma vez houve a tradicional disputa de quem tem a lanterna mais forte. Houve algumas discordâncias, mas quem  ganhou foi o Luis do São Lucas, vencendo na final o Coelho 38 Bala. Quando chegamos ao Posto Cometa, paramos para algumas pessoas abasteceram suas garrafinhas e fizemos a foto oficial. Neste momento sete bikers, voltaram acusando que tinham compromisso. Tudo bem, a gente perdoa.
Minutos depois saímos em direção ao estradão e a galera aproveitou a ausência do Cacique Magela e entrou na contramão na rodovia, evitando fazer o trevo. Certeza que terá advertência. Seguimos pelo estradão, todo mundo unido e o papo rolava forte. Viramos sentido Dólar e na descida, a bicicleta do Bocão da Lana Mayrink parecia um touro. Gineteava para todos os lados e o Bocão ficava firme em cima da bike. Por incrível que pareça ninguém caiu na descida do dólar.
Não vou falar do Marquinho da funerária, pois o cara deve ta cansado dessas brincadeiras. Mas fica o registro desse novo companheiro. Chegamos à BR e advinha quem tava lá novamente? A Gata Seca. Veja ela nas fotos quem ta com vontade de conhecê-la.
Entramos pela pista da estrada agrícola sonhando com uma pizza. Chegamos à Star Lanches do nosso amigo Vaninho e tomamos conta de sua garagem com bikes. Impressionante a quantidade. Ficou bonito. Vejam só:
Tá parecendo o depósito de bikes furtadas
Tá parecendo o depósito de bikes furtadas

Estavam lá nos esperando à família do Luis do São Lucas e o Hebinho, que ficou lá reclamando por não ter conseguido participar do pedal.
E quando estávamos saboreando a deliciosa pizza do Vaninho, eis que a chuva muito pedida por todos nós, dá a graça de irmos molhando até chegarmos em casa ensopados.
Gostaria muito de citar o nome de todo mundo que pedalou hoje e contribuiu para a quebra do recorde, mas é impossível. Então você que pedalou e leu até aqui, deixe seu comentário sobre o que achou do pedal. Você que não pedalou, deixe seu comentário também e venha pedalar com a galera do noispedala.
Clique aqui e veja as fotos do pedal noturno da subida do Cenourinha e descia do Dólar.