Diário de Bordo: Pedal da Band na Trilha Fantástica

Por Walder Filho e Renato Amaral

Trilha Fantástica
Trilha Fantástica

Galera toda reunida na porta da Band Bike. Hora da foto oficial e algumas orientações do Celinho à garotada.
Nossa primeira parada foi no Cristavo onde estava acontecendo um mutirão de pintura e grafite, chefiado pelo nosso grande cacique Magela. Dentre os voluntários da pintura tabmém estava o biker Vinícius Diógnes. Parabéns a todos.
Próxima Parada: Pista do Friends. Decidas espetaculares somadas a subidas técnicas e muito cascalho solto. Depois de alguns minutos já tinha gente perguntando onde ficava a água.
Depois de subir um topzinho, pegamos uma descida que era quase um Downhill até chegar à represa, onde trocamos uma idéia com o Ratinho e agradecemos a disponibilização da pista para os bikers. Logo à frente tivemos de descer um morrinho show (e perigoso também). Foi lá que o Tubarão levou um tombo preocupante. Ficou a lição aos que ainda não estão usando: o capacete quebrou, ele não.
Já na estrada, alguns bikers foram embora. De certa maneira foi uma sábia escolha pois o single track alucinante da matinha guardava uma surpresa para os que ficaram: um enxame de vespas foi batizando um por um os que desciam pela trilha. A galera saiu vendo ‘Estrelas’. Picadas de 8 a 80 tinha todo tanto. Só via o pessoal chegando desesperado, caindo da bike, tirando a camisa… alguns chegaram à pé, correndo. Só não foi engraçado tão para nosso amigo flamenguista que descobriu que tem alergia (ou será que se intoxicou de tantas picadas?) Segundo ele foram mais de 30. Ponto final: farmácia.
Mais uma vez o MTB se provou um esporte de contato extremo com a natureza: seja com o chão ou com as vespas. Assista o vídeo até o final para conferir o sensacional ataque aos bikers.
Assista ao vídeo editado pelo Luciano Pit Stop

Assista ao vídeo Fuga dos Marimbondos. KKKK

Confira as fotos
[nggallery id=276]

Diário de Bordo: Trilha do Ribeirão Mata-burrinho 14/01/10

29 bikers em uma trilha cheia de surpresas
29 bikers em uma trilha cheia de surpresas

Eram 19 horas quando passei pela Star Bike e falei com o Bruno para ir subindo a Marabá que eu encontrava com a galera no posto Cometa, pois estava atrasado em virtude de compromissos profissionais.
Às 19h50min cheguei de carona no trevo do Cometa com minha esposa Celma, que muitos apostam ser a Gata Seca, que por sinal anda sumida.  Encontrei 28 ciclistas, 29 comigo. Seguimos pelo estradão do Sumaré, logo em seguida viramos em direção à descida do Dólar, antes de começarmos a descer o Marquinho Caixão levou o primeiro capote da noite, e olha que ainda estávamos no plano… Imagina quando começarmos a descer!
No primeiro  mata burro, quando esperávamos juntar todo o grupo, o Carlos Campos (neurologista HNSF) parado, conseguiu a proeza de cair na frente de todo mundo e o pior é que ele fingiu ter torcido o tornozelo para amenizar a gozação da galera, pensando assim que alguém o socorreria! Mas ninguém teve piedade do pobre médico, só foram vistos flashes de máquinas fotográficas registrando o acontecido.
Ficou combinado que na descida ninguém ultrapassaria o guia, porém o Dimazim desobedeceu ao combinado e acabou sofrendo a “maldição da trilha do ribeirão Mata-burrinho”, Dimazim quase morreu (não  que ele seja burrinho). Ao ultrapassar o guia e dar uma de kamikaze encontrou uma pedra pelo caminho e não deu outra, só se viu aquela carcaça magra voando por cima da bike  e esborrachando no chão, e passou o resto da trilha reclamando de dores no ombro. Pouco mais a frente o Rodrigo (Candango), também capotou e passou o resto da trilha reclamando de dores no joelho.
Logo no final da matinha como já é de costume o Osvaldo encontrou um toco e levou mais um capote, no mesmo lugar o Super Mário Bros também capotou, mais a frente, não sei se o nome do biker é Fernando ou Ernandes, só sei que ele gozava muito do Osvaldo, encontrou um buraco de tatu e foi parar no chão também. Logo após atravessarmos a pinguela do ribeirão Mata-burrinho o Gagame que não calava a boca um segundo, brecou na frente do Ângelo (varejão) fazendo com que ele comprasse também um terreno naquela região, e não parou por aí não.
O Vinícius pegou todas as suas economias e também investiu num pedacinho de chão por ali. Desculpe se eu deixei alguém de fora, mas foram tantos capotes que talvez  algum tenha passado despercebido.
Às 22h40min chegamos a Patos e sob as luzes da cidade pudemos perceber que alguns bikers  estavam limpinhos e outros completamente sujos! Estranho né?
Confira as frases do Gagame:
– “Galela todo mundo zunto.”
– “Mazela, espela um pouco”
– “Bluno que dia estléia o site novo?”
– “Eu agola sou zelite mesmo!”
O que você achou do pedal noturno? Queremos saber. Deixe seu comentário abaixo.
É isso aí galera. Semana que vem tem mais pedal noturno.
Clique aqui e confira as fotos deste pedal noturno.

Diário de Bordo: Cenourinha, Arraial dos Afonsos e Sertãozinho

Ainda bem que estávamos próximos ao cemitério
Ainda bem que estávamos próximos ao cemitério

Fala galera do Noispedala. Com o Magela viajando e o Bruno tendo que ausentar no meio da trilha, sobrou pra mim o Diário de Bordo. Aqui é o Euler, o caixeiro viajante, vamos lá então.
Combinamos as 07h00min no Posto Caiçaras para a partida. Atrasamos um pouco porque o Marquinho ligou falando que ia atrasar e o Kuririn Furão Voador não apareceu, mais não foi tanto assim. Às 07h20min arrancamos para mais uma trilha. Contamos a turma eram 11 animados bikers.
Subimos a Marabá, descemos entre a Coopatos e a Agroceres sentido cenourinha. Subimos tranqüilo sentido Posto Cometa. No terceiro mata-burro o comentário era um só, como o Joel Junior (irmão do Luis farol de carreta) conseguiu pular o tal mata-burro mesmo sendo rôia como ele é? Chegamos ao Posto alguns completaram as garrafinhas de água e fomos sentido Arraial dos Afonsos.
Viramos na primeira entrada ao lado da Valoriza. Tudo tranqüilo até chegarmos ao beco antes do cemitério do Arraial dos Afonsos, quando o Luis (farol de  carreta) viu uma rampinha de nada e inventou de pular (tirando onda). Ele levou um capote feio e acabou machucando, quebrou os óculos, capacete e rasgou o manguito e a luva, fora as escoriações para todo lado. Descemos até o Arraial dos Afonsos onde  o  Luis reclamou de dores e mais uma vez foi rebocado pela sua esposa (já ta virando rotina).
Decidimos separar a turma perdemos dois companheiros o Luis e o  Bruno (ELITE) que ficou na companhia do acidentado. Seguimos em frente demos uma volta boa de estradão. O Marquinho era só reclamação (cadê as trilhas?) passamos na fazenda do Sr Lúcio, lembramos do suco de manga da outra trilha que foi com o Magela. Passamos outra vez pelo Arraial agora sentido Sertãozinho. O Fabiano Spaço só falava que queria chupar manga. Conseguimos achar um pé de manga, acho que ele chupou mais de 10 mangas (forte o rapaz).
A atração do pé de manga foi nosso amigo Marco Túlio (Gagame) que sem mais nem menos soltou umas das tradicionais frases “GUIDADO! GA VAI O PAU. GAI DE BAIXO” e o pior, ele não conseguiu pegar nenhuma manga. Mas como ele não estava sozinho, chupou umazinha. Tadinho, com ajuda de um companheiro.
Pegamos umas trilhas legais, aí veio o Marquinho reclamar que estava empurrando a bike (mais gosta de reclamar). Chegamos ao Sertãozinho quando o pneu do Felipe furou. Trocamos a câmara e seguimos chegando ao morro da secretária. O Gagame soltou mais uma. Chegou pra mim e disse: “escreve que estou andando na frente só para os meus amigos verem que estou arrebentando no pedal”. Já estava chegando ao fim da trilha não poderia fazer o que ele pediu era injusto com os outros, afinal o Gagame só andou em último. Passamos no Posto Cometa para a tradicional coquinha e chegamos ao final de mais uma trilha.
Chegando em casa liguei para o Luis para saber notícias, graças a Deus foi só um susto, foi ao hospital tirou radiografia do braço e não deu nada.
Valeu galera e até a próxima trilha.
Clique aqui e veja as fotos desta aventura. Não são muitas fotos, pois o nosso fotógrafo acidentado teve que nos abandonar no meio da trilha.