Diário de Bordo: Pedal noturno na Trilha do Cão que morde

07/04/11 – Por Heber Contador
Oi sou Heber Contador. Repórter por 1 dia do Noispedala!

Pedal Noturno
Pedal Noturno

Cheguei pontualmente na Power Bike e a turma já se aglomerava. Herley XX pediu-me pra comprar pilhas pra sua Lanterna pois era noite de estrear a sua nova bike. Aproveitei e pedi R$ 10,00 emprestado pra comer pizza no Vaninho Star Lanches.
O restante estava tudo normal, Magela que seria o nosso guia, ausente. Dr. Valner no horário. (19:25) e então 19:30 saímos em direção a Trilha do Cão que Morde. Detalhe, um companheiro de sacolinha amarela (Daniel ou Luciano) disse que sabia a trilha direitinho. Estavam fechando a trilha o Euler e o Bruno.
Seguimos, em direção da Av. Fátima Porto e rapidamente subimos a Av. JK em direção a Molas Americanas, quando de repente uma quebra, o amigo Bartolomeu perdeu a roldana do câmbio traseiro, e em vez de voltar, seguiu até o Pesque Pague São Gabriel na esperança de arrumar a bike e seguir a trilha, porém voltou pra casa mais cedo.  Estavam fechando a trilha o Euler e o Bruno.
Alguns, já queriam ir embora, outros fazer uma trilha mais convencional pra chegar mais cedo na Star Lanches, mais ficou decidido pelos Líderes que iríamos fazer a Trilha que estava AGENDADA.
Então começamos a subir a montanha logo depois do pesque pague em direção ao cafezal. Mas fomos surpreendidos por um Balaio de Gato (peguinhas durante Enduros de Regularidade) em uma encruzilhada. O nosso guia ficou confuso, subimos e descemos o mesmo trajeto algumas vezes e o pessoal já deu aquela desaminada! O Euler Tenente estava descontente, o Sérgio Zaggo ficou Bravo. O Marquim Caixão era só alegria! Pra ele tudo tava bão!!!
Então, pasmem!!! Voltamos pelo mesmo caminho! Chegando no Pesque Pague, a bike do Banhão furou o Pneu! Ficamos esperando o conserto, e por nossa surpresapercebemos que a galera que estava na frente, foram todos embora! (FALTA DE COMPANHEIRISMO NA MINHA MODESTA OPNIÃO)
Enfim, uma Trilha pra ser esquecida! (Batizada de Trilha do Cão que Mia). Não houve companheirismo! Não nos confraternizamos na Star Lanches! Mais uma vez , não completei a Trilha Pré-Determinada (Peraí ninguém completou né). E fui eu que fechou a trilha e mais uma vez subi os morros para o Jardim Califórnia sozinho e pensando na vida.
O Bruno Fernandes, ficou desolado! Nem seu fiel escudeiro, Renato Amaral o esperou! (aliás ele levou um tombinho, pra não perder o costume).
Se caso eu desaperecer dos Pedais Noturnos nos próximos 6 meses, vocês já sabem porque!
Fica a dica, para os próximos pedais. Mais companheirismo, menos orgulho!

Diário de Bordo: Pedal Noturno Trilha Beco dos Grossos turbinada

10/02/11 – Por Bruno Fernandes

A galera invadiu a Power Bike
A galera invadiu a Power Bike

Quando cheguei hoje à Power Bike, o ponto de encontro de hoje, com o meu fiel escudeiro Renato Amaral, tomei um baita susto. Já eram 18h58 e não tinha ninguém. Como assim? Aí observei aquele monte de bikes na porta. Ao atravessar a rua, observei que a loja do Herlley estava lotada. Pensei: Pode ser uma liquidação onde estava rolando pedivela XTR de 100 conto ou a galera do Pedal Noturno.
E era nossa galera escondendo do sol que estava rachando mamonas. Nem parecia pedal noturno. Adentrando ao estabelecimento, notei a presença de um dos sócios-fundadors do Pedal Noturno que está de volta. O Tiago New Bike que prometeu ficar nas cabeças dos enduros em 2011. Como a presença VIP do dia, Fabiano Espaço não chegava, fomos atrasando e saímos às 19h17, subindo a Major Gote e Marabá.
Chegamos então ao Trevo do Cometa. Foi quando notamos a falta do parceiro Vinícius Diógenes. Depois de esperamos um bom tempo e ele não aparecer, seguimos nosso roteiro.
Pegamos o estradão do Sumaré que estava poeira pura. Descemos então na Valoriza. Na descida duas lanternas bichadas. A minha que não iluminava nada e a do Fabianinho que nem ligava.
Depois de algumas mexidas, continuamos tocando o terror e encontramos a galera reunida pouco à frente.
Foi quando notamos que pela quantidade de pessoas que tinha (mais de 20), deveríamos eleger o fecha-trilha. O Euler Caixeiro Viajante prontamente atendeu e ficou designado de tal tarefa.
Quando a trilha começou a render, Luis Farol de Carreta e parceirinho Criscelle queriam voltar no primeiro acesso ao estradão. Convencemos a eles irem um pouco mais. Só que menos de um km à frente, o Luis compra um belo terreno, com direito a meter o joelho em uma pedra.
Seguimos sentindo Beco dos Grossos. Só que mais da metade da galera seguiram sentido o beco do atalho da subida do Sumaré. Eles não sabiam o que estavam perdendo.
Depois de chegarmos à encruzilhada após o cemitério que o Coelho Bala morre de medo, não voltamos pelo estradão da subida do arraial.
Foi aí que o Euler largou de ser fecha trilha e foi nos guiando. Passamos pelo arraial e rodamos mais alguns km.
Chegávamos a pontos de subir e a galera não queria subir de jeito nenhum. Nas minhas contas já estávamos próximos ao Santiago. Rs.
Foi quando mudamos a direção da bússola e começamos a ir mais ao leste, até chegarmos à tradicional marvada subida da Taboca, que segundo o Euler é muito pior que a do Ponto Chic.
A galera tava girando muito. Subimos e chegamos então ao estradão do Sumaré. Daí foi só girar mais alguns km e chegar em casa com mais de 50 km pedalados. Foi a maior trilha do pedal noturno de todos os tempos.
Valeu demais galera! Sábado tem Cachoeira do buracão e quinta-feira tem mais. Fiquem ligados. Aquele abraço e boas pedaladas!

Diário de bordo: Pedal noturno Cenourinha e Dólar

Bom dia, boa tarde e boa noite a todos os visitantes. Aqui quem vos fala é Bruno Fernandes, responsável mais uma vez pelo Diário de Bordo, pois o irresponsável que havia assumido o compromisso de redigir essa semana faltou.

Recorde quebrado. 35 bikers no pedal noturno.
Recorde quebrado. 35 bikers no pedal noturno.

Comecemos pelos telefonemas e telegramas recebidos justificando ausências. O Magela telefonou dizendo que por motivo de viagem não poderia participar, e desejou a todos uma ótima trilha. Por telegrama moderno (MSN) o Hebinho informou que não poderia ser o redator do diário de bordo devido a afazeres profissionais e políticos. O Gleidsson que seria um dos guias também por motivo de viagem, justificou a ausência e informou que semana que vem está firme. O Lelé por motivos educacionais, morais e cívicos não pôde matar aula de novo. E finalmente o Franguinho que justificou sua ausência com base nas quedas consecutivas que ocasionou um leve amassado em seu rabo.
Então damos início efeito ao diário de bordo que infelizmente não será tão bacana como a pedalada noturna, pois ninguém caiu, ninguém errou caminho e não aconteceu nenhum fato extraordinário.
Quando cheguei à Power Bike, já percebi que o recorde de bikers seria quebrado. Fiquei muito satisfeito em ver que havia muitos companheiros novos. As calçadas estavam tomadas de bicicletas e ainda havia gente para chegar.
Eram 19h03min quando saímos pela Rua Major Jerônimo, sentido balão da Wolks guiados pelo Euler Caixeiro Viajante e pelo Herlley da Power Bike. A quantidade de bikes em fila indiana me surpreendeu. Subimos a Major Gote, pegamos a Marabá e logo no posto do primeiro balão, onde paramos e contamos a galera. 35 bikers. Com o recorde quebrado, descemos pelas ruas do Enduro do Milho 2009, chegando até o local onde estava o último PC do mesmo enduro. Foi quando demos o início da subida do Cenourinha, onde fomos ver quem pedala de verdade. Muita gente não agüentou e acabou empurrando um pouco. Mas afinal tinha gente que tava fazendo a primeira trilha. Força galera! Não desanima não.
No mesmo momento que o Kuririn tava no final do morro, ele descia e subia novamente, registrando a galera. Cada pedalada era um flash. Mais uma vez houve a tradicional disputa de quem tem a lanterna mais forte. Houve algumas discordâncias, mas quem  ganhou foi o Luis do São Lucas, vencendo na final o Coelho 38 Bala. Quando chegamos ao Posto Cometa, paramos para algumas pessoas abasteceram suas garrafinhas e fizemos a foto oficial. Neste momento sete bikers, voltaram acusando que tinham compromisso. Tudo bem, a gente perdoa.
Minutos depois saímos em direção ao estradão e a galera aproveitou a ausência do Cacique Magela e entrou na contramão na rodovia, evitando fazer o trevo. Certeza que terá advertência. Seguimos pelo estradão, todo mundo unido e o papo rolava forte. Viramos sentido Dólar e na descida, a bicicleta do Bocão da Lana Mayrink parecia um touro. Gineteava para todos os lados e o Bocão ficava firme em cima da bike. Por incrível que pareça ninguém caiu na descida do dólar.
Não vou falar do Marquinho da funerária, pois o cara deve ta cansado dessas brincadeiras. Mas fica o registro desse novo companheiro. Chegamos à BR e advinha quem tava lá novamente? A Gata Seca. Veja ela nas fotos quem ta com vontade de conhecê-la.
Entramos pela pista da estrada agrícola sonhando com uma pizza. Chegamos à Star Lanches do nosso amigo Vaninho e tomamos conta de sua garagem com bikes. Impressionante a quantidade. Ficou bonito. Vejam só:
Tá parecendo o depósito de bikes furtadas
Tá parecendo o depósito de bikes furtadas

Estavam lá nos esperando à família do Luis do São Lucas e o Hebinho, que ficou lá reclamando por não ter conseguido participar do pedal.
E quando estávamos saboreando a deliciosa pizza do Vaninho, eis que a chuva muito pedida por todos nós, dá a graça de irmos molhando até chegarmos em casa ensopados.
Gostaria muito de citar o nome de todo mundo que pedalou hoje e contribuiu para a quebra do recorde, mas é impossível. Então você que pedalou e leu até aqui, deixe seu comentário sobre o que achou do pedal. Você que não pedalou, deixe seu comentário também e venha pedalar com a galera do noispedala.
Clique aqui e veja as fotos do pedal noturno da subida do Cenourinha e descia do Dólar.