Depois de ser a porta-bandeira na abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, Jaqueline Mourão comemora resultado no biatlo

Depois de ser a porta-bandeira da equipe brasileira que disputa os Jogos Olímpicos de Sochi na Rússia, a atleta mineira Jaqueline Mourão disputou nesse domingo (9 de fevereiro) a prova de biatlo sprint.

Jaqueline Mourão participa da prova de biatlo sprint
Jaqueline Mourão participa da prova de biatlo sprint

Jaqueline foi a 18ª a largar no Complexo Laura de Esqui e Biatlo, errou apenas um de dez tiros e completou o percurso em 25m06s4, 3m59s6 atrás da primeira colocada, a russa naturalizada eslovaca Anastasiya Kuzmina, que conquistou o bicampeonato olímpico na prova. A russa Olga Vilukhina levou a prata, 19s9 atrás, e a ucraniana Vita Semerenko, o bronze.
Ela foi a  77ª colocação entre 84 atletas. Jaque terminou a prova de biatlo Sprint 7,5km com um tempo quase quatro minutos pior do que o da campeã.
Em sua página no facebook, Jaque deixou o seguinte recado:
“Estreia com sucesso nos JO 2014. No tiro tive um excelente desempenho, acertei 9 dos 10 tiros, e no esqui dei meu máximo. A equipe técnica está de parabéns, Guido foi impecável na regulagem da carabina e Raphael preparou muito bem meus esquis! Alcançamos mais um percentual abaixo dos 20% e zeramos a pista sem nenhuma queda graças a Deus! Obrigada por todas as mensagens e pela torcida!”
Jaqueline Mourão disputou os Jogos Olímpicos de Verão em Atenas 2004 na modalidade ciclismo mountain bike. Sochi é a quinta olimpíada da carreira da atleta, que atualmente reside no Canadá e se dedica aos esportes de inverno.
Na terça-feira ela compete no cross-country, na prova de Sprint. Na sexta-feira ela volta para o biatlo, desta vez na prova de 15km individual.
Por Bruno Fernandes

COI lança símbolos que serão usados nas Olimpíadas 2016. Conheça os do ciclismo.

Criação do pictograma que representa o ciclismo de pista.
Criação do pictograma que representa o ciclismo de pista.

O Comitê Rio 2016 apresentou nesta quinta-feira, dia 07, seus pictogramas esportivos. Desde Tóquio 1964, cada edição dos Jogos utiliza ícones gráficos, que refletem a cultura do país anfitrião, para apresentar os esportes. E, em 2016, pela primeira vez, as disciplinas Paralímpicas contarão com pictogramas próprios. Os Jogos do Rio contam com 64 pictogramas, sendo 41 Olímpicos e 23 Paralímpicos. (Confira aqui)
“Esse é um dos nossos diferenciais na história dos Jogos. Um fato inédito que vai servir de exemplo para os futuros comitês organizadores. Parabenizo a equipe de criação pela dedicação e trabalho conjunto com as diversas áreas que contribuíram para esse lançamento. ”, destacou o Presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman.
A palavra pictograma vem do grego e do latim. Na sua origem significa “palavra pintada”. Essa identificação original foi a fonte de inspiração dos primeiros traços: a tipografia oficial Rio 2016.
O projeto de desenvolvimento da Fonte Rio 2016, lançada em julho de 2012, foi uma das inovações, do programa de marca dos Jogos. O conceito tipográfico, desenvolvido pela Dalton Maag, foi inspirado nas letras e números do logotipo Rio 2016 e na essência dos Jogos, paixão e transformação, que une as marcas Olímpica e Paralímpica.
Baseada nas curvas do Rio, a Fonte representa elementos como o calçadão de Copacabana, que está presente nas letras ‘m’ e ‘n’ e a Pedra da Gávea, que está representada na letra ‘r’. As letras são desenhadas com um único traço contínuo, num movimento ágil e fluido que sugere o movimento dos atletas.
Pictos Olímpicos
Pictos Olímpicos

Os primeiros traços foram feitos à mão, depois da pesquisa de imagem de cada esporte. Estes traços foram reconstruídos no computador com o encaixe das curvas das letras. O corpo dos atletas e os equipamentos esportivos foram construídos a partir dos caracteres ou de parte deles, num traço contínuo, com variações de espessura para dar a ideia de profundidade. Os seixos, que são uma característica da linguagem visual do Rio 2016, fazem o suporte dos desenhos e alteram sua forma de acordo com os diferentes movimentos dos atletas.
No desenvolvimento dos pictogramas Paralímpicos, a equipe de designers do Comitê Rio 2016 procurou retratar a integração das diferentes deficiências dos atletas com o esporte de forma equilibrada, com naturalidade, por meio de próteses, vendas nos olhos e outras indicações.
A diretora de Marca do Comitê, Beth Lula, explica a importância dos pictogramas para engajar o público no evento desde cedo.
Pictos Paralímpicos
Pictos Paralímpicos

“O uso dos pictogramas daqui até 2016 servirá como plataforma de comunicação para a promoção dos esportes, ativação dos parceiros e irá marcar toda a identidade visual dos Jogos, o que inclui sua aplicação na decoração das instalações, na sinalização, nos ingressos, nos produtos licenciados, entre outros”, afirmou.
O trabalho foi executado em 16 meses, dos quais 5 foram dedicados à validação das 42 Federações Internacionais.O Comitê optou pela montagem de uma equipe interna de design para a criação dos principais elementos gráficos dos Jogos, provavelmente um dos mais complexos projetos de design do mundo. Além dos designers, um grupo de 28 profissionais esteve diretamente envolvido no desenvolvimento dos pictogramas.

Caixa é o novo patrocinador master da Confederação Brasileira de Ciclismo até Rio 2016

Parceria tem período inicial de três anos e potencializa investimentos em todas as disciplinas do ciclismo brasileiro.
A Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) assinou contrato de patrocínio com Caixa Econômica Federal nesta sexta-feira, 25 de outubro, em Londrina (PR). Os investimentos serão aplicados nas quatro disciplinas olímpicas do ciclismo brasileiro: Ciclismo BMX, Ciclismo Estrada, Ciclismo Mountain Bike e Ciclismo Pista.
O diretor de marketing da Caixa, Clauir Santos, destacou a importância de estar colaborando com uma das modalidades esportivas que mais distribui medalhas em olimpíadas. “Já acompanhávamos o bom trabalho que vem sendo realizado no ciclismo brasileiro e decidimos buscar esta oportunidade de estar contribuindo com a modalidade. Nossa ideia é manter uma parceria duradoura e a longo prazo”, ressaltou Clauir.

Presidente Vasconcellos. Crédito: CBC/Divulgação.
Presidente Vasconcellos. Crédito: CBC/Divulgação.

Inicialmente o contrato se estende até os Jogos do Rio 2016, potencializando  investimentos na preparação das equipes nacionais de ciclismo, além de priorizar a realização de alguns eventos do calendário esportivo nacional, como os Campeonatos Brasileiros.
Segundo o presidente da Confederação, José Luiz Vasconcellos, os investimentos proporcionados pela Caixa terão uma grande importância na preparação dos atletas do ciclismo.
“O patrocínio irá fortalecer os projetos que estão sendo desenvolvidos nas quatro disciplinas olímpicas do ciclismo, fortalecendo a busca da classificação olímpica para Rio 2016, na qual o ciclismo distribui 54 medalhas. O ciclismo brasileiro agradece a parceria com a Caixa e estará representando da melhor forma os investimentos que foram viabilizados”, destacou José Luiz Vasconcellos.
 
Ações que fazem parte do patrocínio Caixa no Ciclismo:
– Participações em algumas competições internacionais 2013-2016;
– Realizações de determinadas competições nacionais 2013-2016;
– Programa de apoio para atletas potenciais no ciclo Rio 2016;
– Programa de formação técnica;
– Programa de combate ao doping;
– Ações de mídia e publicidade;
– Plano Brasil Medalhas (BMX).

Por ASSESSORIA DE IMPRENSA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CICLISMO

Domingo o Rubinho Valeriano é Brasil nos Jogos Olímpicos de Londres

Rubinho Valeriano reconhecendo a pista em Londres
Rubinho Valeriano reconhecendo a pista em Londres

Este último dia dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 é especial para todos os brasileiros amantes do mountain bike. Sou suspeito para falar, mas analisando vários fatores, até o momento, o ciclismo foi o destaque dentre as modalidades olímpicas.
Muita emoção no ciclismo de pista, com vários feitos e recordes extraordinários. Até mesmo Paul Mccartney passou por lá. E o ciclismo de estrada? Duas belas provas com um público vibrante. Já tivemos também o BMX e o Triatlo. A soberania absoluta é dos britânicos.
Às 9h30 da manhã deste domingo, fechando as competições de ciclismo, será disputado o mountain bike masculino.
Detalhe da bike de Rubinho. Boa sorte!
Detalhe da bike de Rubinho. Boa sorte!

O mineiro Rubens Donizete Valeriano (Merida Fox Racing Shox TMP) representa o Brasil nos jogos olímpicos, pela segunda vez.
Ele corre com a expectativa de ser TOP 10 na prova, mas nós estamos na torcida por um pódio. A SPORTV transmitirá parte da prova, com comentário do carioca Amarildo Ferreira.
Você também poderá acompanhar a prova completa pelo Portal Terra. Para assistir, acesse: http://esportes.terra.com.br/jogos-olimpicos/ao-vivo/.
Está chegando a hora! Fiquem ligados.

Entrevista com a equipe do Projeto Olímpico do MTB Brasileiro

De maneira exclusiva, entrevistamos os membros do Projeto Olímpico do Mountain bike Cross Country brasileiro. O técnico Ruy Avancini e os atletas Rubens Donizete Valeriano, Henrique Avancini e Edivando de Souza Cruz comentam como foram os últimos cinco meses, o processo da conquista da vaga olímpica, suas experiências em Atenas e Beijing.
Eles também dizem sobre a expectativa de Londres e Rio de Janeiro.

Assista:


Edição e entrevista: Bruno Fernandes
Imagens: Antônio TiTõe

SPORTV escolhe ciclismo para apresentar cobertura dos Jogos olímpicos de 2012. Assista à chamada

Três VTs de 90 segundos entitulados “Londres 2012 é no SporTV” estão sendo veiculado desde o dia 26 de março. São três visões diferentes de uma prova de ciclismo de velocidade.
A primeira é com a visão do ciclista, a segunda do técnico e a terceira do profissional de TV.
Na ficção não foi possível sabermos se o Brasil conquistou a medalha. E na realidade? Você acha possível o Brasil conquistar alguma medalha no ciclismo?

Versão do Atleta

Versão do Técnico

Versão do Profissional SporTV

CIMTB Araxá 2012: Confira a entrevista com o campeão Rubinho Valeriano

Após vencer a primeira etapa da Copa Internacional de Mountainbike 2012, Rubinho falou com a equipe do Noispedala. Ele que já é tetra-campeão da copa, começou com o pé direito e somou 70 importantes pontos para a disputa da vaga olímpica para o Brasil.
Depois de representar o Brasil nos Jogos Olímpicos da China, a expectativa é muito grande para que ele esteja novamente em Londres.
Confira a reportagem com imagens e edição de Renato Amaral.

Imagem da Semana – Quinta edição – Superação de Henrique Avancini na Costa Rica

Quem venceu foi Rubinho Valeriano. Edivando Sousa Cruz foi o quarto. Mas quem me chamou a atenção foi Henrique Avancini. Ele literalmente lutou e pedalou com afinco. Com aquela vontade que falta para os jogadores de futebol da seleção brasileira, que o povo já foi apaixonado.
Ele foi o décimo primeiro. E daí? Somou pontos importantíssimos para a conquista de nossa vaga olímpica no Mountain bike. Confira abaixo a foto e o relato dele sobre a prova.

Henrique Avancini na Costa Rica
Henrique Avancini na Costa Rica

Inacreditável a corrida de hoje na Costa Rica. Estar tão bem e acontecer tanta coisa é frustrante. Hoje foi uma corrida histórica. Aconteceu quase tudo comigo: quebrei a sapatilha esquerda em 3° no grupo da frente, fui com ela solta até o ponto de apoio; troquei por uma reserva; quebrei novamente e o mesmo pé!…
Depois, recuperando e em 4° lugar caí de uma ponte alta que teve sua proteção quebrada por um outro atleta e quebrei o selim e aro tubular! Bati de peito em uma arvore e fui retirado da prova, pegaram minha bicicleta e queriam me colocar em uma maca, quando consegui levantar tomei minha bike da mão do paramédico e voltei pra pista mesmo sem deixarem…fiz quase uma volta sem selim e de roda quebrada cheguei no ponto de apoio, troquei o canote com novo selim, amarrei a sapatilha com abraçadeiras de plastico e segui na corrida, até que do nada, quebrei a gancheira de cambio!
Impressionante…normalmente consigo poupar bem a bicicleta nessas condições, mas mesmo depois disso tudo eu sabia que naquela lama e num circuito tão perigoso, muita gente abandonaria a corrida por isso resolvi continuar, mesmo tendo que correr o circuito todo, já que assumi o compromisso pelo Brasil de buscar a vaga olímpica para Londres…consegui terminar a corrida na 11° colocação e somar pontos pro Brasil. 
Rubinho Valeriano venceu a prova e Edivando Souza Cruz foi quarto…No total, somamos 93 pontos de 130 possíveis…
Tudo deu errado pra mim, mas fiz minha parte…