Entrevista Henrique Avancini. O melhor atleta de MTB em 2013 no Brasil.

Henrique Avancini comemora o primeiro título da Copa Internacional de MTB na Elite.
Henrique Avancini comemora o primeiro título da Copa Internacional de MTB na Elite. Foto: Bruno Fernandes / Noisepdala

O mountain biker é um esporte de desafios com objetivo de superação em percursos com obstáculo. Essa modalidade exige determinação, garra e resistência,  um atleta que entende muito bem disso é Henrique Avancini.
O interesse pelo MTB começou cedo, logo aos 8 anos de idade, um garoto que tinha fome de pedalar e alegria em fazer o que gostava.  Ruy Avancini, um homem amante desse esporte e envolvido com dedicação apoiou a vontade de pedalar de seu filho.
Atleta jovem, que com apenas 24 anos já coleciona diversos títulos de expressão, realizou uma excelente temporada. Foi em Março de 2013, que Henrique Avancini se tornou o primeiro atleta brasileiro a vencer uma prova alemã de mtb válida para o ranking da União Ciclística Internacional (UCI). Henrique venceu a 26ª Bundesliga de Musingen, na Alemanha. Antes disso conquistou a Copa AM PM em Costa Rica, o GP Ravelli, a 1º Etapa da Copa Brasil, e conquistou medalha de bronze no Pan Americano 2013 na Argentina. Top 10 na Copa do Mundo no Canadá , destaque no Campeonato Mundial da África do Sul, campeão da Copa Internacional de Mountain Bike, Campeão Brasileiro de XCO , e ainda alcançou o objetivo de vencer  a etapa do cross country no Brasil Ride, onde complementou com a marca de Campeão do Brasil Ride, juntamente com  seu parceiro de equipe Sherman Trezza.
Henrique atendendo a solicitação de um fã.
Henrique atendendo a solicitação de um fã. Foto: Bruno Fernandes / Noispedala

Metas traçadas para temporada 2013 foram alcançadas e algumas superadas, como o ranking da UCI, onde concluiu entre os 25 melhores. O  atleta não gosta de trabalhar com metas fixas, já que se prender muito a números já chegou a ser um fardo para sua cabeça e isso serviu de lição para sua vida.
“Só coloco como meta quando quero vencer uma prova, caso contrário o meu objetivo é trabalhar próximo da perfeição. Os resultados são consequências. Aprendi a definir os objetivos de maneira mais motivadora lindando com a pressão que eu me coloco.”
Os planos desse profissional para 2014 que já está ansioso para ver seu desempenho  são muitos e com certeza fazer um calendário mais pesado será um deles, onde exigirá mais viagens para competir nas principais provas do calendário internacional. Foco principal, que já esta em seus planos a muito tempo em sua carreira  é a vitória do Campeonato Pan Americano 2014. Título da competição na categoria Júnior de 2006 já tem no seu currículo, mas agora conquistar novamente no Brasil, e no estado de Minas Gerais na cidade de Barbacena o título que a 12 anos não é conquistado por um brasileiro na Elite seria mais que especial, momento único. “Vou chegar 100% para a prova e quero deixar a festa pra gente.”
2013 foi um excelente ano para Henrique.
2013 foi um excelente ano para Henrique. Foto: Renato Amaral / Noispedala

Henrique Avancini passou por um momento delicado em sua carreira esse ano após sofrer uma queda no Mundial de MTB, e isso o afastou de treinos e competições por um tempo.
“Talvez a queda do Mundial tenha sido um dos momentos mais frustrantes da minha carreira. Me preparei muito para a prova e cheguei bem e mostrei isso na pista. Era a principal prova da temporada, o Mundial tem um peso muito maior que uma Copa do Mundo e só perde em importância para os Jogos Olímpicos. Um resultado expressivo no mundial mudaria as coisas para mim e até para o MTB brasileiro. Com as condições que tenho-que são irrisórias comparando às grandes estrelas- eu estava fazendo milagre. Um tombo besta me tirou da prova, mas eu quis continuar e talvez esse tenha sido um dos maiores erros da minha carreira. Isso gerou complicações depois da prova e quando cheguei ao Brasil não via uma melhora. Após alguns dias meus pensamentos eram perturbadores. Comecei a ver tudo sendo perdido e eu não conseguia saber quando eu subiria na bike de novo. Confesso que foi uma das poucas vezes que tive medo de perder algo na minha vida.”
Henrique Avancini - Caloi Elite Team
Henrique Avancini – Caloi Elite Team. Foto: Bruno Fernandes / Noispedala

“Passar por essa fase mexeu muito comigo, e foi muito importante pra mim o carinho que recebi das pessoas. Ganhar parabéns quando você vai lá e ganha uma grande prova é fácil, mas receber apoio quando você está meio sem chão é que te deixa mais forte.”
Ele superou essa fase complicada e concluiu com sucesso mais um ano em sua carreira. Resultado de muita determinação, fé e foco foi a premiação  de reconhecimento como o melhor ciclista do ano no Prêmio Sport Life.
“Esse foi um ano de muitas conquistas, como nunca esperado para um piloto de MTB brasileiro e Deus sabe como foi difícil chegar onde estou. Muitas vezes tenho que batalhar demais para conseguir condições de trabalho próximas do que seria o ideal, e receber um prêmio deste é um gás e um grande incentivo, pois sei que estou no caminho certo.”
Apesar de ter vencido os principais títulos, as vitórias sempre foram muito apertadas nas competições. O número de atletas com nível expressivo aumentou, e isso é algo que Avancini considera legal pois existe uma geração nova ganhando seu espaço.
“O futuro é mais promissor do que nunca e eu espero puxar todo mundo pra cima. Acredito que seja uma responsabilidade elevar o padrão. Andar rápido nas pistas e trazer ganhos pro esporte em geral é importante pro agora mas é ainda mais importante pro amanhã. É o legado que você pode deixar.”
Ser premiado no primeiro ano do ciclo olímpico é reconhecimento do trabalho forte e determinado que Henrique Avancini vem realizando com sua equipe Caloi Elite Team ,que é UCI MTB Team (Equipe oficial da UCI) , seu mestre Helio Souza, e sempre com o apoio de seu pai e incentivador Ruy Avancini. Com esse prêmio, um gás foi dado para entrar com tudo na  temporada em 2014 que promete grandes emoções.
Henrique Avancini
Henrique Avancini. Foto: Bruno Fernandes / Noispedala

O melhor atleta do ano na modalidade ciclismo mountain bike agora tem um novo patrocinador pessoal que tende a aumentar o nível desse ciclista proporcionando novas oportunidades de treinamento para poder ousar com seu talento.
“A Red Bull é minha patrocinadora pessoal. O interessante é que são apenas 3 atletas Red Bull de XCO no mundo! Além de mim, o italiano Marco Fontana e a austríaca Lili Osl. A entrada da Red Bull em minha carreira muda muita coisa. Tenho a disposição um centro de treinamento na Áustria, exclusivo para os atletas Red Bull, que é realmente de outro mundo. Estou realmente motivado em trabalhar com eles. Acredito que será benéfico para minha carreira.”
Tudo pronto para destacar em um novo ano que se aproxima, o atleta acredita que nunca sabemos o nosso potencial real e deixa sua mensagem a aqueles atletas que inspiram em sua carreira pela sua determinação e garra: “Acredite que é possível um pouco mais. É incrível como nosso corpo expande os limites quando damos mais crédito pra ele. Acredite mais em si mesmo”
Desejamos que você Henrique da Silva Avancini conquiste tudo que almeje em sua vida com muita paz, saúde e sucesso. A Equipe Noispedala agradece sua receptividade e estará junto com você em suas próximas conquistas. Que 2014 possa ser um ano de realizações para você e todos atletas envolvidos nesse esporte fantástico.
Por Giovanna Soares

Entrevista Roberta Stoppa. Em um ótimo ano a atleta recebe o mérito esportivo Panathlon

Roberta Stoppa recebeu o mérito esportivo Panathlon em 2013.
Roberta Stoppa recebeu o mérito esportivo Panathlon em 2013.

Tradicional mérito esportivo Panathlon na categoria mountain bike foi concebido a Roberta Stopa.
Roberta Stopa, atleta da Equipe Terrabike-Multitek, nos diz um pouco sobre o que a temporada de 2013 representou em sua carreira.
“Eu considero que foi uma grande escola, pois com a evolução das atletas mais novas tive que rever todo meu treinamento junto ao Cadu Pollazo para a próxima temporada, onde se inicia o Ciclo Olímpico.”
O foco da atleta agora é 200% nas competições válidas para o Ranking da União Ciclística Internacional (UCI), onde seus resultados favorecerão a oportunidade de conquista da tão sonhada vaga olímpica.
“Correr atrás desse sonhos e aí sim depois ver o que a Confederação Brasileira de Ciclismo irá definir como regra para a seletiva e convocação para qual atleta irá representar nosso País em casa.”
A temporada foi de aprendizado, conquistas e reconhecimento. Ao término de mais um ano, Roberta Stopa foi agraciada com o tradicional mérito esportivo Panathlon, na categoria Mountain Bike em sua cidade natal, Juiz de Fora-MG.
“Esse reconhecimento serve como estímulo na busca pela vaga para as Olimpíadas de que nosso País será sede, vou canalizar essa energia nos meus treinamentos.” Essas foram as palavras da atleta ao agradecer a homenagem na noite de premiação.
Parabéns pela atleta experiente e guerreira que você representa para nosso País. Essa homenagem foi mais que merecida, pois representar e honrar um esporte tão importante como você já faz a 18 anos é muita dedicação , e esse respeito merece ser valorizado.
Em nome de toda Equipe Noispedala desejo a você muito sucesso e muita luz em seu caminho. Que todos seus objetivos sejam alcançados.
Por Giovanna Soares

Entrevista Edivando Souza Cruz. Top 5 nas principais competições da temporada.

Edivando Souza Cruz
Edivando Souza Cruz. Foto: Bruno Fernandes / Noispedala

Mais um ano se finaliza. Podemos dizer que a temporada 2013 foi de grandes conquistas e emoções no mundo do mountain bike. Pensando assim, entrevistamos alguns atletas. O assunto: temporada de 2013 e perspectivas dos mesmo na temporada que se aproxima.
O primeiro atleta foi Edivando Sousa Cruz. Confira o que ele disse à nossa equipe:

Top 5 nas principais competições da temporada.

Experiência o faz conquistar grandes resultados em principais competições como no Campeonato Brasileiro,  Copa Internacional de Mountain Bike,  Shimano Fest e na Taça Brasil. Em 2013, esse atleta completou 20 anos de carreira, tempo que o possibilitou viver com a história do mountain bike desde seu ínicio, participando das inovações e notando as constantes mudanças nesse esporte de grande evolução.
“As bicicletas mudam, as provas mudam, as técnicas de treinamento mudam e você tem que estar sempre se atualizando. É preciso estar atento a tudo que acontece.”
Temporada de superação e novos desafios, Edivando conseguiu manter um equilíbrio em seus resultados com a ajuda do seu preparador Helio Souza, que juntos elaboraram novas estratégias para  finalizar a temporada mais cedo e poder voltar a base no meio de Novembro.
“ A minha intenção não era de estar na melhor forma logo, mas sim de ter mais tempo para treinar e focar em pontos que realmente levam certo tempo para serem construídos.”
Evoluir é a palavra chave do foco desse atleta  para destacar nas principais provas de XCO , isso tudo visando na melhoria de sua classificação para o Ranking Internacional (UCI).
“Teremos um início de temporada importante no Brasil, pois temos num único mês a Copa Brasil, a Copa Internacional de Mountain Bike e o Campeonato Panamericano de MTB.”
Além desses eventos , o atleta que representará novamente em 2014 a Equipe ASTRO/VZAN/PROSHOCK/MEMORIAL-SANTOS, pretende estar em alguns eventos de maratona, que também são de extrema importância para sua carreira.
Feliz com seus resultados de 2013, Edivando Souza esta confiante para a temporada 2014 que será um ano muito importante . A Equipe Noispedala acredita no seu potencial e deseja que muitos outros anos possam ser escritos em sua jornada com sucesso. Boa sorte e obrigado pela atenção.
Por Giovanna Soares

TV Noispedala: Entrevista com Júnio Alves e Silvinho Amorim, os campeões das América da Brasil Ride

Dia de festa em Patos de Minas. O Noispedala, amigos e familiares foram receber os atletas da Equipe Cemil, Silvinho Amorim e Júnio Alves, que neste último sábado, 26 de agosto, conquistaram a categoria American da Brasil Ride, a maior ultra maratona da América Latina.
Muita emoção e alegria marcou a chegada dos atletas patenses.
Confira como foi essa festa.

Imagens: Renato Amaral
Reportagem: Bruno Fernandes
Edição: Renato Amaral e Bruno Fernandes

Entrevista: Raiza Goulão fala sobre sua carreira e o Campeonato Mundial de MTB

A emocionante vitória de Raiza na etapa de Divinópolis da CIMTB.
A emocionante vitória de Raiza na etapa de Divinópolis da CIMTB.

A atleta Raiza Goulão, bicampeã Pan-americana e Brasileira de MTB, nos concedeu uma entrevista contando sobre como é deter títulos em dois eventos de grande importância para qualquer atleta do ciclismo profissional. Com apenas 22 anos, a ciclista esbanja profissionalismo e conhecimento ao dar sua opinião sobre o ciclismo no país e fala um pouco de sua carreira. Ser representante da Seleção Brasileira de MTB é sinal dos seus esforços e reconhecimento merecido no esporte.
Raiza começou no mercado de trabalho com 16 anos, e durante esse período obteve um interesse em montar uma bike para passeio e diversão. Aos poucos foi gostando do esporte e se apegando, até que, no final de 2009 resolveu participar de uma prova de MTB em Pirenopólis–GO, sua cidade natal. Durante a prova chegou a pensar em desistir e nunca mais pegar a bike pois o sofrimento era grande, mas assim que cruzou a linha de chegada a sensação de superação foi inexplicável e inesquecível. Isso foi o que realmente a fidelizou nesse mundo do ciclismo, onde profissionalmente segue desde 2012 na equipe Soul Cycles.
Essa atleta vem tendo destaque nas competições nacionais e internacionais. Mas o evento que está visando desde o início da temporada é as Olimpiadas de 2016.
“Este é o meu objetivo a longo prazo, tracei com meu treinador Cadu Polazzo. Ano que vem começamos o ciclo olímpico onde pretendo participar e quem sabe poder passar uma temporada realizando competições internacionais onde irei adquirir um ritmo de corrida maior e ter condições de buscar resultados para o Brasil.”
Bicampeã pan-americana, conquistado na disputa em Tafi Del Valle, na Argentina que  motivou ainda mais essa atleta ao voltar para casa e se dedicar em seus treinos. Dedicação que a consolidou como uma grande atleta promissora a conquistar um ouro olímpico na elite feminina da Seleção Brasileira.
“Fico muito feliz em poder participar da seleção brasileira de MTB, onde esse ano contamos com 3 provas internacionais e de grande ajuda a todos nós atletas convocados. Espero poder continuar trazendo grandes títulos ao nosso país e quem sabe vitórias internacionais. Acho que buscar uma medalha olímpica é um sonho surreal, mas acho que devemos sempre nos dedicar e sonhar grande. Serão 2 anos longos de provas onde teremos que conquistar muitos pontos para nossa nação e buscar uma vaga no feminino, e espero poder contar com o apoio da CBC nessa missão.
Em duas oportunidades, Raiza sentiu uma sensação indescritível: na vitória da Copa Internacional de Mountain Bike e ao finalizar na Copa do Mundo como top 6.
A CIMTB é o maior evento que temos em nosso país, onde contamos com uma grande estrutura. Segundo a atleta onde podem aproveitar ao máximo a estrutura que o evento os proporciona, além de contarem com algumas pistas bem legais.
“Buscar essa vitória  é sempre um sonho, e quando conquistamos, a sensação é indescritível, pois ali você está competindo com os melhores atletas de nosso país. Contamos com toda a mídia do mountain bike, então as notícias correm e é muito legal poder contar com essa estrutura. Além de contarmos com um ambiente rodeado de atletas e  equipes, todos convivendo no mesmo local. Acho que é um exemplo para as demais provas que acontecem no Brasil.”
Pan-americano 2013. Créditos: Divulgação.
Pan-americano 2013. Créditos: Divulgação.

Estar entre as 6 melhores do mundo: “Apesar de perder a 5º colocação de bobeira, mas acho que o que conta também é a experiência que adquiri e fiquei muito feliz. Pois eu estava competindo em uma das pistas mais técnicas que conta nos circuitos das Worlds Cups. Em 2011 fiz a 17º e este ano consegui a 6º colocação, isso só me motivou e me provou como estou conseguindo crescer no MTB. Espero um dia poder voltar com a medalha de ouro”.
Um grande diferencial é que Raiza nunca se deixa abater, independente dos imprevistos que se passa nessa vida de atleta, onde ela afirma não ser nenhum mar de rosas, porém a paixão é muito maior. Essa paixão que alimenta a sua garra de relevar várias situações no MTB.
Definindo sua trajetória ela diz: “Além de ter passado uma fase de transição complicada, agora já conto com uma equipe muito legal onde tenho meu treinador e o acompanhamento do nutricionista Mario Flavio Cardoso. Me dedico aos treinos 7 vezes por semana, onde só tiro um dia de OFF e pratico Yoga. O contato com meu treinador é muito frequente para traçarmos nossos objetivos de acordo com meu calendário de provas, e já com o nutricionista, mantenho sempre pois considero fundamental a alimentação, pois é um combustível para nós atletas.”
Um dos trechos técnicos da pista do Campeonato Mundial de MTB.
Um dos trechos técnicos da pista do Campeonato Mundial de MTB.

A maior conquista na vida relacionado a bicicleta: “Bicampeonato do Pan-Americano e a vitória da etapa da CIMTB em Divinópolis.” Maior desafio em sua carreira: “A 6º colocação na World Cup, pois ali estavam muitos atletas do Canadá, onde pensei que não andaria bem e elas conheciam o circuito de olhos fechados. E a vitória em Divinópolis esse ano pois foi uma prova muito disputada.”
Objetivos da carreira: Olimpíadas 2016 e 2020. Ser campeã brasileira na Elite Feminina. Top 10 do Mundo e pegar um pódio no Mundial.
Opinião sobre o MTB nacional: “Acho que só está crescendo cada vez mais, onde está caindo no gosto do povo. É um esporte que necessita de muito mais apoio e mídia envolvida também para podermos sermos vistos e reconhecidos em todo o Brasil. Mas é um esporte onde temos contato com a natureza, fazemos sempre novas amizades e conhecemos lugares incríveis onde somente a bike nos leva.”
Recado para aqueles que desejam almejar bons resultados no ciclismo: “Sempre gosto de dizer para sempre corrermos atrás de nossos sonhos, mesmo que passemos por barreiras. Devemos saber contornar as situações e fazer a nossa paixão pela bike ser maior e não se acabar. Sempre digo a mim mesma: DEDICAÇÃO, DETERMINAÇÃO, SUPERAÇÃO E FÉ.”
Atleta de ponta, nomeada com uma das melhores do mundo devido seu potencial,  Raiza Goulão está na concentração para nessa sexta-feira competir com muita determinação o Campeonato Mundial de MTB na África do Sul. O seu primeiro contato com a pista não foi muito agradável mas já esta revertendo a situação.
“Ontem tinha me assustado, voltei para o hotel bem desmotivada, pois a pista é bem técnica e feita praticamente inteira a mão para nós atletas. Com grandes drops, rock garden, onde me surpreendeu por não contarmos com tais obstáculos destes em nosso país. Mas hoje dei uma volta na pista onde já pude analisar outras linhas e ver melhores opções de encarar todos os desafios com confiança.”
Raiza acha que será uma prova muito dura. Além de contar com as melhores atletas do mundo, o clima está muito seco e quente, e ela está demorando a se adaptar. Mas esperamos como ela que possa finalizar a prova entre as top10. Sabe que é um objetivo muito difícil, mas é isso que vai focar e concentrar.
Lema: “Andar com fé eu vou, porque a fé não costuma falhar.”
Raiza Goulão, atleta que hoje pudemos notar que é ousada e determinada. Seu foco em um objetivo é a visão do horizonte para alcançar seus sonhos. A equipe Noispedala agradece sua atenção e pode ter certeza que poderá sempre contar com o nosso respaldo e de todos seus fãs e amigos. Boa sorte campeã, sucesso e tudo de bom em sua vida.
A categoria Sub 23 onde terá a presença dessa atleta promissora vestindo a camisa do Brasil terá a largada as 8 horas da manhã , nesta sexta feira (30/08), segundo o horário de Brasília. Vamos acompanhar e torcer para que ela possa conquistar mais um resultado inédito para o Brasil.
Por Giovanna Soares

Entrevista: Lukas Kaufmann, atleta da equipe Focus/OCE Racing Team

Atleta suíço da elite masculina é uma das grandes promessas para destaque nas próximas competições aqui no Brasil.

Lukas Kauffman disputando uma prova de Sprint Eliminator
Lukas Kaufmann disputando uma prova de Sprint Eliminator

Tivemos a honra de conversar com esse ciclista determinado e apaixonado pelo Brasil. Lukas Kaufmann, esse é o cara que deixou seu país e veio com tudo representar a equipe Focus/OCE Team e fazer a diferença pelos cantos brasileiros.
Antes de representar uma equipe brasileira em 2013, o atleta era de uma equipe Internacional , a alemã Fuji- Rockets. Por essa equipe, já tinha vindo ao Brasil em 2010 competir o Brasil Ride na Bahia, e nessa competição gostou até que então retornou em 2011 e 2012.
“Gostei muito do Brasil por ter um toque diferenciado da minha terra. As pessoas, a comida, os ciclistas, tudo é diferente e muito agradável. Logo após o Brasil Ride em 2011, resolvi fazer um passeio para descansar no Rio de Janeiro, e então decidi mudar de vez para esse país em Setembro de 2012. Vir para o Brasil mudou muito minha vida, estou muito feliz. Conheci minha namorada e moro atualmente em Belo Horizonte, e desde quando cheguei vi que aqui irei construir nossa família se Deus quiser.”
Lukas Kaufmann vem de uma família onde todos gostam de conviver com a magrela. Com apenas 7 anos de idade, foi pedalar em uma trilha incentivado por seu pai. Ai então o gosto se concretizou e hoje é esse atleta talentoso e promissor.
NOISPEDALA : Lukas, quais as modalidades do ciclismo que mais te atraem?
Lukas: XC e Sprint Eliminator. Agora estou começando a fazer mais maratonas também.
Qual a diferença para você representar uma equipe Brasileira invés de uma Equipe Internacional?
Na Equipe Internacional eu estava mais focados nas provas internacionais, como a Copa do Mundo e as provas na Europa. Já quando mudei para o Brasil e consegui uma equipe nova fiquei muito feliz, pois agora irei aprender com um país totalmente diferente, onde tudo é novo, as provas e lugares diferentes. Na verdade cansei de lá e estou muito ansioso aqui no Brasil. A galera da bike é top.
Qual o maior objetivo de carreira?
Estou fazendo um bom trabalho com o Hugo Prado Neto da OCE, já consegui melhorar bastante e conseguir bons resultados. No futuro quero manter esse trabalho e fazer sucesso nas corridas principais, como a Copa Internacional ou Brasil Ride. Quem sabe talvez em uma prova grande fora do País. O que é muito importante para mim é gostar do que faz, e isso já faz sucesso.
Qual o seu ponto de vista em relação ao ciclismo aqui no Brasil em relação as provas Internacionais?
O esporte está crescendo muito no País, já notei que o nível esta bem mais alto que no ano passado e os melhores atletas do Brasil estão entre os tops do Mundo, como o Avancini que já mostrou isso com a vitória na Corrida Internacional na Alemanha.
Agora tem vários atletas com o nível forte e isso vai aumentar ainda mais o nível do ciclismo aqui, mas agora tem que fazer experiência nas provas internacionais.
Você em 2012 competiu a etapa da CIMTB em Divinópolis pela equipe da Alemanha?
Sim, foi a minha primeira prova da CIMTB. Antes de vir para essa etapa eu participei da Copa do Mundo, fiz todas as provas na Europa. Já estava morando no Brasil, mas não definitivo.
Em relação a sua participação na CIMTB esse ano, como você caracteriza?
Em Araxá foi minha primeira corrida em 2013, assim foi muito difícil fazer uma prova boa. O ritmo foi muito forte e não consegui andar com os melhores. Em São João Del Rei tinha um dia ótimo e depois de várias provas ainda fiquei forte, terminei a prova em 3º lugar e não tinha pensado que iria conseguir isso. O nível no Top 10 é alto, assim é muito interessante, e também não foi sempre o mesmo vencedor. A CIMTB é top demais. O percurso é técnico, moderno, ideal para assistir e até porque os gringos participam.
O suíço Lukas Kaufmann
O suíço Lukas Kaufmann

No Sprint Eliminator você sempre vem se destacando muito e sendo considerado promissor. Mas na etapa de Divinópolis você sofreu uma queda e muitos consideram que isso te desanimou para a prova. O que realmente você diz sobre o ocorrido?
Eu não desanimei, mas machuquei muito e não me senti bem. E também tava um pouco gripado mas tentei fazer o melhor. Na prova não fui mal, consegui ficar entre os top 8, mas sofrendo muito de dor. Na última volta eu furei o pneu no meio do mato. Mas no sprint eliminator, sempre pode acontecer uma coisa, porque é no limite mesmo, percurso foi rápido e com areia no asfalto, o que é muito perigoso.
E o que você espera para a etapa de Congonhas ?
Em congonhas vai ser tudo um pouco diferente. O sprint vai ser na subida, nunca fiz uma prova assim, será uma experiência para minha carreira e por ser a noite será um espetáculo e a prova principal será uma maratona. Já mudei meu treino pra esse tipo de prova ,estou pronto e vou para Congonhas com tranquilidade. Eu espero que tenha umas trilhas. O percurso parece ser bem duro, vai ser muito interessante na Elite e vou tentar fazer uma prova constante e inteligente.
Qual a prova mais importante da sua carreira?
Foi o Campeonato Europeu em 2009, que fiquei em 3º Lugar na Sub 23.
Já que você se apegou ao Brasil participando do Brasil Ride, creio que irá competir esse ano novamente. Correto?
Sim, esse ano irei com meu parceiro Hugo Prado Neto, e com uma preparação muito melhor.
Há algum objetivo que tenha planejado na sua vida que queira ainda conquistar?
Desejo construir uma família em que meus filhos possam praticar também o ciclismo e poder conhecer vários lugares do Brasil e do Mundo carregando sempre o ciclismo como incentivo. Seria ótimo se meus filhos gostassem de pedalar, porque o mais importante que fariam o pai mais feliz por vê-los felizes.
Lukas Kaufmann, nós da Equipe Noispedala adoramos conhecer um pouco mais sobre seu mundo e seus objetivos. Desejamos tudo de bom para você, e principalmente para que a sua nova vida aqui no Brasil possa ser recheada de grandes concretizações e com muita alegria.
Obrigado pela disponibilidade, e atenção com nossa equipe.
Por Giovanna Soares

Entrevista: conheça mais sobre o ciclista brasiliense Marconi Ribeiro

Ciclista Marconi Ribeiro
Ciclista Marconi Ribeiro

Marconi Ribeiro, um atleta que vem marcando presença constante no mundo da magrela. Ele tem 20 anos de muitas histórias e conquistas importantes. A característica mais marcante desse atleta é a sua facilidade para escalar subidas de alto nível de dificuldade. No MTB é muito competitivo devido a sua ativa habilidade.
A  Equipe NoisPedala, conversou com esse atleta que abriu um pouco conosco para dividir  o que mais marcou sua jornada até hoje e sobre quais são as perspectivas que pretende constituir ao seu futuro.
 
NoisPedala : Há quanto tempo pratica ciclismo?
MarconiRibeiro: Há 20 anos, mas tive duas paradas nesse período. Uma de 2 anos e uma de 3 anos. Comecei no ciclismo em 1991 em minha primeira competição.
 
NP: Como surgiu o ciclismo na sua vida?
MR: Sempre fui apaixonado por bicicletas. Desde moleque minha brincadeira preferida era andar de Bike. Em 1990 conheci o esporte através de amigos e entrei para nunca mais sair. A paixão virou amor.
 
NP: Qual é o conselho que um ciclista com sua experiência pode deixar a um jovem que queira ingressar nesse esporte?
MR:  O atleta iniciante deve ter em primeiro lugar o conhecimento das necessidades de ser atleta, que é ter disciplina, determinação, foco, humildade e sabedoria para superar as dificuldades nas fases difíceis da temporada. Procurar ter sucesso de forma limpa e honesta, tanto nas disputas com seus adversários como na melhora da sua performance, procurando um profissional de Educação Física para  orientar sua trajetória.
 
NP: Se pudesse escolher um momento em toda sua carreira para voltar a viver, qual seria?
MR:  Voltaria na época que eu era Sub-23 pela equipe Specialized, onde fui 2 anos consecutivos convocado através de seletivas do Campeonato Brasileiro. Onde tenho orgulho de dizer que disputava com feras que hoje são referências no esporte, como Rubens Donizete, Edivando Souza, entre outros, para poder representar o Brasil em Mundial e Pan-americano. Com a experiência que tenho hoje, não teria parado. Faria algumas coisas diferentes para poder continuar, pois o que me fez parar foi a falta de salário e precisava trabalhar.
 
NP: Acha que o ciclismo será um esporte com mais história e reconhecimento no futuro?
MR: Sim. Esporte lindo de assistir e é muito atraente. Todos que entram nele se encantam e traz mais um amigo para ser encantado também. Está crescendo muito, e as pessoas já estão olhando com outros olhos nosso esporte .
 
NP: Qual a vitória mais importante da sua carreira, e por que foi a mais importante?
MR: Foi o Mundial Máster de 2012. Onde briguei com o italiano Máximo Folcarelli a prova toda, por pouca diferença de tempo, onde fiquei com ele na mira a corrida toda. Fiz de tudo e não consegui superá-lo.  A mais importante da minha carreira, porque foi a que mais me dediquei aos treinos e por isso larguei com uma paz e tranquilidade de trabalho cumprido, mas ainda não consegui vestir a camisa da UCI.
 
NP: Há algum objetivo que tenha planeado na sua vida que queira ainda conquistar?
MR: O sonho que tenho é ser campeão mundial. E estou trabalhando para isso.
 
NP: Para as pessoas que não o conhecem, como se descreve como pessoa ? E como atleta?
MR:  Eu sou muito tranquilo, calmo, observador e alegre. Admiro as pessoas que buscam seu objetivo trabalhando duro e com empenho. Como atleta sou muito competitivo, não gosto de jogar sujo, sou disciplinado com meus treinos, alimentação e sono. Sempre busco a perfeição.
 
NP:  Como é sua preparação em rigor aos treinos? Quem realiza seu acompanhamento profissional?
MR: Atualmente eu sou meu preparador físico, e técnico. Sou formado em Educação Física e administro minhas planilhas, sempre visando picos em provas importantes.
 
NP: Você esta na liderança da CIMTB? O que isso representa para você?
MR: Representa uma satisfação enorme para mim, por ser a prova mais disputada do Brasil e todos almejaram esse lugar onde me encontro hoje. Largar com a camisa amarela é muita responsabilidade e tenho que honrar esse momento brilhante na minha vida.
 
O atleta agradece a sua esposa e a tua filha por sempre o apoiarem. Aos seus amigos que sempre estão vibrando por ele e aos seus parceiros da Equipe da ICE , aos patrocinadores, ICE RACING TEAM, PraQuemPedala e Unibike.
Nossa equipe agradece o carinho e paciência que você Marconi Ribeiro tem conosco. Sucesso na sua jornada , que a cada novo dia seu talento possa concretizar uma nova história nessa caminhada belíssima em seu mundo fascinante pelo ciclismo. E obrigado desde já por aceitar o nosso convite.
Entrevista realizada por Giovanna Soares.

CIMTB Divinóplis 2013: Isabella Lacerda comenta sobre a ansiedade para a prova

Isabella Lacerda
Isabella Lacerda

Faltando 2 dias para o início da 3º Etapa da Copa Internacional Levorin de Mountain Bike, nossa equipe bateu um papo com a atleta Isabella Lacerda, da Equipe LM Bike/SHIMANO, referente a perspectiva para essa etapa que promete grandes emoções na cidade de Divinópolis-MG.
NPD : Isabella, na segunda etapa realizada em São João Del Rei você foi a grande campeã completando a prova em 01hr e 21min, o que representou para você essa vitória?
Isabella Lacerda: A vitória em São João Del rei foi uma sensação incrível! Sempre foi meu foco a CIMTB e eu ainda não havia vencido uma etapa de XCO. Fiquei muito feliz com meu desempenho e resultado.
NPD: O circuito em Divinópolis, é muito técnico, possui muitas curvas e subidas íngremes. Qual sua perspectiva para essa próxima etapa da competição ?
Isabella Lacerda: A etapa de Divinópolis é muito especial para mim. Por ser perto da minha cidade, toda minha família e amigos vão ao evento torcer e me incentivar, é uma emoção muito grande. A perspectiva é sempre as melhores, sei que o nível das meninas está muito alto e não será uma etapa fácil, mas vou dar o meu máximo e buscar o melhor lugar ao pódio.
NPD: Você vem competindo freqüentemente em circuitos que exigem bastante força e determinação. Como esta o seu foco em base dos treinamentos de preparação que dedicou para a prova desse final de semana ?
Isabella Lacerda: Os treinamentos estão muito intensos, o foco é total para a CIMTB. Meu treinador Cadu Polazzo faz sempre uma periodização do treinamento visando as principais provas e intensificamos muito para a etapa de Divinópolis.
Gostaria de agradecer o carinho e atenção dessa atleta maravilhosa que sempre está presente destacando no mundo do Mountain Bike. Parabéns e boa sorte na 3º Etapa da CIMTB, do dia 28 a 30 de Junho em Divinópolis, e em toda sua carreira. Muito obrigado Isabella Lacerda pela receptividade com nossa equipe.
Entrevista: Giovanna Soares

As principais frases da confissão de Lance Armstrong para Oprah Winfrey

Lance Armstrong confessa doping em entrevista
Lance Armstrong confessa doping em entrevista

Lance Armstrong confessou doping e reconheceu que toda a sua vida foi uma grande mentira.
Confira aqui as frases que chocam todos os que acreditaram no ex-ciclista.
“Na minha opinião, não teria sido possível ganhar por sete vezes o Tour sem recorrer a substâncias dopantes”.
“Dopar-me fazia parte do trabalho”.
“Tomei as minhas opções, o erro é meu”.
“O meu cocktail era EPO, transfusões sanguíneas e testosterona. Não tinha acesso a nada que os outros não tivessem”.
“No início da minha carreira, tomava cortisona, depois a geração EPO começou. Iniciei-me na EPO em meados dos anos 90”.
“Não vou dizer o nome de ninguém. Eram 200 ciclistas (no pelotão do Tour de France), haveria certamente alguns que não se dopavam”.
“Porquê agora? Essa é a melhor pergunta, a mais lógica. Não tenho uma boa resposta. É demasiado tarde (para admitir ter-me dopado), provavelmente para a grande maioria das pessoas, e a culpa é minha. Esta situação é uma grande mentira, que repeti inúmeras vezes”.
“Estava habituado a controlar tudo na minha vida, especialmente no que toca ao esporte. Agora a história é tão má, tão tóxica, e grande parte é verdade”.
“Era uma história perfeita e não era verdade”.
“Eu não inventei a cultura (do doping), mas não tentei pará-la. Agora a modalidade está pagando por isso e eu lamento”.
“Eram tempos competitivos. Éramos todos homens adultos, fazíamos as nossas escolhas. Houve pessoas na equipe que optaram por não dopar”.
“Havia um grande nível de exigência (na US Postal). Esperávamos que os ciclistas estivessem em forma, fortes, para desempenharem as suas funções. Neste momento não sou o tipo mais credível, mas nunca fiz isso (pressionei colegas para usarem doping)”.
“Não sentia que estava fazendo algo errado. (Sentia que estava a fazer fraude?). Não. Olhava para a definição de fraude e não via o que estava fazendo isso. Via como um meio de jogar ao mesmo nível dos outros”.
“Era assustador”.
“Nunca fui apanhado, porque o meu organismo estava limpo durante a competição”.
“Sinto-me mais feliz agora do que naquela altura. Mais feliz hoje do que ontem”.
“Não percebia a magnitude das minhas ações. O importante é que agora começo a entender. Vejo a revolta nas pessoas. A sensação de traição… está tudo lá. Eram pessoas que me apoiavam, acreditavam em mim e, por isso, têm todo o direito de se sentir traídas. Terei de pedir desculpa a essas pessoas toda a minha vida [referindo-se a antigos colegas e respetivos familiares que ameaçou, difamou e processou]”.
“Nunca houve um controle positivo [na Volta da Suíça em 2001], nunca houve um encontro secreto com o diretor do laboratório de Lausana, nem nenhum pagamento à União Ciclista Internacional”.
“Assumi que as histórias continuariam por muito tempo. Só estamos sentados aqui porque houve uma investigação federal que decorreu durante dois anos. Todos os envolvidos na história foram chamadas, depuseram. Havia um homem com uma arma e um distintivo e as consequências eram sérias”.
“Amo o ciclismo. Amo mesmo. E dizer isso pode parecer… as pessoas dizem que desrespeitei o Tour, a cor amarela, a modalidade, a camisa. É verdade. Abusei do meu poder e desrespeitei as regras. Foi uma escolha minha. Não tenho moral para dizer ‘vamos limpar o ciclismo'”.

Confira na íntegra a confissão


Entrevista com a equipe do Projeto Olímpico do MTB Brasileiro

De maneira exclusiva, entrevistamos os membros do Projeto Olímpico do Mountain bike Cross Country brasileiro. O técnico Ruy Avancini e os atletas Rubens Donizete Valeriano, Henrique Avancini e Edivando de Souza Cruz comentam como foram os últimos cinco meses, o processo da conquista da vaga olímpica, suas experiências em Atenas e Beijing.
Eles também dizem sobre a expectativa de Londres e Rio de Janeiro.

Assista:


Edição e entrevista: Bruno Fernandes
Imagens: Antônio TiTõe