5 destinos pelo mundo para um bom passeio de bicicleta

Além de ser um meio de transporte saudável para quem pedala, a bike tem a vantagem de ser ecológica, ter um bom custo-benefício a médio-longo prazo e ser prática para aqueles que vivem na pressa do dia a dia.
E cada vez mais cresce o número de pessoas que estão adotando a bicicleta, seja ela usada como ferramenta de exercício físico, deslocamento para o trabalho ou para lazer. Essa terceira possibilidade que a bike oferece já está no coração dos brasileiros há muito tempo, principalmente para aqueles mais aventureiros que adoram viajar também para pedalar, que gostam de experimentar os mais diferentes terrenos para um passeio e as mais distintas paisagens, independentemente da dificuldade que cada caminho possa oferecer.
Antes de voltar para o hotel para fazer uma refeição mais equilibrada, jogar um videogame, fazer um jogo legal no Gaming Club cassino online, assistir uma série ou se preparar para o outro dia de aventura, o turista ciclista aproveita (e muito) o que cada lugar tem de melhor.
Pensando nisso, separamos cinco lugares pelo mundo que são quase obrigatórios para todo amante da pedalada. Confira:

AMSTERDÃ, HOLANDA

A capital holandesa é muito tradicional quando o assunto é passeio de bicicleta. Como não tem ruas muito íngremes e possui uma vasta quantidade de ciclovias, Amsterdã oferece diversas oportunidades para os amantes de plantão. Além de se exercitar enquanto conhece as particularidades de outro país, as pedaladas pela cidade permitem ao turista admirar a vista de parques e dos canais que atravessam a capital.

CHAPADA DIAMANTINA, BAHIA

Para quem é bem aventureiro e possui um maior tempo de relacionamento com a magrela, pedalar pelas trilhas da famosa região de serras brasileira é um bom programa. O passeio pela Chapada permite ao ciclista experimentar os mais variados tipos de solo, desde a terra batida até o asfalto. E além da paisagem exuberante do lugar, claro, ainda é possível parar em cachoeiras para se refrescar.

Panorama da Chapada Diamantina, no Parque Nacional da Chapada Diamantina, Bahia

MALMO, SUÉCIA

Com muito espaço para pedalar pelas ruas, a cidade ao Sul do país possui muitas vias exclusivas para bicicleta, monumentos para contemplar durante o passeio e um alto índice de segurança, já que os carros não costumam competir com as bikes por espaço nas ruas. Os parques no verão sueco também podem ser uma ótima pedida, já que também são receptivos com bicicletas.

Malmo, Suécia

BUENOS AIRES, ARGENTINA

De acordo com o “Ranking Copenhagenize 2015”, a capital da Argentina está entre as melhores cidades para dar um passeio ciclístico. A cidade portenha investiu muito nos últimos anos para atender o público que se locomove a pedaladas. Através de programas de distribuição e empréstimo de bicicletas, Buenos Aires conseguiu aumentar a extensão de suas ciclovias e proporcionar uma alternativa mais “verde” para seus habitantes.

Buenos Aires, Argentina

COPENHAGUE, DINAMARCA

A capital danesa melhora cada dia mais seu sistema para o uso de bikes. Além de poder pedalar tranquilamente pela cidade devido à grande infraestrutura para esse meio de transporte, o turista também pode fazer um passeio arquitetônico pela capital, pedalar ao lado do Canal Nyhavn e dar uma parada para fazer um lanchinho em vários pontos do passeio. O aluguel de bicicletas é altamente difundido e facilita bastante a vida do visitante.

Copenhague, Dinamarca

Deu Brasil na Brasil Ride 13. Equipe Cemil vence na categoria Américas e Equipe Caloi é campeã na Open

A largada dos líderes no último estágio.
A largada dos líderes no último estágio.

E o Brasil foi campeão na Ultra Maratona Brasil Ride 2013. Quem venceu na Open, categoria que agrupa os atletas de elite e amadores foi a Equipe Caloi, composta por Henrique Avancini e Sherman Trezza de Paiva. Eles completaram os 7 estágios com um tempo acumulado de 23:36:36. Em segundo lugar ficaram os espanhóis Ismael Ventura e Ramon Sagues, seguidos por Christoph Sauser e Kohei Yamamoto.
A categoria America, que agrupa as equipes compostas por dois atletas americanos foi vencida pela Equipe Cemil, formada pelos atletas de Patos de Minas, Júnio Alves e Silvinho Amorim. Eles completaram os 7 estágios com o tempo acumulado de 25:42:35.
Segundo Silvinho, que possui excelentes resultados e títulos em eventos como Copa Internacional de MTB, Campeonato Brasileiro, World Cup, Cape Epic, Piocerá, Big Biker e Iron Biker, a Brasil Ride o surpreendeu. “Prova mais dura que já corri. Isso aqui é um mestrado de mountain bike”. Eles finalizaram em oitavo lugar na categoria Open.
Bart Brentjens e Abraao Azevedo foram os campeões na Master, Rebecca Rusch e Selene Yeager venceram na Ladies. Annabella Stropparo e Piero Pellegrini venceran na Mixed, Heleno Caetano Borges e Dorivaldo Correia de Abreu na Grand Masters e ANTONIO, PAULO e ANDRE venceram na categoria Corporate.
Em breve teremos mais detalhes.

Brasil Ride: Após o sexto estágio, Equipe Caloi mantém a camisa amarela e Equipe Cemil mantém a camisa branca.

Foto: Alexandre Cappi / Brasil Ride
Foto: Alexandre Cappi / Brasil Ride

A sexta etapa da Ultra maratona Brasil Ride acontece no momento da redação desta matéria. São 143,50 km com largada em Rio de Contas e chegada em Mucugê, onde amanhã será realizado o sétimo e último estágio, com 61,8 km.
Quem venceu hoje foi a equipe Specialized Racing – songinfo, com os atletas Sauser Christoph e Kohei Yamamoto. Henrique Avancini e Sherman Paiva da Equipe Caloi foram os quarto colocados no geral e mantiveram a camisa amarela.
O dia novamente foi bom para a Equipe Cemil. Silvinho e Juninho foram os segundos colocados entre as duplas das Américas e mantiveram a camisa branca. Segundo Silvinho, foi uma etapa muito dura, com muitas subidas e ao final,  15 km de asfalto com vento contra.
Não temos mais detalhes, pois ainda não foram divulgados os resultados oficiais de hoje e de ontem.

Brasil Ride: Juninho e Silvinho são top 10 no estágio 4. Yamamoto e Sauser venceram.

Premiação do terceiro estágio. Na foto: Nitão, Alexandre, Sherman, Henrique, Silvinho e Juninho.
Premiação do terceiro estágio. Na foto: Nitão, Alexandre, Sherman, Henrique, Silvinho e Juninho.

Dia de problemas no Brasil Ride. A Dupla que representa a CEMIL na Brasil Ride teve problemas em seus equipamentos. A bike do atleta Júnio Alves teve seu pneu dianteiro rasgado, motivo este que culminou em alguns minutos a mais no tempo e perda de algumas posições. Problemas também com a equipe STEVE que liderava a Brasil Ride até o fim do terceiro estágio. A gancheira de uma das bikes de Luis Leão Pinto e Tiago Ferreira quebrou e abandonaram a prova. Na Masters, o Portugues Vitor Gamito que liderava junto com o brasileiro Paulo Freitas quebrou o guidão e também abandonou.
Quem levou a melhor foram Yamamoto e Sauser. Hans Becking e Jiri Kovak foram os segundos colocados, seguidos por Roel Paulissem e Johann Pallhuber. Eles andaram juntos com os brasileiros que lideram dentre os americanos, Henrique Avancini e Sherman Trezza.
Mesmo com o problema em um dos pneus, a dupla de Patos de Minas foi a nona colocada no geral e a terceira dentre os brasileiros. Eles calculam que perderam cerca de 10 minutos ao colocar câmara de ar no pneu rasgado. Outra surpresa foi a quilometragem maior do que anunciada. Os participantes estavam preparados para pedalar por 87 km, e na verdade foram 105km, totalizando para os patentes, 5 horas e 12 minutos de pedal.
Amanhã tem mais!

Equipe Cemil é a segunda colocada dentre os brasileiros no estágio 2 do Brasil Ride

Premiação do segundo estágio da Brasil Ride
Premiação do segundo estágio da Brasil Ride

A Equipe Cemil, composta pelos ciclistas Júnio Alves e Silvinho Amorim, foi a décima colocada no geral do segundo estágio do Brasil Ride. Vale ressaltar também que eles chegaram em segundo lugar dentre os brasileiros.
Os campeões do dia foram os portugueses  Luis Leão Pinto / Tiago Ferreira, seguidos pelos espanhóis Ismael Ventura/Ramon Sagues e Hugo Prado Neto/Lukas Kaufmann os terceiros colocados.
Juninho e Silvinho percorreram os 139 km em 6 horas e 38 minutos. Henrique Avancini e Sherman Trezza de Paiva da Caloi Elite Team foram os brasileiros melhores colocados.
Segundo Silvinho Amorim, “hoje fizemos uma excelente prova aqui no Brasil Ride, etapa dura que começou em Mucugê e Terminou em Rio de Contas, o que era 139Km acabou virando 145Km. Começamos mal e terminamos bem, largamos bem atrás do pelotão e desgastamos muito até chegar no pelotão da frente.
Fomos melhorando durante a prova e graças a DEUS terminamos na 9ª colocação geral e 2° lugar dentre os brasileiros. Muito Feliz com nosso resultado e estamos dando bem como dupla, já que ja treinamos muito juntos e isso é muito importante em uma Ultramaratona de 7 dias.
Com este resultado estamos em 10° lugar na geral Open entre Brasileiros e Estrangeiros.
Agradeço a DEUS PRIMEIRAMENTE, minha Família e tbém a CEMIL (BEBA SAÚDE.BEBA CEMIL) que é nosso Patrocinador.”

Equipe Cemil composta por Júnio Alves e Silvinho Amorim disputa edição 2013 da Brasil Ride

Silvinho Amorim e Júnio Alves (Equipe Cemil)
Silvinho Amorim e Júnio Alves (Equipe Cemil)

Os atletas de Patos de Minas, Júnio Alves e Silvinho Amorim estão na região da Chapada Diamantina, estado da Bahia, para a disputa da Ultra Maratona Brasil Ride. A competição que iniciou nesse domingo com um prólogo de 18,6 km, prossegue até o próximo sábado, 26 de outubro.
Ao todo são 159 duplas de diversas nacionalidades, agrupadas em 6 categorias. Dos 318 participantes, 55 são estrangeiros.
No prólogo, a Equipe Cemil obteve a 13ª colocação, percorrendo os 18,6 km em 55 minutos e 23 segundos.
Você pode acompanhar os resultados diariamente clicando aqui.

Confira o vídeo do prólogo.

Diário de Bordo: Pedal na Chapada Diamantina, abril de 2011

Feriadão de 21 de abril de 2011, Por Sérgio Zaggo

Afrânio e Sérgio Zaggo na Chapada Diamantina
Afrânio e Sérgio Zaggo na Chapada Diamantina

Parque Nacional da Chapada Diamantina: um lugar místico, que tem atraído cada dia mais visitantes. Fica na Bahia, em altitudes superiores a 1.000 metros. O clima é super agradável: à noite e pela manhã tem aquele friozinho gostoso. Na “volta do dia” é quente, mas sem exagero.
No passado, viveu um ciclo de garimpo de diamantes, cujos vestígios estão por toda parte: nas ruínas, no casario antigo, nas pedras remexidas por toda parte, nos leitos de rios desviados e nas barragens feitas de pedra.
Aliás, haja pedra! São sempre muito desgastadas pela ação das intempéries, formando verdadeiras obras de arte esculpidas pela natureza. Uma, particularmente, me chamou a atenção: o “conglomerado”, que é uma rocha formada por pedras roladas multi-coloridas, formando um belo mosaico, que fiz questão de fotografar. Outra coisa interessante é a cor das águas: é escura, tipo coca-cola, mas é totalmente limpa e inodora. Já ouvi dizer que é a presença de algas que dá essa coloração.
Chegamos ao Vale do Capão na Quarta-Feira, dia 20. É uma comunidade vizinha ao Parque, onde moram muitas pessoas provenientes de cidades maiores, que optaram por um estilo de vida mais despojado, longe do stress e dos atropelos das cidades grandes. Éramos por enquanto, Eu e Elenice, Afrânio e Márcia, com seu filho Arthur. O Welmer e o Fábio estavam atrasados. Fomos provar o pastel de jaca, o mel com pimenta (uau!) e comer a famosa
Pizza Integral do Capão, que deixou lembranças.
No dia seguinte partimos somente eu e o Afrânio, acompanhados pelo Adelson que nos guiava. O Jubileu da Cantagalo foi no apoio com um Jeep. Saímos do Capão e cortamos o parque de um lado ao outro, 17 km de trilhas inesquecíveis. É como pedalar num jardim, é inacreditável! A profusão de plantas, flores, pedras, montanhas e cachoeiras, deixa a gente extasiado.
Cheguei do outro lado do parque com a sensação de que tudo que viesse dali pra frente seria lucro, porque só este trecho já valeu os 1.200 km que viajei. Em seguida rodamos mais 25 km fora do parque e terminamos o dia na Pousada Pai Inácio, debaixo de chuva, mas que não incomodou em nada.
No dia seguinte fizemos um programa super interessante: Pedalamos de Andaraí a Igatu, que é uma cidade no alto da serra, que viveu intensamente o ciclo de diamantes. São apenas 6 km de estrada calçada com pedras, construída a trocentos anos. Só que a subida é pedreira mesmo, muito puxada. Desta vez juntaram-se a nós o Welber e o Fábio. Mas o bacana mesmo foi a descida, por trilha, um verdadeiro dowhill. Lajes de pedra, degraus, pedras soltas, alguns trechos calçados, tudo no meio das ruínas de casas antigas feitas de pedra. E com direito a um ofurô no meio da descida. Um pedal curto mas inesquecível, valeu cada minuto.
E o Brasil Ride vem aí pessoal, 23 a 29 de Outubro/11, alguém se habilita?

Convite: Em abril tem Pedal na Chapada Diamantina

Pedal na Chapada Diamantina
Pedal na Chapada Diamantina

Como quando um de nossa turma faz um pedal fenomenal, sempre ficamos com vontade de levar todo mundo, não é? Com o Sérgio Zaggo foi assim. Ele atende clientes na Chapada Diamantina e por duas oportunidades já, sendo uma dela, durante o Claro Brasil Ride, ele pedalou naquela região. E agora ele quer levar o resto da turma. Vamos nessa galera? Veja o relato dele e o pacote feito especialmente para nossa turma.
Depois do Claro Brasil Ride, estive na Chapada em Janeiro/11, e fui até o Vale do Capão visitar o Jubileu, e dar um giro rápido pela região.
Esta região foi o palco do Claro Brasil Ride
Esta região foi o palco do Claro Brasil Ride

Conversando com o Jubileu, vislumbramos a hipótese de montar um grupo para pedalar na Chapada durante o Feriado de Tiradentes/Páscoa, 21 a 24 de abril/2011.
A meu pedido, o Jubileu montou o programa abaixo, e agora eu estou reunindo amigos para formar o grupo (mínimo de 10 e máximo de 18 pessoas).
Veja que o programa está super em conta, são apenas R$ 545,00, incluso 04 hospedagens com café da manhã, guias, seguro, lanche e hidratação durante o percurso, carro de apoio 4×4, taxas de entrada  nos locais visitados do roteiro e bases de apoio e o apoio profissional do Jubileu e sua equipe.
Uma vantagem muito grande é que dá para levar as esposas/filhos que não queiram pedalar o percurso inteiro: O apoio da Cantagalo resgata a bike e o/a biker em pontos estratégicos do percurso.
Outro detalhe: como vocês sabem o Claro Brasil Ride, por tratar-se de competição, é realizado fora dos limites do Parque Nacional da Chapada Diamantina.
No nosso caso, como não temos esta limitação, pedalaremos pelas melhores trilhas e os melhores atrativos do Parque, claro que com todo o respeito ao meio ambiente e com a orientação preciosa da Cantagalo.
Lembro que as vagas são limitadas, as inscrições serão comigo ou com o Jubileu.
Para quem for, eu posso garantir que vai valer cada minuto! Eu e minha esposa Elenice ESTAMOS DENTRO!

Confira o folder desta aventura

Não fique de fora!
Não fique de fora!

Diário de Bordo: Sérgio Zaggo no Claro Brasil Ride 2010 parte 1

O Claro Brasil Ride é a maior ultramaratona de mountain bike do Brasil. A primeira edição está acontecendo agora na Chapada Diamantina, interior da Bahia, de 14 a 19 de novembro.

TransTora, mais uma empresa do Grupo Tora Racing
TransTora, mais uma empresa do Grupo Tora Racing

Viajamos eu e o Tora (vulgo Ronaldo). Um lance legal aconteceu em uma de nossas paradas na viagem: encontramos com uma das carretas da TransTora, mais uma das empresas do Grupo Tora Racing, vejam a foto. O Tora está trabalhando como voluntário na organização, e eu estou curtindo um cicloturismo paralelo ao evento, com possibilidade de realizar as provas em parte ou em todo o percurso de cada etapa.
Como a prova é de nível internacional (vejam o hall da fama em www.clarobrasilride.com), os melhores atletas nacionais e estrangeiros estão por aqui. E as bikes então, nem se fala! E podem crer, as full estão dominando, eu diria que 80% das que estão aqui são FS. São cerca de 120 duplas.
No domingo aconteceu o prólogo, que foi um percurso curto, só 12 km, muito técnico, cujo objetivo era definir o grid de largada dos próximos dias.
Sérgio Zaggo em mais uma aventura pela Chapada Diamantina
Sérgio Zaggo em mais uma aventura pela Chapada Diamantina

Os caras estavam alucinados, loucos pra correr. E o circuito era só pedra e buraco. Os atletas mais bem colocados no prólogo saem na frente nas demais etapas. Um coisa interessante é que o vencedor fechou com 31 minutos, e uma dupla local, da Chapada, com equipamento muito inferior, fechou com 38 minutos em oitavo lugar!
O segundo dia foi pedreira, 135 km, de Mucugê a Rio de Contas. Teve estradão, descidas fortíssimas, single track na mata, chuva, e para fechar, 25 km de subida forte no final do trecho. Os caras chegaram destruídos (e nós inteiros, pedalamos somente os 50 km mais bacanas do trecho). A largada foi às 6:00 da matina, e às 21:00 ainda tinha gente chegando (creio que eram duplas que se recusaram a subir no vassourão).
A terceira etapa aconteceu hoje, 85 km com um primeiro trecho bastante técnico, de descidas fortes em pedras, e depois muito morro. Nós largamos junto com os competidores e pedalamos a etapa toda, e deixamos até umas duplinhas pra traz.
Temos ainda mais três dias de competição, vou ficar ligado aqui e relato pra vocês. Enquanto isso vão conferindo no site do evento.

Confira algumas fotos desta ultra aventura

[nggallery id=170]

Patenses estarão no Claro Brasil Ride, a ultramaratona na chapada Diamatina

Faltam poucos dias para o tão esperado o maior desafio já realizado em solo brasileiro. Entre serras, vales e rios, nas trilhas da Chapada Diamantina, no Centro da Bahia, são o cenário perfeito para a épica corrida de seis dias. De 14 a 19 de Novembro de 2010, centenas de atletas terão uma experiência de vida inesquecível na Claro Brasil Ride

Claro Brasil Ride
Claro Brasil Ride

O palco é a Chapada Diamantina, um lugar mágico onde o cenário muda a cada instante. O Parque Nacional possui 152 mil hectares e altitude média entre 800 e 1.200 metros acima do nível do mar, com picos de até 2.000 metros. Serão pedalados 605 km em 6 dias.
Teremos dois participantes de Patos de Minas. Sérgio Zago (Pivodrip) fará o Ride Trip, que é a versão do Claro Brasil Ride para turistas apaixonados pelo mountain-bike. O Ride Trip é realizado no mesmo trajeto dos atletas profissionais. Muitas emoções estão por vir. Depois de uma criteriosa seleção, Ronaldo Gonçalves (Tora Racing) foi escolhido para ser um dos voluntários da competição. Ele estará acompanhando os atletas e os realizadores e claro, buscando alguns “atalhos” lá na chapada.
Boa sorte aos nossos dois parceiros e ficamos aqui desde já ansiosos pelos diários de bordo e fotos que serão enviados.
A água traz vida à região, com diversas nascentes, cachoeiras, lagos cristalinos e rios avermelhados, que alimentam uma incrível diversidade de fauna e flora.
Mais informações no site oficial do evento,www.clarobrasilride.com.

Assista o vídeo de apresentação do Claro Brasil Ride