Diário de Bordo: Pedal da Band na Trilha do Pit Stop voltando pelo Cenourinha

Celinho Band Bike
Celinho Band Bike

O pedal da Band de sábado foi show de roda. Eles repetiram a já consagrada Trilha do Pit Stop, com um aperitivo a mais. Eles desceram o Cenourinha.
Desta vez, uma coisa simples fez a diferença. Nenhum pneu furado. Até biker que pensava que conhecia todas as trilhas da região, como Marco túlio, ficou surpreendido.
O trajeto foi o seguinte: Saíram da Band Bike, subiram a Marabá, entraram no Cafezal passando pela Fazenda Chuá. Pularam o estradão por trilha e desceram o Cenourinha.
Participaram o Leandro Band Bike, Bruno Betel, Alvaro, Renato Amaral, Sérgio Marola, Eduardo, Marco Túlio ex-gagame, Vanelton, Luciano Pit Stop, Murilo, Walder e Celinho Band Bike
Confira o trajeto com fotos e o vídeo com imagens do Celinho e do Luciano editado pelo Luciano.

Assista ao vídeo

Diário de Bordo: Pedal Noturno Cenourinha e Descida do Dólar

02/12/2010, por Renato Amaral
Nos encontramos na Nutry Suplementos, onde fomos recebidos com uma maltodextrina gelada para começar bem o pedal. Eu (Renato) aproveitei pra me abastecer da energia que ia me faltar neste retorno ao pedal, e também o Bruno Fernandes, Herculano, Ernane, Adriano, Luís Farol de Carreta, Walder e Markin Kxão.

Para ficar registrado...
Para ficar registrado...

Primeiro subimos o cenourinha, onde descobrimos que o colega novato Adriano não tinha a coroinha à sua disposição. O jeito foi ele subir empurrando nos lugares mais difíceis e assim seria em todos os outros. Mas nada de atrasos. O cara sobe mais rápido empurrando do que eu pedalando de coroinha.
No alto do cenourinha ainda estávamos decidindo pra onde ir: beco dos grossos, dólar, ponto chic. Nos deslocamos até o Posto Cometa. De lá mesmo o Luís Farol de Carreta decidiu abandonar a turma e retornar pela Av. Marabá, alegando dores…
Pegamos o estradão do Sumaré a todo vapor e decidimos descer o dólar. Decepção para alguns: patrolaram o dólar e está mais liso do que bumbum de neném, sem as famosas valas e cascalho solto. Segundo o Herculano agora deixou de ser dólar e não passa de uns cents. Ruim para uns, bom para outros como eu mesmo que evitava as bacadas e para o novato Adriano que estava sem lanterna.
Depois do dólar o Markin Kxão nos guiou para um caminho desconhecido que parecia não ter saída. Era uma descida forte e pra subir de volta foi osso. Chegando de volta ao anel viário, quando tudo parecia certo, eis que Bruno Fernandes escorrega no estradão e leva aquele capote. Só serviu pra se sujar e pra sentir que não vai ser qualquer tombo que vai lhe quebrar a mão novamente.
Quem não foi com medo do barro se deu mal. Tinha, mas não atrapalhou em nada. Chegamos secos e relativamente limpos, mas eu, particularmente, com a alma lavada. Sem contar que a natureza deu seu show à parte em todo o trajeto com a sinfonia dos sapos e a tempestade de vaga-lumes!

Diário de bordo: Pedal Noturno Trilha da Meia noite 29/04/10

29/04/2010, Por Renato Amaral
EM BREVE FOTOS.
Está virando rotina. Às quintas quando não chove, São Pedro faz um marketing violento de uma chuva que não vem. Mas dessa vez choveu forte e alguns pontos da cidade e com muito vento. Em pouco tempo as estrelas voltaram ao céu e os que realmente estavam com vontade de pedalar compareceram. Saímos da Power Bike após 19:30. Éramos onze corajosos (até então).
O Cacique Magela estreando seu recém-chegado e tão aguardado ultra massa quadro Specialized foi o guia. Saímos da Marabá em direção ao cenourinha e já na descida antes do cenourinha o Edinho Galena quebrou um raio e teve que soltar o freio traseiro. Cada um no seu ritmo nos separamos na subida. E bem no meio da grande subida, de repente, uma chuva torrencial que só durou o suficiente pra molhar a galera. Esperamos no fim da subida e quando achamos que o Luís Farol de carreta e Duracell haviam desistido lá ao longe surgem dois faróis, ou melhor, três. O Luís estava todo orgulhoso. O Duracell subiu todo o cenourinha sozinho, sem ajuda, só no pedal. Valeu a espera.
Passamos no posto cometa para a foto oficial e quando olhei o Gagame já estava lavando a bike e a sapatilha. Nem apareceu nas fotos. Algo estranho. Ele já estava era se aprontando pra ir embora. Com essa desistência o Gagame atingiu uma taxa de desistência de 75% . Nos últimos quatro pedais noturnos ele abandonou três. Com ele seguiram-se quase todos. Cada um com seu motivo. Foram quatro os guerreiros que decidiram prosseguir: O guia Magela, o Walner, O Markim Caixão e Eu. Teve suas vantagens.
Seguimos e logo na entrada do Estradão do Sumaré descemos o morro antes da Valoriza. Nenhum incidente. Tudo sob controle. Fizemos uma trilha reduzida voltando ao Estradão. Era 21:30h quando retornamos ao asfalto. O Dr. Walner sugeriu descer o cenourinha e foi bem aceito. Lá fomos nós.
Na parte alta do cenourinha avistamos uma lanterna vindo ao nosso encontro. Estranho. Será que alguém resolveu voltar? Era o corajoso Rogério da Silva treinando corrida, sozinho. Animado o rapaz.
Pra não passarem em branco as estatísticas dos tombos o Magela colaborou: errou o pé no mata burro e pisou no vão: chão. E quase levou o Markin com ele.
Pra descida do cenourinha ainda sobrou história: Eu vinha na frente (fazendo escola de kamikaze) e quase passei em cima de uma cascavel. Quando passei ela armou o bote, ficando com a cabeça levantada. O Magela vinha logo atrás e quase… Ele chegou a levantar o pé. Descemos no embalo e o Dr. Walner ficou observando o animal até ele sumir no meio do pasto. Era grande.
No fim da descida entramos pelo loteamento Chácaras Caiçaras, alcançando novamente a Marabá. Foi uma excelente pedalada. Não percam a próxima (ou não desistam)!

Diário de Bordo: Pedal Noturno Trilha do Cemitério do Arraial 25/03/10

Aqui quem vos fala é o companheiro Bruno Fernandes. Já eram 19h04min quando cheguei ao ponto de encontro da semana, a Power Bike do nosso amigo Herlley que em breve estará com um site bem bacana. A galera já estava presente. O Euler Caixeiro Viajante e o Luis Farol de Carreta já haviam ligado preocupados com o meu atraso.

Galera subindo a Marabá
Galera subindo a Marabá

Na saída houve algumas trocas de funções. O Gleidsson Ludyele Confecções passou a ser o guia e o Euler Caixeiro Viajante fecharia as porteiras e acompanharia os meninos. O fotógrafo por livre e espontânea pressão foi o Cadu Sagra.
Tudo preparado para a saída, eis que 100 metros depois o Flávio Bocão percebe que o pneu estava vazio. Enchemos mais ou menos para ele pedalar até a Star Bike onde o Zé Gonçalves tava fazendo cerão. Pneu do Bocão cheio e prosseguimos sentido Avenida Marabá. Chegando ao Posto Caiçaras encontramos com o Banhão.
Já no início do Estradão do Sumaré, algumas pessoas resolveram ir ao Posto Cometa completar as garrafinhas. No retorno do posto, o Fábio Lana que era a primeira vez que ia a um pedal noturno, passa por uma “tartaruga” sinalizadora no asfalto e compra aquele asfalto (já que não era terra). Alguns machucados no joelho e mão. Ele resolveu voltar.
Descendo o morro
Descendo o morro

Seguimos e descemos o morro antes da Valoriza. Nenhum incidente. Tudo sob controle. Quando chegou para descermos até ao Cemitério do Arraial, resolvemos mudar o roteiro, pois já estávamos uns 30 minutos além do tempo regulamentar.
Passamos na estradinha acima do cafezal e chegamos ao morro ao morro do Arraial dos Afonsos. A galera tá cada dia mais treinada. O Pedro ficou enrolando um pouco, mas depois de uma injeção de ânimo ele subiu o morro bonito.
A galera reuniu novamente no fim do morro, já no estradão do Sumaré. Seguimos todos juntos até ao Posto Cometa aonde vimos que ainda tava cedo. O Luis Farol de Carreta foi abordado por um policial pensando que ele estava de moto na contramão, visto a potência de seu farol de carreta.
O barulho que ouvimos ao final seria deste cachorro?
O barulho que ouvimos ao final seria deste cachorro?

No início da estrada do Cenourinha paramos para ouvir uns gritos estranhos. Cada pessoa pensou que era uma coisa diferente. Seguimos a trilha e logo depois o pneu do Bruno Fernandes furou. O engraçado é que a câmara reserva dele também tava furada. Aí o Renato Amaral emprestou uma para ele.
Chegamos então a decida do Cenourinha onde o Herlley foi o último a sair e o primeiro a terminar. E olha que a lanterna dele não tava lá essas coisas. O cara desce muito.
Faltava então só subir o morro da Agroceres, onde no final cada um já foi pro seu lado.
É isso aí galera! Esse foi o primeiro pedal noturno sem nossa estrela maior Gagame que por motivo de força maior não pode está presente no pedal, mas estava lá no ponto de encontro. Deve ter sido por isso que foram somente 23 bikers.
Vai ser um fim de semana com poucas trilhas em Patos de Minas, pois a galera vai toda para Araxá curtir a Copa Internacional de Mountainbike. Para você que fica, curta nossa cobertura aqui no Noispedala.
Confira as fotos deste pedal noturno.
[nggallery id=76]

Diário de Bordo: Cenourinha, Arraial dos Afonsos e Sertãozinho

Ainda bem que estávamos próximos ao cemitério
Ainda bem que estávamos próximos ao cemitério

Fala galera do Noispedala. Com o Magela viajando e o Bruno tendo que ausentar no meio da trilha, sobrou pra mim o Diário de Bordo. Aqui é o Euler, o caixeiro viajante, vamos lá então.
Combinamos as 07h00min no Posto Caiçaras para a partida. Atrasamos um pouco porque o Marquinho ligou falando que ia atrasar e o Kuririn Furão Voador não apareceu, mais não foi tanto assim. Às 07h20min arrancamos para mais uma trilha. Contamos a turma eram 11 animados bikers.
Subimos a Marabá, descemos entre a Coopatos e a Agroceres sentido cenourinha. Subimos tranqüilo sentido Posto Cometa. No terceiro mata-burro o comentário era um só, como o Joel Junior (irmão do Luis farol de carreta) conseguiu pular o tal mata-burro mesmo sendo rôia como ele é? Chegamos ao Posto alguns completaram as garrafinhas de água e fomos sentido Arraial dos Afonsos.
Viramos na primeira entrada ao lado da Valoriza. Tudo tranqüilo até chegarmos ao beco antes do cemitério do Arraial dos Afonsos, quando o Luis (farol de  carreta) viu uma rampinha de nada e inventou de pular (tirando onda). Ele levou um capote feio e acabou machucando, quebrou os óculos, capacete e rasgou o manguito e a luva, fora as escoriações para todo lado. Descemos até o Arraial dos Afonsos onde  o  Luis reclamou de dores e mais uma vez foi rebocado pela sua esposa (já ta virando rotina).
Decidimos separar a turma perdemos dois companheiros o Luis e o  Bruno (ELITE) que ficou na companhia do acidentado. Seguimos em frente demos uma volta boa de estradão. O Marquinho era só reclamação (cadê as trilhas?) passamos na fazenda do Sr Lúcio, lembramos do suco de manga da outra trilha que foi com o Magela. Passamos outra vez pelo Arraial agora sentido Sertãozinho. O Fabiano Spaço só falava que queria chupar manga. Conseguimos achar um pé de manga, acho que ele chupou mais de 10 mangas (forte o rapaz).
A atração do pé de manga foi nosso amigo Marco Túlio (Gagame) que sem mais nem menos soltou umas das tradicionais frases “GUIDADO! GA VAI O PAU. GAI DE BAIXO” e o pior, ele não conseguiu pegar nenhuma manga. Mas como ele não estava sozinho, chupou umazinha. Tadinho, com ajuda de um companheiro.
Pegamos umas trilhas legais, aí veio o Marquinho reclamar que estava empurrando a bike (mais gosta de reclamar). Chegamos ao Sertãozinho quando o pneu do Felipe furou. Trocamos a câmara e seguimos chegando ao morro da secretária. O Gagame soltou mais uma. Chegou pra mim e disse: “escreve que estou andando na frente só para os meus amigos verem que estou arrebentando no pedal”. Já estava chegando ao fim da trilha não poderia fazer o que ele pediu era injusto com os outros, afinal o Gagame só andou em último. Passamos no Posto Cometa para a tradicional coquinha e chegamos ao final de mais uma trilha.
Chegando em casa liguei para o Luis para saber notícias, graças a Deus foi só um susto, foi ao hospital tirou radiografia do braço e não deu nada.
Valeu galera e até a próxima trilha.
Clique aqui e veja as fotos desta aventura. Não são muitas fotos, pois o nosso fotógrafo acidentado teve que nos abandonar no meio da trilha.

Diário de bordo: Pedal noturno Cenourinha e Dólar

Bom dia, boa tarde e boa noite a todos os visitantes. Aqui quem vos fala é Bruno Fernandes, responsável mais uma vez pelo Diário de Bordo, pois o irresponsável que havia assumido o compromisso de redigir essa semana faltou.

Recorde quebrado. 35 bikers no pedal noturno.
Recorde quebrado. 35 bikers no pedal noturno.

Comecemos pelos telefonemas e telegramas recebidos justificando ausências. O Magela telefonou dizendo que por motivo de viagem não poderia participar, e desejou a todos uma ótima trilha. Por telegrama moderno (MSN) o Hebinho informou que não poderia ser o redator do diário de bordo devido a afazeres profissionais e políticos. O Gleidsson que seria um dos guias também por motivo de viagem, justificou a ausência e informou que semana que vem está firme. O Lelé por motivos educacionais, morais e cívicos não pôde matar aula de novo. E finalmente o Franguinho que justificou sua ausência com base nas quedas consecutivas que ocasionou um leve amassado em seu rabo.
Então damos início efeito ao diário de bordo que infelizmente não será tão bacana como a pedalada noturna, pois ninguém caiu, ninguém errou caminho e não aconteceu nenhum fato extraordinário.
Quando cheguei à Power Bike, já percebi que o recorde de bikers seria quebrado. Fiquei muito satisfeito em ver que havia muitos companheiros novos. As calçadas estavam tomadas de bicicletas e ainda havia gente para chegar.
Eram 19h03min quando saímos pela Rua Major Jerônimo, sentido balão da Wolks guiados pelo Euler Caixeiro Viajante e pelo Herlley da Power Bike. A quantidade de bikes em fila indiana me surpreendeu. Subimos a Major Gote, pegamos a Marabá e logo no posto do primeiro balão, onde paramos e contamos a galera. 35 bikers. Com o recorde quebrado, descemos pelas ruas do Enduro do Milho 2009, chegando até o local onde estava o último PC do mesmo enduro. Foi quando demos o início da subida do Cenourinha, onde fomos ver quem pedala de verdade. Muita gente não agüentou e acabou empurrando um pouco. Mas afinal tinha gente que tava fazendo a primeira trilha. Força galera! Não desanima não.
No mesmo momento que o Kuririn tava no final do morro, ele descia e subia novamente, registrando a galera. Cada pedalada era um flash. Mais uma vez houve a tradicional disputa de quem tem a lanterna mais forte. Houve algumas discordâncias, mas quem  ganhou foi o Luis do São Lucas, vencendo na final o Coelho 38 Bala. Quando chegamos ao Posto Cometa, paramos para algumas pessoas abasteceram suas garrafinhas e fizemos a foto oficial. Neste momento sete bikers, voltaram acusando que tinham compromisso. Tudo bem, a gente perdoa.
Minutos depois saímos em direção ao estradão e a galera aproveitou a ausência do Cacique Magela e entrou na contramão na rodovia, evitando fazer o trevo. Certeza que terá advertência. Seguimos pelo estradão, todo mundo unido e o papo rolava forte. Viramos sentido Dólar e na descida, a bicicleta do Bocão da Lana Mayrink parecia um touro. Gineteava para todos os lados e o Bocão ficava firme em cima da bike. Por incrível que pareça ninguém caiu na descida do dólar.
Não vou falar do Marquinho da funerária, pois o cara deve ta cansado dessas brincadeiras. Mas fica o registro desse novo companheiro. Chegamos à BR e advinha quem tava lá novamente? A Gata Seca. Veja ela nas fotos quem ta com vontade de conhecê-la.
Entramos pela pista da estrada agrícola sonhando com uma pizza. Chegamos à Star Lanches do nosso amigo Vaninho e tomamos conta de sua garagem com bikes. Impressionante a quantidade. Ficou bonito. Vejam só:
Tá parecendo o depósito de bikes furtadas
Tá parecendo o depósito de bikes furtadas

Estavam lá nos esperando à família do Luis do São Lucas e o Hebinho, que ficou lá reclamando por não ter conseguido participar do pedal.
E quando estávamos saboreando a deliciosa pizza do Vaninho, eis que a chuva muito pedida por todos nós, dá a graça de irmos molhando até chegarmos em casa ensopados.
Gostaria muito de citar o nome de todo mundo que pedalou hoje e contribuiu para a quebra do recorde, mas é impossível. Então você que pedalou e leu até aqui, deixe seu comentário sobre o que achou do pedal. Você que não pedalou, deixe seu comentário também e venha pedalar com a galera do noispedala.
Clique aqui e veja as fotos do pedal noturno da subida do Cenourinha e descia do Dólar.