Diário de Bordo: Pedal Noturno Beco dos Borges e Dólar

05/08/2010, por Renato Amaral

Uma pausa para a foto oficial
Uma pausa para a foto oficial

Vinte e um bikers se reuniram na Power Bike para os últimos ajustes e bater um papo animado. O Noispedala está ingressando cada vez mais bikers. Hoje tivemos cinco estreantes: Os Cristianos, Diego, Ronan Pif Paf e o novo Robinho (da Martins) da turma que foi providencial emprestando a câmera fotográfica. Partimos na direção da Igreja Nossa Senhora da Abadia e de lá seguimos até alcançarmos a Av. Marabá.
No início do Estradão viramos à esquerda em direção ao Beco dos Borges. Na primeira descida a galera deu show. Ninguém alcançou o Walner que deixou todo mundo pra trás! E o Marco Túlio Gagame comeu poeira quando passei por ele. Fica duro, Gagame! Lá de baixo os primeiros tiveram um visual bacana: a imagem da fila de faróis ao longo da descida que só perdeu para a “estrela cadente” que rasgou o céu.
Cadê as luvas Cadu?
Cadê as luvas Cadu?

Depois de uma grande descida sempre haverá uma grande subida, já dizia o Pedrão filho do Euler. E dessa grande subida o Herculano gostou e elogiou os estreantes nem tanto. Sofreram bastante e depois da foto oficial retornaram pelo estradão. Só ficou o Diego, apadrinhado pelo Rantar.
Quando liguei pro Bruno ele logo me perguntou: – E aí, quem caiu na descida do dólar hoje? Não exatamente no dólar, mas logo abaixo quem levou um tombaço foi o Cadu. Puxão de orelha nele: estava sem luvas. Mas ele ficou bem… sujo. Ainda houve o tombo do Rafael que caiu no buraco da ponte e quase desceu total. Foi por pouco.
Os destaques desta trilha foram muitos, inclusive o pequeno Duracell que pedalou todo o trajeto na moral. Só precisa de juízo porque tá descendo muito rápido. O papai Luiz Led Farol de Carreta que já não o alcança nas descidas agora vai ter que correr atrás nas subidas também. Poxa, Duracell, domingo é dia dos pais, dá uma moral pro seu. Deixa ele te passar! Parabéns a todos os pais!
Agora, fica o lembrete que neste final de semana iremos pedalar até Andrequicé e quem se interessar, clique aqui e saiba mais detalhes sobre essa aventura. Qualquer dúvida, entre em contato com o Bruno (9169-0141) e com o Magela (9975-4745).
Guia: Euler; Fecha-trilha: Markinho Kxão; Fotos: Renato; Comentários: VOCÊ!

Confira as fotos

[nggallery id=140]

Diário de Bordo: Pedal Noturno Beco dos Borges e Dólar

Frio e Fenamilho eram dois adversários fortes do pedal noturno de ontem. Por isso esperava somente aquela galera extremamente fiel. E não foi o que aconteceu. Éramos 20 companheiros e muito animados.
No Ponto de Encontro (Balão da Wolks ou Chevrolet, vocês escolhem) estávamos lá reunidos. Tivemos a visita do Juninho (melhor de Patos) que está ausente dos nossos pedais. O cara só quer saber de treinar e competir pesado. Eram 18h07min quando saímos. Alguns chegaram no exato momento que estávamos de saída e o Walner ficou para trás, pois chegou atrasado.
A galera não subiu a Marabá em um só pelotão. Com a desculpa de esquentar e driblar o frio, uns 10 dispararam na frente. Chegamos ao trevo e nos reunimos e começamos a primeira descida. Sem nenhum incidente. Subimos o morro do Arraial dos Afonsos. E a galera está cada dia mais preparada. O Pedrão empolgado ainda com a viagem de Vazante subiu pedalando o morro quase todo. Ah, o assunto era Vazante. E foi só a primeira pessoal. Muitas surpresas estão por vir. Aguardem.
Quando terminamos o morro, eram 20h40min mais ou menos. Então decidimos partir para o Plano B. Descer o Dólar. Uns queriam ir embora (inclusive eu). Só que quando nos lembramos da emoção que é, fomos vencidos. Todo mundo foi. E pedalando pra valer.
Na descida do dólar somente uma incidente. O Doutor Kleber perdeu o controle e comprou aquela gleba de terras como ele mesmo disse.
Após a descida do dólar, mais descida. O único momento frio da trilha, próximo ao córrego do caminho até a rodovia. Eu e o Pedrão deixamos a galera para trás e subimos pesado. Chegamos ao final do morro e ficamos de lá observando as lanternas movendo-se no escuro. Um espetáculo a parte.
Chegamos pelo Sebastião Amorim e cada um seguiu o seu destino. Ah, infelizmente não temos nenhuma foto deste pedal noturno.
É isso aí galera do pedal. Semana que vem tem mais. E dia 30 de maio é o tradicional Enduro do Milho. E as 100 primeiras inscrições ganham uma camiseta. Até domingo inscrições com exclusividade aqui no noispedala
CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O ENDURO

Diário de Bordo: Trilha do Beco dos Borges e Dólar 04/03

Cuidado com o dólar galera!
Cuidado com o dólar galera!

Hoje o Diário de Bordo está sendo redigido em dupla. Bruno Fernandes e Alysson Kuririn. Eram 19h10min quando saímos da Power Bike ainda sem fotógrafo, pois ele atrasou alguns minutinhos. Logo na saída, antes de chegar ao Balão da Wolks (Chevrolet) o João Victor Duracell Farolzinho de Carreta bate feio em uma lixeira. Era o sinal que seria uma noite com muitas aventuras e histórias para contar.
Seguimos em fila indiana pela Major Gote, depois pegamos a Marabá. No Posto Park estava o nosso fotógrafo Kuririn. No Posto Caiçaras estavam o Banhão e o Padrinho Gleidsson que está satisfeito com os seus pupilos.
Paramos no Posto Cometa onde alguns foram calibrar as garrafinhas. Ficou decidido que o Gleidsson iria guiar e o Euler fechar as porteiras. Eram umas 30 pessoas. Não tenho o número exato. A galera ouviu atentamente as recomendações e seguimos para a descida antes da Valoriza.
Poucos acidentes. Apenas o Valner que ficou sem lanterna  e comprou o primeiro terreno (tentou esconder o tombo mas nós descobrimos) e o Dani Boy amigo do Flávio Bocão.
Continuamos no Beco dos Borges até o estradão do Arraial dos Afonsos, onde ao chegar a um mata-burro, nossa estrela maior, o GAGAME que é o único a participar de todos os pedais noturnos comprou aquele terreno valorizado. O pé dele ficou preso em seu novo pedal de encaixe e foi aquele tombo.
Subimos até ao estradão do Sumaré onde o Pedrão foi guinchado pelo Vaninho. A subida lá é complicada mesmo Pedrão. Paramos próximo ao Ponto de Ônibus e o Criceles e um Novato tiveram que ir embora. O Herlley colocou a roda do Paulo Sérgio para rodar. Ela parecia um oito de tão empenada.
Seguimos então em direção à descida do dólar onde estavam guardadas algumas surpresas. Antes de chegarmos lá o Banhão caiu na cerca. Já na descida, o João Victor Duracell caiu cinco vezes. A ORBEA do Herlley foi estreada e ele que costuma descer como um kamikaze o dólar, não obteve sucesso e comprou aquele terreno.  Logo após o tombo dele, o Doutor Valner e o Kuririn que ficou rindo do tombo dos dois, se descontrolou e caiu também.
Além destes tombos tivemos ainda o Paulo Sérgio, o Heber cidadão olegarense e o Vaninho que também caíram.
O Pedrão filho do Euler Caixeiro Viajante que estava passando ileso, na subida após o dólar que parecia um quiabo, perdeu o controle e também caiu.
Chegamos à rodovia onde o papo era só o tombo da galera. Seguimos sentido Star Lanches onde a pizza já estava pronta. Ainda bem, pois a galera tava faminta. Lá tivemos que contabilizar os tombos, pois era impossível lembrar-se de todos. Um detalhe legal foi que não caiu uma gota d’água sequer, surpreendendo a previsão de muitos.
Mais uma vez tivemos presença de pais e filhos. O Luis Farol de Carreta e o Duracell.O Ângelo e o João Victor e o Euler Caixeiro Viajante e o novato Pedrão.
É isso aí galera. Fiquem atentos, pois vai ter trilha no fim de semana e dia 14 tem a segunda etapa da Copa Cemil lá no Clube da ASPRA.
Confira as fotos:
[nggallery id=67]

Diário de Bordo: Trilha da Meia noite 21/01/10

Eram 19h05min quando eu, Magela, cheguei com 5 minutos de atraso e tive que ouvir algumas broncas pelo atraso.  Quando subíamos a Av. Major Gote notei a presença de um novo membro que me chamou a atenção, um senhor de aproximadamente 60 anos, com uma bike elétrica, que ele mesmo construiu.

Senhor Olímpio, o Professor Pardal
Senhor Olímpio, o Professor Pardal

Logo que pegamos a Av. Marabá, deparamos com um acidente envolvendo uma moto e um caminhão, o doutor Carlos Campos, preocupado com uma possível vítima, se aproximou do local do acidente e quase foi preso por violar o isolamento da Polícia. O meu compadre Vandinho que subiu na frente do guia pegou a estrada do cenourinha de desgarrou da turma, que passou direto na Marabá.
Depois da no alto dos 6 km, quando íamos pegar a descida da secretária encontramos novamente com o Vandinho e o Paulinho que o acompanhou pelo cenourinha. Começamos a descida e logo eu furei o pneu, com a ajuda do nosso amigo Zé Gonçalves (STAR BIKE ver anúncio ao lado) rapidamente colocamos a minha bike para rodar de novo.
Sem dúvida o que chamava mais a atenção era o senhor Olímpio com bike elétrica, ele encantou a todos com sua simpatia e paciência explicando com funcionava seu invento. Logo a galera o apelidou carinhosamente de professor pardal.
Assim que começamos a subida do outro lado da secretária, o Markim Caixão conseguiu cair duas vezes, mais um tombo e ele teria direito a pedir uma música. O senhor Olímpio (professor pardal) começou a ter problemas com sua maquina, ela emitia um som estranho, parecendo com sirene de viatura e segundo ele foi super aquecimento dos transistores bipolares alternadores de energia da caixa transformadora de alternadores da propulsão dos cabos condutores de energia renovada das partículas ultra polares ligadas a corrente que fica na caixa de renovadores de potência cognitiva renovada, acionada pelos freios. Não deu outra; o senhor Olímpio deve que acionar o resgate, e foi a pé até o Sertãozinho. Já colocamos em nossa pauta uma matéria para o TV NOISPEDALA com o Sr Olímpio e sua bike elétrica.
Após a triste separação do nosso mais novo amigo, seguimos em direção ao Beco dos Borges, após passarmos por um curral, pegamos uma pequena descida cheia de cavas, mesmo após ter alertado do perigo, o nosso amigo João Bocão resolveu encará-la montado, o que de dia já é difícil imagine a noite, dito e feito o Bocão achou um buraco e foi aquele capote.
Passamos pelo Beco dos Borges, atravessamos a aguinha e antes de começar a subida que chega ao estradão tivemos mais um pneu furado, sem falar do capote do Joãozinho Grandão.
As 22h28min h chegamos à cidade e a galera acabou se separando sem se despedir
È isso aí, fica duro e pé no pedal!
Clique aqui para ver as fotos deste pedal noturno