Entrevista Roberta Stoppa. Em um ótimo ano a atleta recebe o mérito esportivo Panathlon

Roberta Stoppa recebeu o mérito esportivo Panathlon em 2013.
Roberta Stoppa recebeu o mérito esportivo Panathlon em 2013.

Tradicional mérito esportivo Panathlon na categoria mountain bike foi concebido a Roberta Stopa.
Roberta Stopa, atleta da Equipe Terrabike-Multitek, nos diz um pouco sobre o que a temporada de 2013 representou em sua carreira.
“Eu considero que foi uma grande escola, pois com a evolução das atletas mais novas tive que rever todo meu treinamento junto ao Cadu Pollazo para a próxima temporada, onde se inicia o Ciclo Olímpico.”
O foco da atleta agora é 200% nas competições válidas para o Ranking da União Ciclística Internacional (UCI), onde seus resultados favorecerão a oportunidade de conquista da tão sonhada vaga olímpica.
“Correr atrás desse sonhos e aí sim depois ver o que a Confederação Brasileira de Ciclismo irá definir como regra para a seletiva e convocação para qual atleta irá representar nosso País em casa.”
A temporada foi de aprendizado, conquistas e reconhecimento. Ao término de mais um ano, Roberta Stopa foi agraciada com o tradicional mérito esportivo Panathlon, na categoria Mountain Bike em sua cidade natal, Juiz de Fora-MG.
“Esse reconhecimento serve como estímulo na busca pela vaga para as Olimpíadas de que nosso País será sede, vou canalizar essa energia nos meus treinamentos.” Essas foram as palavras da atleta ao agradecer a homenagem na noite de premiação.
Parabéns pela atleta experiente e guerreira que você representa para nosso País. Essa homenagem foi mais que merecida, pois representar e honrar um esporte tão importante como você já faz a 18 anos é muita dedicação , e esse respeito merece ser valorizado.
Em nome de toda Equipe Noispedala desejo a você muito sucesso e muita luz em seu caminho. Que todos seus objetivos sejam alcançados.
Por Giovanna Soares

Entrevista Raiza Goulão: Bicampeã Pan-Americana de MTB teve um ano de ótimos resultados.

Atleta de Mountain bike Raíza Goulão.
Atleta de Mountain bike Raíza Goulão.

Prosseguindo com nossas entrevistas, conversamos com Raiza Goulão que realizou uma excelente temporada, sendo considerada por ela mesma a melhor que teve em sua carreira. Metas foram traçadas e realizadas de forma que alcançou o sucesso que desejava. Resultado de muita determinação nos treinos focados e direcionados com seu treinador  Cadu Polazzo. Planilhas pesadas foram realizadas para conseguir superar grandes batalhas.
Atleta firme e com garra, nos diz sobre a importância do carinho das pessoas em sua carreira:
“O meu sucesso está presente em cada boa vibração que amigos e amantes do Mountain Bike dedicam a mim.”
Em 2014, será o primeiro ano da atleta na categoria elite feminina internacional, onde o nível das competições será bem mais forte e exigente.
“A pressão será bem maior, mas quero muito estar entre as top 20 na Copa do Mundo  e no Campeonato Mundial. Quero ser campeã brasileira, estar entre as top 30 no Ranking da União Ciclística Internacional(UCI), ser Top 20 no Campeonato Mundial e Top 20 na Copa do Mundo.”
Sua carreira está agitada e em cada competição vem conquistando mais seu espaço e marcando seu nome no cenário do MTB Nacional e Internacional.
“Quero me destacar tanto nacional quanto internacional, pois começarei meu ciclo olímpico agora em 2014. Meu foco será buscar a vaga feminina para o Brasil nas Olímpiadas em 2016.”
Nessa temporada a atleta obteve atuações marcantes em competições importantes para a carreira de qualquer ciclista profissional.  Conquistou um fato inédito em nosso País: Bicampeã Pan- Americana Sub-23, e consagrou Campeã  Brasileira, Campeã da 3º etapa na Copa Internacional de MTB , top 6 na Copa do Mundo,  top 11 no Mundial e bicampeã no Campeonato Latino-Americano de MTB.
Podemos ver que essa atleta promete fazer o possível  nesse novo ano que se aproxima  para elevar cada vez mais o nível do mountain bike brasileiro. Parabéns Raiza Goulão pelas suas conquistas em 2013, nós da Equipe Noispedala torcemos por você e junto a todos seus fãs e admiradores desse esporte.
Que 2014 possa ser o ano de grandes realizações para sua equipe Soul Riders. Obrigado pela entrevista e sucesso em sua vida.
“Andar com fé eu vou, que a fé não costuma falhar.” Lema de Raiza Goulão.
Por Giovanna Soares

Entrevista Edivando Souza Cruz. Top 5 nas principais competições da temporada.

Edivando Souza Cruz
Edivando Souza Cruz. Foto: Bruno Fernandes / Noispedala

Mais um ano se finaliza. Podemos dizer que a temporada 2013 foi de grandes conquistas e emoções no mundo do mountain bike. Pensando assim, entrevistamos alguns atletas. O assunto: temporada de 2013 e perspectivas dos mesmo na temporada que se aproxima.
O primeiro atleta foi Edivando Sousa Cruz. Confira o que ele disse à nossa equipe:

Top 5 nas principais competições da temporada.

Experiência o faz conquistar grandes resultados em principais competições como no Campeonato Brasileiro,  Copa Internacional de Mountain Bike,  Shimano Fest e na Taça Brasil. Em 2013, esse atleta completou 20 anos de carreira, tempo que o possibilitou viver com a história do mountain bike desde seu ínicio, participando das inovações e notando as constantes mudanças nesse esporte de grande evolução.
“As bicicletas mudam, as provas mudam, as técnicas de treinamento mudam e você tem que estar sempre se atualizando. É preciso estar atento a tudo que acontece.”
Temporada de superação e novos desafios, Edivando conseguiu manter um equilíbrio em seus resultados com a ajuda do seu preparador Helio Souza, que juntos elaboraram novas estratégias para  finalizar a temporada mais cedo e poder voltar a base no meio de Novembro.
“ A minha intenção não era de estar na melhor forma logo, mas sim de ter mais tempo para treinar e focar em pontos que realmente levam certo tempo para serem construídos.”
Evoluir é a palavra chave do foco desse atleta  para destacar nas principais provas de XCO , isso tudo visando na melhoria de sua classificação para o Ranking Internacional (UCI).
“Teremos um início de temporada importante no Brasil, pois temos num único mês a Copa Brasil, a Copa Internacional de Mountain Bike e o Campeonato Panamericano de MTB.”
Além desses eventos , o atleta que representará novamente em 2014 a Equipe ASTRO/VZAN/PROSHOCK/MEMORIAL-SANTOS, pretende estar em alguns eventos de maratona, que também são de extrema importância para sua carreira.
Feliz com seus resultados de 2013, Edivando Souza esta confiante para a temporada 2014 que será um ano muito importante . A Equipe Noispedala acredita no seu potencial e deseja que muitos outros anos possam ser escritos em sua jornada com sucesso. Boa sorte e obrigado pela atenção.
Por Giovanna Soares

COI lança símbolos que serão usados nas Olimpíadas 2016. Conheça os do ciclismo.

Criação do pictograma que representa o ciclismo de pista.
Criação do pictograma que representa o ciclismo de pista.

O Comitê Rio 2016 apresentou nesta quinta-feira, dia 07, seus pictogramas esportivos. Desde Tóquio 1964, cada edição dos Jogos utiliza ícones gráficos, que refletem a cultura do país anfitrião, para apresentar os esportes. E, em 2016, pela primeira vez, as disciplinas Paralímpicas contarão com pictogramas próprios. Os Jogos do Rio contam com 64 pictogramas, sendo 41 Olímpicos e 23 Paralímpicos. (Confira aqui)
“Esse é um dos nossos diferenciais na história dos Jogos. Um fato inédito que vai servir de exemplo para os futuros comitês organizadores. Parabenizo a equipe de criação pela dedicação e trabalho conjunto com as diversas áreas que contribuíram para esse lançamento. ”, destacou o Presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman.
A palavra pictograma vem do grego e do latim. Na sua origem significa “palavra pintada”. Essa identificação original foi a fonte de inspiração dos primeiros traços: a tipografia oficial Rio 2016.
O projeto de desenvolvimento da Fonte Rio 2016, lançada em julho de 2012, foi uma das inovações, do programa de marca dos Jogos. O conceito tipográfico, desenvolvido pela Dalton Maag, foi inspirado nas letras e números do logotipo Rio 2016 e na essência dos Jogos, paixão e transformação, que une as marcas Olímpica e Paralímpica.
Baseada nas curvas do Rio, a Fonte representa elementos como o calçadão de Copacabana, que está presente nas letras ‘m’ e ‘n’ e a Pedra da Gávea, que está representada na letra ‘r’. As letras são desenhadas com um único traço contínuo, num movimento ágil e fluido que sugere o movimento dos atletas.
Pictos Olímpicos
Pictos Olímpicos

Os primeiros traços foram feitos à mão, depois da pesquisa de imagem de cada esporte. Estes traços foram reconstruídos no computador com o encaixe das curvas das letras. O corpo dos atletas e os equipamentos esportivos foram construídos a partir dos caracteres ou de parte deles, num traço contínuo, com variações de espessura para dar a ideia de profundidade. Os seixos, que são uma característica da linguagem visual do Rio 2016, fazem o suporte dos desenhos e alteram sua forma de acordo com os diferentes movimentos dos atletas.
No desenvolvimento dos pictogramas Paralímpicos, a equipe de designers do Comitê Rio 2016 procurou retratar a integração das diferentes deficiências dos atletas com o esporte de forma equilibrada, com naturalidade, por meio de próteses, vendas nos olhos e outras indicações.
A diretora de Marca do Comitê, Beth Lula, explica a importância dos pictogramas para engajar o público no evento desde cedo.
Pictos Paralímpicos
Pictos Paralímpicos

“O uso dos pictogramas daqui até 2016 servirá como plataforma de comunicação para a promoção dos esportes, ativação dos parceiros e irá marcar toda a identidade visual dos Jogos, o que inclui sua aplicação na decoração das instalações, na sinalização, nos ingressos, nos produtos licenciados, entre outros”, afirmou.
O trabalho foi executado em 16 meses, dos quais 5 foram dedicados à validação das 42 Federações Internacionais.O Comitê optou pela montagem de uma equipe interna de design para a criação dos principais elementos gráficos dos Jogos, provavelmente um dos mais complexos projetos de design do mundo. Além dos designers, um grupo de 28 profissionais esteve diretamente envolvido no desenvolvimento dos pictogramas.

Imposto sobre bicicletas no Brasil é de 40,5%, contra 32% dos tributos sobre carros

O Jornal O Globo veiculou uma matéria sobre os impostos sobre bicicletas no Brasil. Incrivelmente, a taxa tributária que incide sobre as bicicletas, é bem superior aos carros.
Confira a reportagem:
O Globo

Imposto sobre bicicletas no Brasil é de 40,5%, contra 32% dos tributos sobre carros

Estudo obtido com exclusividade pelo GLOBO revela que, na contramão da economia verde, alta carga tributária coloca ‘magrelas’ nacionais entre as mais caras do mundo
Henrique Gomes Batista
Nice de Paula
RIO – Embora tenha crescido no país o discurso pró-bicicleta, pelas vantagens ambientais, na saúde da população e para desafogar o trânsito, o governo tributa mais as “magrelas” que os carros, beneficiados por incentivos fiscais, que podem ser prorrogados até 2014. Segundo estudo obtido com exclusividade pelo GLOBO e elaborado pela Tendências Consultoria para a Associação Brasileira do Setor de Bicicletas (Aliança Bike), o imposto que incide sobre as bicicletas no país é de 40,5% em média, contra 32% dos tributos no preço final dos carros, de acordo com levantamento da Consultoria IHS Automotive no Brasil. A falta de incentivo fica claro na comparação do IPI: a alíquota do tributo federal é de 3,5% para carros populares, contra 10% para as bicicletas produzidas fora da Zona Franca de Manaus (ZFM, onde há isenção, mas que produz apenas 21% do total do país).
Com isso, o Brasil tem umas das bicicletas mais caras do mundo. Uma bike comum, aro 26 e 21 marchas, vendida em média a R$ 400 no Brasil, é cerca de 54% mais cara que uma similar nos Estados Unidos, onde sai por R$ 259, segundo pesquisas em sites de compras. A bicicleta dobrável, ideal para uso de forma integrada ao transporte público, custa R$ 640 no Brasil, contra R$ 477 na Alemanha.
– Com todos os benefícios da bicicleta me parece descabido este elevado grau de impostos. A população tem se conscientizado, algumas cidades estão criando infraestrutura de ciclovias e ciclofaixas, mas falta, ainda, a questão tributária – afirmou Marcelo Maciel, presidente da Aliança Bike, que reúne 53 empresas do setor.
Venda pode subir 14% com preço baixo
Segundo o estudo, em média, uma bicicleta que sai de uma fábrica brasileira tem seu preço elevado em 68,2% devido aos impostos, levando em conta o mix de produção do Brasil, uma vez que a produção de Manaus, 21% do total, tem menos impostos. Levando em conta apenas o preço de uma bicicleta fabricada no resto do país, os tributos elevam em 80,3% seu preço, ou seja, nestes casos, uma parcela de 44,5% do preço final das bikes é tributos.
Para Daniel Guth, consultor da Associação de Ciclistas Urbanos da Cidade de São Paulo (Ciclocidade), a tributação e seu impacto no preços é fundamental para estimular o uso das bicicletas no país. Segundo ele, do total de bicicletas vendidas no Brasil, 50% são destinadas ao transporte, 37% vão para as crianças, 17% usadas para lazer e 1% para corrida:
– Temos dados que mostram que 30% das pessoas que usam bicicletas no país têm renda de até R$ 600. E uma bicicleta não sai por menos de R$ 500, então o fator preço pesa muito.
Segundo a economista Carla Rossi, da Tendências, uma redução de 10% do preço pode gerar aumento imediato de 14% nas vendas no Brasil. Ela estima que, por causa do preço, o mercado das bikes, de cinco milhões de unidades em 2011, chegará a 5,9 milhões em 2018, enquanto que o potencial, com um preço mais justo, seria de 9,3 milhões de unidades.
– E uma redução nos impostos poderia auxiliar até na formalização do setor, com cerca de 40% das 235 fabricantes do país informais, de pequeno tamanho.
Quem não quer entrar na informalidade acaba se transformando em importador. É o caso da RioSouth, empresa carioca que planejava fabricar bicicletas elétricas em solo fluminense. Mas os sócios da empresa fizeram as contas e viram que suas bicicletas, que hoje custam de R$ 3 mil a R$ 4 mil – no caso da elétrica dobrável – sairiam 30% mais caras:
– Teríamos o imposto de importação de peças, pois motores e baterias não são feitos no país, e o elevado custo da mão de obra. Não conseguiríamos incentivos, pois somos pequenos. No fim, decidimos fazer o design das bicicletas e fabricá-las na China – disse Felipe Tolomei, sócio da empresa. – E esse preço ainda é alto por causa de impostos, muitos consumidores acabam optando por comprar uma scooter, que sai a partir de R$ 4 mil.
E não é apenas o preço final que afasta os usuários. Renato Mirandolla, gerente da Dádiva Bike, pequena distribuidora de peças e que também produz algumas bicicletas na capital paulista, diz que os caros insumos castigam os mais humildes:
– Um pneu de bike custa cerca de R$ 30. Um trabalhador que use sua bicicleta todo o dia precisa fazer a troca a cada dois ou três meses, isso pesa no orçamento.
Tablets substituem bikes
Everton Francatto, diretor comercial da Verden Bikes, fábrica que produz cerca de 40 mil bicicletas por ano no interior paulista, afirma que hoje o maior problema do setor é o preço. Ele lembra que uma bicicleta para o dia a dia no Brasil custa cerca de R$ 500, contra valores entre € 80 e € 120 na Alemanha:
– A nossa maior preocupação é justamente nas bicicletas infantis, que custam cerca de R$ 300. Nessa faixa temos uma forte concorrência com o eletrônico. Hoje o sonho de Natal das crianças não é mais a bike, é um tablet, e isso gera problemas de saúde para esta geração.
Ele explica, ainda, que apesar do setor poder integrar o Supersimples, o ICMS encarece o produto. As bicicletas estão enquadradas no conceito de substituição tributária. Pelo regime, o valor do imposto é cobrado tanto da indústria quanto do varejo, antes que o produto seja de fato comercializado. Para tanto, é realizada uma estimativa do valor final do produto ao consumidor e é feito uma cobrança quando o produto cruza uma divisa estadual.
Procurado pelo GLOBO na sexta-feira, o Ministério da Fazenda informou que não teve tempo hábil para comentar a reportagem.

Caixa é o novo patrocinador master da Confederação Brasileira de Ciclismo até Rio 2016

Parceria tem período inicial de três anos e potencializa investimentos em todas as disciplinas do ciclismo brasileiro.
A Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) assinou contrato de patrocínio com Caixa Econômica Federal nesta sexta-feira, 25 de outubro, em Londrina (PR). Os investimentos serão aplicados nas quatro disciplinas olímpicas do ciclismo brasileiro: Ciclismo BMX, Ciclismo Estrada, Ciclismo Mountain Bike e Ciclismo Pista.
O diretor de marketing da Caixa, Clauir Santos, destacou a importância de estar colaborando com uma das modalidades esportivas que mais distribui medalhas em olimpíadas. “Já acompanhávamos o bom trabalho que vem sendo realizado no ciclismo brasileiro e decidimos buscar esta oportunidade de estar contribuindo com a modalidade. Nossa ideia é manter uma parceria duradoura e a longo prazo”, ressaltou Clauir.

Presidente Vasconcellos. Crédito: CBC/Divulgação.
Presidente Vasconcellos. Crédito: CBC/Divulgação.

Inicialmente o contrato se estende até os Jogos do Rio 2016, potencializando  investimentos na preparação das equipes nacionais de ciclismo, além de priorizar a realização de alguns eventos do calendário esportivo nacional, como os Campeonatos Brasileiros.
Segundo o presidente da Confederação, José Luiz Vasconcellos, os investimentos proporcionados pela Caixa terão uma grande importância na preparação dos atletas do ciclismo.
“O patrocínio irá fortalecer os projetos que estão sendo desenvolvidos nas quatro disciplinas olímpicas do ciclismo, fortalecendo a busca da classificação olímpica para Rio 2016, na qual o ciclismo distribui 54 medalhas. O ciclismo brasileiro agradece a parceria com a Caixa e estará representando da melhor forma os investimentos que foram viabilizados”, destacou José Luiz Vasconcellos.
 
Ações que fazem parte do patrocínio Caixa no Ciclismo:
– Participações em algumas competições internacionais 2013-2016;
– Realizações de determinadas competições nacionais 2013-2016;
– Programa de apoio para atletas potenciais no ciclo Rio 2016;
– Programa de formação técnica;
– Programa de combate ao doping;
– Ações de mídia e publicidade;
– Plano Brasil Medalhas (BMX).

Por ASSESSORIA DE IMPRENSA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CICLISMO

CIMTB: Atletas internacionais confirmam presença na quinta etapa

O ciclista belga Frans Claes. Foto: Regina Stanger
O ciclista belga Frans Claes. Foto: Regina Stanger

Faltando pouco menos que 10 dias para o início da quinta etapa da CIMTB, atletas da Bélgica, Equador e Chile acabam de confirmar presença na grande final durante os dias 4,5 e 6 de outubro, no Sauípe.
Além de outras feras do MTB nacional, nossos bikers terão que enfrentar esse trio gringo nos pedais. A ciclista Alexandra Serrano, campeã equatoriana de MTB de 2012, conquistou pódio na etapa de Araxá, e agora chega para tentar subir três posições e terminar a prova em primeiro lugar.
Representando o Chile, a ciclista Florencia Espineira, acostumada a pedalar pela região dos Andes vai encarar o desafio de pedalar sob o sol forte do Sauípe e promete dar trabalho as meninas da elite, em especial à Isabella Lacerda, Erika Gramiscelli e Raíza Goulão que estão no topo da competição.
Deixando o verão europeu, o atleta Frans Claes desembarca no Brasil para levantar a bandeira da Bélgica no pódio da CIMTB, o que irá esquentar ainda mais o clima da competição que está super acirrada. Disputas pelo título vão pegar fogo na Bahia. Além de participar da Copa, o atleta belgo pretende ficar mais uns dias no país. “É quase o final da temporada de MTB, então após a corrida terei alguns dias para conhecer a beleza do Brasil e da Bahia”, anima-se.
As competições terão início na próxima sexta, 4 de outubro, com a prova Contra Relógio, mas somente no domingo à tarde conheceremos os grandes campeões da temporada 2013 da CIMTB, o maior evento esportivo da América Latina.

Pedalar é um bom negócio para saúde e para o bolso. Confira a nossa dica.

Bicicletas de ciclismo de estrada são encontradas no Bom Negócio.
Bicicletas de ciclismo de estrada são encontradas no Bom Negócio.

Chega aquele momento em que a bike que pedalamos no dia a dia não atende mais. Os anseios são maiores, as distâncias e dificuldades aumentam. Este é o momento que sua sua companheira de pedaladas precisa de um upgrade, ou até mesmo ser trocada por uma bike nova.
Encontramos um site de classificados de alcance nacional, onde você poderá anunciar suas peças ou sua bike usada e comprar aquilo que deseja para potencializar suas pedaladas. E o melhor, você fará isso sem gastar nada. É tudo grátis.
Estou falando do site www.bomnegocio.com. Por meio dele, é possível adquirir ou vender bikes e acessórios, como guidão, quadro, freio, entre outros itens. Uma ferramenta interessante do Bom Negócio é você poder filtrar por região ou estado os produtos que deseja comprar.
Grupos também podem ser encontrados.
Grupos também podem ser encontrados.

Em uma busca por produtos de ciclismo no estado de Minas Gerais, encontramos produtos interessantíssimos, como bicicletas de ciclismo de estrada, mountain bikes, rodas para bikes aro 29, grupos de 30 velocidades, dentre outros. Para conferir os produtos citados, acesse http://www.bomnegocio.com/minas_gerais/ciclismo.
Para outros estados a variedade é ainda maior. Ao todos são mais de 12 mil anúncios somente relacionados a Ciclismo. Caso, você queria vender, basta selecionar a opção Inserir anúncio e preencher o formulário com as informações sobre o produto. É importante inserir imagens dos itens a serem vendidos, uma vez que um anúncio com fotos é visto até sete vezes mais que um sem.
E então? O que está esperando para fazer um bom negócio?
Bom Negócio
* Publieditorial

Ecobike 2013: Dia da Responsabilidade social na Lagoa Grande terá passeio ciclístico em Patos de Minas

Ecobike 2013 em Patos de Minas
Ecobike 2013 em Patos de Minas

O Dia da Responsabilidade Social do Ensinho Superior Particular realizado pelo Unipam acontece neste sábado, 21 de setembro, na Orla da Lagoa Grande em Patos de Minas, culminando com as atividades de comemoração do Dia da Árvore. O evento acontece de 8 às 12 horas, com inúmeras ações de entretenimento, cultura, promoção à saúde e ao meio ambiente.
O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária do Centro Universitário em parceria com a Diretoria de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal, estará realizando dentro da programação, o 4º Ecobike, um passeio ciclístico ecológico, por ocasião ao Dia da Árvore. Os alunos da engenharia ambiental também estarão realizando a troca de material reciclavél por mudas de árvores.
O Ecobike tem inscrição gratuita e está marcado para saída às 7h30min do estacionamento do Unipam, Bloco M, com chegada à Lagoa Grande, integrando as atividades do Dia da Árvore e do Dia da Responsabilidade Social. O percurso do Ecobike 2013 é de 5 quilômetros.
Após o passeio de ciclismo ecológico haverá palestra com sobre os impactos de esportex em áreas protegidas, pelo gerente do Parque Estadual do Pau Furado, Bruno Alves de Uberlândia – MG.
(Fonte: DMA – Diretoria de Meio Ambiente)

Entrevista: Lukas Kaufmann, atleta da equipe Focus/OCE Racing Team

Atleta suíço da elite masculina é uma das grandes promessas para destaque nas próximas competições aqui no Brasil.

Lukas Kauffman disputando uma prova de Sprint Eliminator
Lukas Kaufmann disputando uma prova de Sprint Eliminator

Tivemos a honra de conversar com esse ciclista determinado e apaixonado pelo Brasil. Lukas Kaufmann, esse é o cara que deixou seu país e veio com tudo representar a equipe Focus/OCE Team e fazer a diferença pelos cantos brasileiros.
Antes de representar uma equipe brasileira em 2013, o atleta era de uma equipe Internacional , a alemã Fuji- Rockets. Por essa equipe, já tinha vindo ao Brasil em 2010 competir o Brasil Ride na Bahia, e nessa competição gostou até que então retornou em 2011 e 2012.
“Gostei muito do Brasil por ter um toque diferenciado da minha terra. As pessoas, a comida, os ciclistas, tudo é diferente e muito agradável. Logo após o Brasil Ride em 2011, resolvi fazer um passeio para descansar no Rio de Janeiro, e então decidi mudar de vez para esse país em Setembro de 2012. Vir para o Brasil mudou muito minha vida, estou muito feliz. Conheci minha namorada e moro atualmente em Belo Horizonte, e desde quando cheguei vi que aqui irei construir nossa família se Deus quiser.”
Lukas Kaufmann vem de uma família onde todos gostam de conviver com a magrela. Com apenas 7 anos de idade, foi pedalar em uma trilha incentivado por seu pai. Ai então o gosto se concretizou e hoje é esse atleta talentoso e promissor.
NOISPEDALA : Lukas, quais as modalidades do ciclismo que mais te atraem?
Lukas: XC e Sprint Eliminator. Agora estou começando a fazer mais maratonas também.
Qual a diferença para você representar uma equipe Brasileira invés de uma Equipe Internacional?
Na Equipe Internacional eu estava mais focados nas provas internacionais, como a Copa do Mundo e as provas na Europa. Já quando mudei para o Brasil e consegui uma equipe nova fiquei muito feliz, pois agora irei aprender com um país totalmente diferente, onde tudo é novo, as provas e lugares diferentes. Na verdade cansei de lá e estou muito ansioso aqui no Brasil. A galera da bike é top.
Qual o maior objetivo de carreira?
Estou fazendo um bom trabalho com o Hugo Prado Neto da OCE, já consegui melhorar bastante e conseguir bons resultados. No futuro quero manter esse trabalho e fazer sucesso nas corridas principais, como a Copa Internacional ou Brasil Ride. Quem sabe talvez em uma prova grande fora do País. O que é muito importante para mim é gostar do que faz, e isso já faz sucesso.
Qual o seu ponto de vista em relação ao ciclismo aqui no Brasil em relação as provas Internacionais?
O esporte está crescendo muito no País, já notei que o nível esta bem mais alto que no ano passado e os melhores atletas do Brasil estão entre os tops do Mundo, como o Avancini que já mostrou isso com a vitória na Corrida Internacional na Alemanha.
Agora tem vários atletas com o nível forte e isso vai aumentar ainda mais o nível do ciclismo aqui, mas agora tem que fazer experiência nas provas internacionais.
Você em 2012 competiu a etapa da CIMTB em Divinópolis pela equipe da Alemanha?
Sim, foi a minha primeira prova da CIMTB. Antes de vir para essa etapa eu participei da Copa do Mundo, fiz todas as provas na Europa. Já estava morando no Brasil, mas não definitivo.
Em relação a sua participação na CIMTB esse ano, como você caracteriza?
Em Araxá foi minha primeira corrida em 2013, assim foi muito difícil fazer uma prova boa. O ritmo foi muito forte e não consegui andar com os melhores. Em São João Del Rei tinha um dia ótimo e depois de várias provas ainda fiquei forte, terminei a prova em 3º lugar e não tinha pensado que iria conseguir isso. O nível no Top 10 é alto, assim é muito interessante, e também não foi sempre o mesmo vencedor. A CIMTB é top demais. O percurso é técnico, moderno, ideal para assistir e até porque os gringos participam.
O suíço Lukas Kaufmann
O suíço Lukas Kaufmann

No Sprint Eliminator você sempre vem se destacando muito e sendo considerado promissor. Mas na etapa de Divinópolis você sofreu uma queda e muitos consideram que isso te desanimou para a prova. O que realmente você diz sobre o ocorrido?
Eu não desanimei, mas machuquei muito e não me senti bem. E também tava um pouco gripado mas tentei fazer o melhor. Na prova não fui mal, consegui ficar entre os top 8, mas sofrendo muito de dor. Na última volta eu furei o pneu no meio do mato. Mas no sprint eliminator, sempre pode acontecer uma coisa, porque é no limite mesmo, percurso foi rápido e com areia no asfalto, o que é muito perigoso.
E o que você espera para a etapa de Congonhas ?
Em congonhas vai ser tudo um pouco diferente. O sprint vai ser na subida, nunca fiz uma prova assim, será uma experiência para minha carreira e por ser a noite será um espetáculo e a prova principal será uma maratona. Já mudei meu treino pra esse tipo de prova ,estou pronto e vou para Congonhas com tranquilidade. Eu espero que tenha umas trilhas. O percurso parece ser bem duro, vai ser muito interessante na Elite e vou tentar fazer uma prova constante e inteligente.
Qual a prova mais importante da sua carreira?
Foi o Campeonato Europeu em 2009, que fiquei em 3º Lugar na Sub 23.
Já que você se apegou ao Brasil participando do Brasil Ride, creio que irá competir esse ano novamente. Correto?
Sim, esse ano irei com meu parceiro Hugo Prado Neto, e com uma preparação muito melhor.
Há algum objetivo que tenha planejado na sua vida que queira ainda conquistar?
Desejo construir uma família em que meus filhos possam praticar também o ciclismo e poder conhecer vários lugares do Brasil e do Mundo carregando sempre o ciclismo como incentivo. Seria ótimo se meus filhos gostassem de pedalar, porque o mais importante que fariam o pai mais feliz por vê-los felizes.
Lukas Kaufmann, nós da Equipe Noispedala adoramos conhecer um pouco mais sobre seu mundo e seus objetivos. Desejamos tudo de bom para você, e principalmente para que a sua nova vida aqui no Brasil possa ser recheada de grandes concretizações e com muita alegria.
Obrigado pela disponibilidade, e atenção com nossa equipe.
Por Giovanna Soares