Classificação Copa Cemil de Enduro Regularidade 2013

ELITE

col n nome patrocinador 1º etapa 2º etapa 3º etapa total
1 531 Joao Paulo Star Bike 15 17 15 47
2 502 Wender Charles Camilo 14 12 14 40
3 509 Vaninho da Costa Star Lanches 6 16 17 39
4 501 Alexandre Antonio Pereira Campolino 19 14 0 33
5 530 Marco Túlio Barcelos 12 20 0 32
6 504 matheus henrique lima costa Deus 10 11 0 21
7 535 Marco Tulio Ferreira Silva star bike/araujo contabilidade 20 0 0 20
8 124 Denio Pinto 0 0 20 20
9 510 Kleverson de Lima 3 0 16 19
10 105 Arthur Franco Carvalho 0 19 0 19
11 110 Eli Pereira de Jesus 0 0 19 19
12 505 Luciano Pit Stop PEDAL DA BAND 18 0 0 18
13 101 EDSON VELOSO ROSKA BRACANA 0 18 0 18
14 109 Geraldo Eugênio Carvalho Vieira Júnior Colégio CM 0 0 18 18
15 525 jose  gonçalves star bike 17 0 0 17
16 503 Thiago Oliveira Silva Sítio Bem-Te-Vi 16 0 0 16
17 106 VICTOR MIRANDA motoagra 0 15 0 15
18 524 Breno Sousa Central Eletrica Sousa 13 0 0 13
19 109 Geraldo Eugênio Carvalho Vieira Júnior colegio CM 0 13 0 13
20 125 Filipe Lóss Zielinsky 0 0 13 13
21 121 Henrique Caixeta Guimarães Hidroferti tecnologia agricola 0 0 12 12
22 539 henrique amaro “coelho” Cemil. Beba saude. Beba Cemil 11 0 0 11
23 507 Renato Sorin 9 0 0 9
24 527 Daniel Fernades 8 0 0 8
25 536 Eduardo Marins de Camargos Teixeira 7 0 0 7
26 540 Luiz Antonio Matias 5 0 0 5
27 508 Geomar Lucas Alves 4 0 0 4
28 538 Elizander Facebook 2 0 0 2
29 532 Selmir Lopes ORION SEGURANCA ELETRONICA 1 0 0 1

Duplas PRO

col n nome patrocinador 1º etapa 2º etapa 3º etapa total
1 327 Thiago Alves de Araujo e Flávio Paula de Oliveira Supermercado Atual e Academia Movimento 17 17 16 50
2 316 eder adriano barbosa e edson pacheco da silva cemil e auto escola minas 11 19 18 48
3 337 HELY CESAR TAVARES PACHECO e GABRIEL TEIXEIRA DE LIMA 6 20 17 43
4 344 PAULO ROBERTO NETO e AUGUSTO PAULO DA CRUZ NETO REAL CONFECÇÕES 20 15 0 35
5 317 Marcos Tavares Benfica e Murilo Fonseca Z Decorações 16 18 0 34
6 332 Marcelo Luiz da Cruz e Fernando Henrique da Cruz Lojas Santa Cruz 18 14 0 32
7 309 Antonio Sommer e Heitor Calazans Sousa Peres 0 13 19 32
8 351 Jarbas Menezes e Fábio Menezes Cemil Beba Saúde Beba Cemil 8 12 0 20
9 311 RICARDO SOUTO CARNEIRO e VINICIUS DE MOURA DIAS GRUPO SETTA 0 0 20 20
10 331 erick junior santos caixeta e leandro santos(lelé) doces momentos bomboniere 19 0 0 19
11 306 Geraldo Magela Rodrigues e Vinicius de Moura Dias Grupo Setta e Tele.com 0 16 0 16
12 323 Iuri Scotton Leal e igor Henrique Pereira Silva 15 0 0 15
13 314 Monica Tosta de Lima e Fábio Alves da Silva BRX Industrial 0 0 15 15
14 320 Rafael Mendes Eugenio e Argemiro Fernandes Vieira Junior Mecal Construções 14 0 0 14
15 338 gabriel henrique vieira peres e andre luis peres Althentic 13 0 0 13
16 304 Amarildo Cruz da Silva e Joel Ferreira Silva nois mesmo 12 0 0 12
17 304 Hélio Bicalho Guimarães e Lawrence Rabelo de Almeida 0 11 0 11
18 315 RICARDO NOGUEIRA COELHO e FABIO HENRIQUE AMORIM ORIGEM CORRETORA e LANTERCAR 10 0 0 10
19 335 Daniela Rios e Leandro Luiz dos Santos Daniela e Leandro 9 0 0 9
20 333 Jeferson Felipe Marra e Francisco  Farias da Silva Thieskão aluguel de maquinas, Prefeitura Municipal de Patrocinio – MG 7 0 0 7
21 310 JOSIMAR HENRIQUE LOPES e GUILHERME ALVES VIEIRA CEMIL 5 0 0 5
22 326 Luis Antonio e Jefferson Alves Estamparia Mega Silk / Cantina  da Nilza 4 0 0 4
23 348 Vinícius Dias e Heleno Marques Grupo Setta 3 0 0 3
24 328 Felipe Fonseca Frechiani e Ricardo H. Bernardo de Mendonça 2 0 0 2
25 342 Igor Sérgio Vieira e Amauri César Urututau – Esportes de Aventura 1 0 0 1

Duplas Iniciantes

col n nome patrocinador 1º etapa 2º etapa 3º etapa total
1 143 André Luiz Hipólito Borges e Richard Hirth Patrocínio -MG 19 20 18 57
2 154 VINICIUS DIOGENES MAIA e SIMONE DIÓGENES RIBEIRO EQUIPE DIÓGENES 16 14 16 46
3 218 Rodrigo Célio Pereira e Delduque Mundim Setta 9 15 19 43
4 219 Breno Teixeira e Bruno Zinatto DB / Integrall 0 19 20 39
5 205 Nilo Resende Reis e Walter Rocha Rubio Filho 0 18 17 35
6 107 Eli Pereira de Jesus e Leonardo Silva Braz 12 16 0 28
7 141 Edson veloso cury (Roska) e Eduardo Soares Ribeiro (DUDOUS) Frutas colorado 20 0 0 20
8 163 Bruno Zinato Carraro e Douglas Machado de Lima Integrall 18 0 0 18
9 142 pedro henrique da silva manoel e filipe de oliveira magalhães drogaria são pedro 17 0 0 17
10 203 Henrique Caixeta Guimarães e Vinicius dos Santos Abreu 0 17 0 17
11 110 HEBER QUEIROZ ARAUJO e GUSTAVO ALEXANDRE MACHADO ARAUJO Araújo Contábil 15 0 0 15
12 209 Rodrigo Oliveira Maranhão e Igor Henrique da Silva 0 0 0 15 15
13 153 Alysson Silva-Kuririn e Fran Sousa 14 0 0 14
14 216 rodrigo xavier da silva e João ricardo canhestro guimaraes 0 0 0 14 14
15 136 João Pedro Gonçalves e Carlos Augusto Braga 13 0 0 13
16 207 Amarildo Cruz da Silva e Aindra Faria Lima star bike 0 0 13 13
17 123 Jean Flavio da Silva e Marcos Vinicius Costa 11 0 0 11
18 101 adiney araujo pacheco(caramujo) e vinicius moreira de lima machado moto peças ze landim 10 0 0 10
19 122 Paulo Agusto Silva e Danilo cesar Silva PrPO 8 0 0 8
20 139 Marcos Túlio de Alencar Pessoa e Ciro Silvestre Caixeta Magalhães 7 0 0 7
21 158 Thiago Henrique e David Gonçalves 6 0 0 6
22 115 Joao Marcos Gomes da silva e Luiz Fernando Justino e Silva transtucano 5 0 0 5
23 170 Julio Cesar Pereira Barbosa e Rodrigo Caixeta da Cunha Bambu Transportes Ltda 4 0 0 4
24 159 Rodrigo Pereira Alves e Lucas Pereira  Silva 3 0 0 3
25 172 Gladston Gabriel da Silva e Fabrício Luís Vieira Léo Marcos e Fabrício 2 0 0 2
26 114 Gustavo Nogueira Pacheco e Hugo Vinicius 1 0 0 1

Etapa final da Copa Cemil de Enduro Regularidade 2013 foi adiada para 15 de dezembro

Chegou a hora da verdade. Dia 15 de dezembro conheceremos os grandes campeões da Copa Cemil de Enduro Regularidade MTB 2013. O palco será armado no clube da AABB, em frente ao Parque de Exposições de Patos de Minas As trilhas daquela região serão tomadas de atletas buscando decifrar o mapa e perder menos pontos possíveis. Um erro pode ser fatal até mesmo para quem está liderando a copa.
A largada será às 9 da manhã na AABB. No sábado às 19 horas serão entregues os kits na Star Bike. O valor da inscrição é de R$ 30,00 por participante e pode ser feito aqui no Noispedala ou na Star Bike.
O percurso será de 20 km para as categorias Duplas PRO e Livre. Para a categoria Duplas Iniciantes serão apenas 15 km e a organização fica por conta do Henrique Amaro (Coelho).
A média de velocidade para os iniciantes está baixa e colocará em igualdade de condições de vencer a prova qualquer competidor, até mesmo aquele que a bike está enferrujando no canto da casa ou o ciclista que está iniciando agora nas competições. Já nas categorias Duplas PRO e Livre, as médias estão bem variadas, precisando de bastante atenção dos competidores. Fique esperto, pois os balaios de gato prometem derrubar muitos favoritos.
Para fazer a sua inscrição, selecione a sua categoria:

E aí? Você já participou de algum enduro de regularidade? Não? Não sabe o que está perdendo. É bom demais! Mas porque é tão bom? Imagine uma prova onde o maior adversário é você mesmo? Você duelando com o seu poder de percepção e concentração. Isso tudo com a possibilidade de um contato com a natureza, passando por diversas trilhas e claro, participando com uma galera nota dez, que não cansa de desvendar trilhas em toda a região.
enduro-adiado
Como apresentamos acima, não existe clima de rivalidade entre os participantes. O clima é muito mais de solidariedade. E se você pensa em ingressar para valer nesta aventura, a hora é agora, pois auxiliaremos você a entender as planilhas e será um ótimo treino para quem deseja participar da edição de 2013 da copa para ser campeão! Isso mesmo! Não é nada difícil você disputar de igual para igual no próximo ano e até mesmo surpreender neste enduro.
E precisa ser atleta para participar? Rigorosamente não. Se você pedala 15 km ou mais, você está condicionado a participar. Preparo físico não é o diferencial em provas de regularidade, visto que em nossa região, temos diversos atletas de nível nacional, e raramente algum deles consegue boa colocação nas provas. E o pior, muitos nem têm coragem de participar.
Por outro lado, temos a disputa do título que está muito emocionante. Qualquer deslize pode ser fatal. E esta última etapa promete mexer com a adrenalina de todos os participantes.
Então, você já preparou a sua bike? Vem aí a quarta e última etapa da Copa Cemil de Enduro Regularidade Mountain Bike. 

E aí, aceita o desafio? Nos encontramos lá!

Saem os campeões da Copa Cemil em prova movimentada na Lagoa Grande

Zé Gonçalves, Silvinho Amorim, Nayara Silvetre, João Eustáquio Pelezinho, Sebastião Moreira e Nayara Silvetre.
Zé Gonçalves, Silvinho Amorim, Nayara Silvetre, João Eustáquio Pelezinho, Sebastião Moreira e Nayara Silvetre.

Depois de oito etapas e mais de 500 quilômetros percorridos, chegou ao fim na manhã deste domingo (10), a Copa Cemil de Ciclismo. A competição é organizada pela Liga Patense de Ciclismo e atrai competidores de toda a região. A última prova foi realizada na Orla da Lagoa Grande e movimentou o principal cartão postal da cidade.

A Copa Cemil de Ciclismo teve início em fevereiro. Em 10 meses de competição, os ciclistas disputaram provas de circuito, de contrarrelógio e de estrada. Os quilômetros percorridos pelos competidores dariam para chegar à capital mineira. Os campeões de cada categoria foram conhecidos na última etapa realizada neste domingo.
Mais de 50 atletas disputaram a prova decisiva na Orla da Lagoa Grande. No feminino, a vencedora da prova foi a atleta Ana Cláudia, da cidade de Uberlândia, mas após oito etapas, o título ficou com a patense Ana Paula Silva. Ela liderava com folga a competição. A disputa mais acirrada ficou por conta dos homens.

Cerca de 60 ciclistas participaram desta etapa.
Cerca de 60 ciclistas participaram desta etapa.

Na categoria Júnior, o vencedor da prova foi o uberlandense, Celso Aparecido Júnior, mas foi outro competidor de Uberlândia que ficou com o título. Rodrigo de Paula liderava a competição e mesmo perdendo a prova continuou no topo da classificação. O mesmo aconteceu na categoria Open. O patense Márcio José Marques chegou em primeiro na prova, mas o título da competição ficou com o atleta de Patrocínio, Rafael Queiroz.
Já na categoria Master A nada de zebra. Silvinho Otávio, que vem colecionando títulos em competições por todo o país, levou mais uma. O atleta patense venceu a prova e também ficou com o título da competição. Na categoria Master B, domínio dos atletas de Uberlândia. Edismar Souza venceu a prova e Alessandro Alves, que liderava a competição, ficou com o título.
Na categoria mais disputada da Copa, no entanto, o domínio foi dos atletas de Ribeirão Preto. Geovane Fernandes venceu a prova e o conterrâneo, Rafael José-Dourado ficou com o título do torneio.
Autor: Maurício Rocha / Patoshoje.com.br

Classificação Copa Cemil de Ciclismo 2013

ELITE MASCULINO

  Atleta Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Etapa 6 Etapa 7 TOTAL
1 Raphael Jose 1 12 12 15 15 15 0 70
2 Flavio Fernando Gonçalves 12 0 0 8 12 12 0 44
3 Geison Rabelo de Sousa 6 7 15 10 0 0 5 43
4 Hallyson Henrique Ferreira 0 15 10 0 0 0 15 40
5 Diego Morais 1 1 2 5 8 8 4 29
6 Dheime Galvão 4 8 8 0 0 0 8 28
7 Eliezur Ferreira Azevedo 0 0 0 7 10 10 0 27
8 Leandro Alves da Silva 0 0 0 12 0 0 10 22
9 Ivancler Chaves 0 10 7 0 0 0 0 17
10 Jeferson Ferreira 10 2 5 0 0 0 0 17
11 Geovane Junior 15 0 0 0 0 0 0 15
12 Tiago Alves Da Silva 7 5 1 0 0 0 0 13
13 Osvaldo Henrique 5 3 4 0 0 0 0 12
14 Julio Cesar  Franco 0 0 0 0 0 0 12 12
15 Fabricio Henrique Alves 0 4 6 0 0 0 0 10
16 Ivan Gomes 0 6 3 0 0 0 0 9
17 Junior Alves Vieira 2 0 0 0 0 0 7 9
18 Wellerson (LELIN) 8 0 0 0 0 0 0 8
19 Leandro Augusto 1 0 0 6 0 0 0 7
20 Tiago Alves Da Silva 0 1 5 0 0 0 0 6
21 Wilson Ferreira 0 0 0 0 0 0 6 6
22 Wesley Berlorde 3 0 0 0 0 0 0 3
23 Fernando 1 0 0 0 0 0 0 1
24 Cesar  Augusto 1 0 0 0 0 0 0 1

ELITE FEMININO

Atleta Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Etapa 6 Etapa 7 TOTAL
1 Ana Paula Silva

15

15

15

12

12

12

15

96
2 Ana Claudia Borges M 0 0 0 15 15 15 0 45
3 Jane Fernandes vilela 10 12 10 0 0 0 0 32
4 Mirian Pamplona 12 8 8 0 0 0 0 28
5 Lara Naves 0 10 12 0 0 0 0 22
6 Roniele Marilia 8 0 0 0 0 0 0 8
7 Francislaie 7 0 0 0 0 0 0 7

JUNIOR

Atleta Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Etapa 6 Etapa 7 TOTAL

1

Rodrigo de Paula 15 10 12 8 15 10 15 85

2

João Victor 6 15 4 10 12 15 12 74

3

Felipe Oliveira de Carvalho 7 8 10 15 10 12 8 70

4

Celso Aparecido Júnior 10 12 15 0 0 0 10 47

5

Gabriel Sagalla 8 6 8 12 0 0 0 34

6

Silomar Gonçalves da Silva Jr. 5 7 6 0 0 8 0 26

7

Edilberto Aristo Junior 12 5 7 0 0 0 0 24

8

Victor Ferreira 0 4 5 6 0 0 0 15

9

Pedro Paulo Capoli 0 0 0 7 0 0 0 7
  10 Nathan Fernandes Coutinho 0 0 0 0 0 7 0 7
 11 Breno Fernandes 0 0 0 0 0 6 0 6

12

Patrick de Oliveira 4 0 0 0 0 0 0 4

13

Carlos Gabriel C 0 3 0 0 0 0 0 3

14

Luis Fernando de Castro 3 0 0 0 0 0 0 3

15

Leonardo Moreira 2 0 0 0 0 0 0 2

16

Marcos Vinicius de Oliveira 1 0 0 0 0 0 0 1

OPEN

Atleta Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Etapa 6 Etapa 7 Total

1

Rafael Queiroz Ribeiro 15 15 10 10 12 8 7 77

2

Andre Carlos 6 12 15 15 7 10 12 77

3

Bruno Cesar  Nunes 0 10 7 12 15 7 15 66

4

Edmundo Vieira 12 0 8 8 6 12 6 52

5

Camilo Dos Santos 7 5 1 7 8 6 10 44

6

Wilson Ferraz 5 1 4 1 10 15 0 36

7

Danilo Jeferson 0 8 12 0 0 0 8 28

8

Alexandre Rabelo 1 1 6 6 0 0 0 14

9

Leandro Augusto de Sousa 0 7 2 0 0 0 5 14

10

Marco Tulio 4 3 5 0 0 0 0 12

11

Alex Moreira Silva 10 0 0 0 0 0 0 10

12

Roger Santos Alvarenga 0 0 0 0 5 5 0 10

13

Marcio Jose Marques 8 0 3 5 0 0 0 8

14

Wanderson Gonçalves 1 4 1 0 0 0 0 6

15

Paulo Victor 0 0 1 4 0 1 0 6

16

Carlos Alves 3 1 1 0 0 0 0 5

17

Welington José Ferreira 0 0 0 0 4 0 0 4

18

Max Wilson 0 0 0 0 0 4 0 4

19

Luan Nunes 0 0 0 0 0 0 4 4

20

Leandro de Sousa 1 1 1 0 0 0 0 3

21

Ronaldo Raimundo 1 0 0 2 0 0 0 3

22

Juliano Pereira dos Santos 0 0 0 3 0 0 0 3

23

Guilherme Silva 0 0 0 0 0 0 3 3

24

Guilherme Gonçalves 2 0 0 0 0 0 0 2

25

Wanderson Marques 1 0 0 0 0 1 0 2

26

Edimar Modesto 0 0 1 0 0 1 0 2

27

Robson Marques 1 0 0 0 0 0 0 1

28

João Ricardo Vaz 1 0 0 0 0 0 0 1

29

Cassio de Sousa 1 0 0 0 0 0 0 1

30

João Mateus Gois 1 0 0 0 0 0 0 1

31

Enos Vinicius 1 0 0 0 0 0 0 1

32

Emilio Gomes 1 0 0 0 0 0 0 1

33

Bruno Branquinho 1 0 0 0 0 0 0 1

34

Tiago Bernardes 1 0 0 0 0 0 0 1

35

Flavio Fernando 1 0 0 0 0 0 0 1

36

Leonardo Dantas 1 0 0 0 0 0 0 1

37

Wesley Geraldo 1 0 0 0 0 0 0 1

38

Vinicius de Melo Gontijo 1 0 0 0 0 0 0 1

MASTER A

Atleta Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Etapa  6 Etapa 7 Total
01 Jose Gonçalves Santos 1 7 10 10 15 8 8 59

02

Silvio Otavio 15 10 12 0 0 0 15 52
03 Flavio Rogerio de Moura 8 2 4 6 10 12 5 47

04

Hudson Luidgi Leite 0 5 8 12 0 0 10 35
05 Adenaldo Gonçalves 0 0 0 1 12 15 6 34

06

Leonardo Fernandes de Aguiar 0 12 15 0 0 0 0 27
07 Marcos Vinicius do Carmo 10 8 6 0 0 0 0 24

08

Ricardo Eustaquio Righi 0 15 7 0 0 0 0 22

09

Fabiano Batista Silva 12 6 0 0 0 0 0 18

10

Denilson Ricardo 4 4 3 1 0 0 4 16
11 Tiago Alves Silva 0 0 0 15 0 0 0 15
12 Isaque Rodrigues 0 0 0 0 0 0 12 12

13

Aguillar Manoel Caixeta 1 0 0 1 0 7 0 9
14 Fernando Lourenço 0 0 0 8 0 0 0 8
15 Reinaldo Marques 7 0 0 0 0 0 0 7

16

Alisson pó 3 3 1 0 0 0 0 7
17 Rafael Inácio de Oliveira 0 0 0 7 0 0 0 7
18 Milton Helio 0 0 0 0 0 0 7 7

19

Eduardo Mendes Vieira 6 0 0 0 0 0 0 6
20 Flavio Rogerio Moura 0 2 4 0 0 0 0 6

21

Flavio Andre Martins 5 0 0 0 0 10 0 5
22 Thel Moura 0 3 2 0 0 0 0 5
23 Klesley Pereira 0 0 0 5 0 0 0 5
24 Graciano MartinS 0 0 0 4 0 0 0 4
25 Edilberto Aristo 1 1 1 0 0 0 0 3
26 Moacir Pereira 0 0 0 3 0 0 0 3
27 Daniel Douglas Campos 2 0 0 0 0 0 0 2
28 Adão Mendes 0 1 1 0 0 0 0 2

29

Gleidison Jose 1 0 0 0 0 0 0 1
30 Geovane Martins 1 0 0 0 0 0 0 1
31 Henrique Amaro 0 1 0 0 0 0 0 1

32

Alisson Baia 0 0 1 0 0 0 0 1
33 Adilberto Aristo 0 0 1 0 0 0 0 1

MASTER B

Atleta Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Etapa 6 Etapa 7 Total

01

Alessandro Alves 8 10 15 10 15 15 15 88
02 Frederico de Oliveira e Sousa 0 12 12 4 10 10 5 53

03

Rogerio Dias Vieira 3 6 4 8 12 5 6 44

04

Ronival Caetano Silva 7 1 6 12 2 6 7 41

05

João Eustaquio Pereira 12 1 1 0 3 12 4 33
06 Eduardo Mendes Vieira 0 2 7 15 0 0 8 32
07 Vicente Paulo 1 1 8 7 6 4 0 27

08

Gilton Alves 1 7 2 5 7 3 1 26
09 Andre Luis Dias 1 1 1 6 4 7 3 23
10 Sebastião Batista Amorim 0 15 1 1 0 0 0 17
11 Cristiano Augusto Forti 0 0 0 0 8 8 0 16

12

Edismar Pereira 15 0 0 0 0 0 0 15

13

Marcelo Franco 0 10 5 0 0 0 0 15

14

Gilmar Guimaraes de Faria 10 0 1 0 0 0 1 12
15 Ivo de Lima Dias 0 0 0 0 0 0 12 12
16 Romes Jose da Silva 6 1 1 0 1 1 1 11
17 Jose Donisete 0 0 1 0 0 0 10 11
18 Antônio Cesar Pacheco 0 0 0 1 5 2 2 10
19 Juraci Jose de Almeida 0 1 8 0 0 0 0 9
20 Gentil Rocha 0 4 5 0 0 0 0 9

21

Norton Oliveira 4 0 0 3 0 0 0 7

22

Paulo Afonso Andrade 0 3 3 0 0 0 0 6
23 Eurico Paes Lemes 5 0 0 0 0 0 0 5
24 Sebastião Jose Moureira 0 1 1 0 1 0 1 4

25

Gilberto Guimaraes 1 1 1 0 0 0 0 3
26 Cleuton Teixeira 0 0 1 0 1 1 0 3
27 Ronaldo Caetano Silva 0 0 0 2 0 0 1 3
28 Paulo Sergio 2 0 0 0 0 0 0 2

29

Jose Carlos 1 0 1 0 0 0 0 2

30

Gilberto Guimaraes 0 1 1 0 0 0 0 2
31 Luiz Carlos 0 0 0 1 0 0 0 1

CIMTB: Assista ao making-of e saiba como é produzida a maior prova de MTB sul-americana

A quinta etapa da Copa Internacional de MTB realizada em Costa do Sauípe-BA ficará registrada na história. O ineditismo foi um fato marcante nesta etapa, que tirou o fôlego dos participantes pela dificuldade do percurso e pelo clima do litoral bahiano.
O Noispedala acompanhou todos os passos da equipe que realiza o evento por duas semana, registrando todos os detalhes. Como resultado, temos esse belo making-of.
Assistindo você verá como é produzida a maior prova de MTB sul-americana, a Copa Internacional de MTB.

COI lança símbolos que serão usados nas Olimpíadas 2016. Conheça os do ciclismo.

Criação do pictograma que representa o ciclismo de pista.
Criação do pictograma que representa o ciclismo de pista.

O Comitê Rio 2016 apresentou nesta quinta-feira, dia 07, seus pictogramas esportivos. Desde Tóquio 1964, cada edição dos Jogos utiliza ícones gráficos, que refletem a cultura do país anfitrião, para apresentar os esportes. E, em 2016, pela primeira vez, as disciplinas Paralímpicas contarão com pictogramas próprios. Os Jogos do Rio contam com 64 pictogramas, sendo 41 Olímpicos e 23 Paralímpicos. (Confira aqui)
“Esse é um dos nossos diferenciais na história dos Jogos. Um fato inédito que vai servir de exemplo para os futuros comitês organizadores. Parabenizo a equipe de criação pela dedicação e trabalho conjunto com as diversas áreas que contribuíram para esse lançamento. ”, destacou o Presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman.
A palavra pictograma vem do grego e do latim. Na sua origem significa “palavra pintada”. Essa identificação original foi a fonte de inspiração dos primeiros traços: a tipografia oficial Rio 2016.
O projeto de desenvolvimento da Fonte Rio 2016, lançada em julho de 2012, foi uma das inovações, do programa de marca dos Jogos. O conceito tipográfico, desenvolvido pela Dalton Maag, foi inspirado nas letras e números do logotipo Rio 2016 e na essência dos Jogos, paixão e transformação, que une as marcas Olímpica e Paralímpica.
Baseada nas curvas do Rio, a Fonte representa elementos como o calçadão de Copacabana, que está presente nas letras ‘m’ e ‘n’ e a Pedra da Gávea, que está representada na letra ‘r’. As letras são desenhadas com um único traço contínuo, num movimento ágil e fluido que sugere o movimento dos atletas.
Pictos Olímpicos
Pictos Olímpicos

Os primeiros traços foram feitos à mão, depois da pesquisa de imagem de cada esporte. Estes traços foram reconstruídos no computador com o encaixe das curvas das letras. O corpo dos atletas e os equipamentos esportivos foram construídos a partir dos caracteres ou de parte deles, num traço contínuo, com variações de espessura para dar a ideia de profundidade. Os seixos, que são uma característica da linguagem visual do Rio 2016, fazem o suporte dos desenhos e alteram sua forma de acordo com os diferentes movimentos dos atletas.
No desenvolvimento dos pictogramas Paralímpicos, a equipe de designers do Comitê Rio 2016 procurou retratar a integração das diferentes deficiências dos atletas com o esporte de forma equilibrada, com naturalidade, por meio de próteses, vendas nos olhos e outras indicações.
A diretora de Marca do Comitê, Beth Lula, explica a importância dos pictogramas para engajar o público no evento desde cedo.
Pictos Paralímpicos
Pictos Paralímpicos

“O uso dos pictogramas daqui até 2016 servirá como plataforma de comunicação para a promoção dos esportes, ativação dos parceiros e irá marcar toda a identidade visual dos Jogos, o que inclui sua aplicação na decoração das instalações, na sinalização, nos ingressos, nos produtos licenciados, entre outros”, afirmou.
O trabalho foi executado em 16 meses, dos quais 5 foram dedicados à validação das 42 Federações Internacionais.O Comitê optou pela montagem de uma equipe interna de design para a criação dos principais elementos gráficos dos Jogos, provavelmente um dos mais complexos projetos de design do mundo. Além dos designers, um grupo de 28 profissionais esteve diretamente envolvido no desenvolvimento dos pictogramas.

Imposto sobre bicicletas no Brasil é de 40,5%, contra 32% dos tributos sobre carros

O Jornal O Globo veiculou uma matéria sobre os impostos sobre bicicletas no Brasil. Incrivelmente, a taxa tributária que incide sobre as bicicletas, é bem superior aos carros.
Confira a reportagem:
O Globo

Imposto sobre bicicletas no Brasil é de 40,5%, contra 32% dos tributos sobre carros

Estudo obtido com exclusividade pelo GLOBO revela que, na contramão da economia verde, alta carga tributária coloca ‘magrelas’ nacionais entre as mais caras do mundo
Henrique Gomes Batista
Nice de Paula
RIO – Embora tenha crescido no país o discurso pró-bicicleta, pelas vantagens ambientais, na saúde da população e para desafogar o trânsito, o governo tributa mais as “magrelas” que os carros, beneficiados por incentivos fiscais, que podem ser prorrogados até 2014. Segundo estudo obtido com exclusividade pelo GLOBO e elaborado pela Tendências Consultoria para a Associação Brasileira do Setor de Bicicletas (Aliança Bike), o imposto que incide sobre as bicicletas no país é de 40,5% em média, contra 32% dos tributos no preço final dos carros, de acordo com levantamento da Consultoria IHS Automotive no Brasil. A falta de incentivo fica claro na comparação do IPI: a alíquota do tributo federal é de 3,5% para carros populares, contra 10% para as bicicletas produzidas fora da Zona Franca de Manaus (ZFM, onde há isenção, mas que produz apenas 21% do total do país).
Com isso, o Brasil tem umas das bicicletas mais caras do mundo. Uma bike comum, aro 26 e 21 marchas, vendida em média a R$ 400 no Brasil, é cerca de 54% mais cara que uma similar nos Estados Unidos, onde sai por R$ 259, segundo pesquisas em sites de compras. A bicicleta dobrável, ideal para uso de forma integrada ao transporte público, custa R$ 640 no Brasil, contra R$ 477 na Alemanha.
– Com todos os benefícios da bicicleta me parece descabido este elevado grau de impostos. A população tem se conscientizado, algumas cidades estão criando infraestrutura de ciclovias e ciclofaixas, mas falta, ainda, a questão tributária – afirmou Marcelo Maciel, presidente da Aliança Bike, que reúne 53 empresas do setor.
Venda pode subir 14% com preço baixo
Segundo o estudo, em média, uma bicicleta que sai de uma fábrica brasileira tem seu preço elevado em 68,2% devido aos impostos, levando em conta o mix de produção do Brasil, uma vez que a produção de Manaus, 21% do total, tem menos impostos. Levando em conta apenas o preço de uma bicicleta fabricada no resto do país, os tributos elevam em 80,3% seu preço, ou seja, nestes casos, uma parcela de 44,5% do preço final das bikes é tributos.
Para Daniel Guth, consultor da Associação de Ciclistas Urbanos da Cidade de São Paulo (Ciclocidade), a tributação e seu impacto no preços é fundamental para estimular o uso das bicicletas no país. Segundo ele, do total de bicicletas vendidas no Brasil, 50% são destinadas ao transporte, 37% vão para as crianças, 17% usadas para lazer e 1% para corrida:
– Temos dados que mostram que 30% das pessoas que usam bicicletas no país têm renda de até R$ 600. E uma bicicleta não sai por menos de R$ 500, então o fator preço pesa muito.
Segundo a economista Carla Rossi, da Tendências, uma redução de 10% do preço pode gerar aumento imediato de 14% nas vendas no Brasil. Ela estima que, por causa do preço, o mercado das bikes, de cinco milhões de unidades em 2011, chegará a 5,9 milhões em 2018, enquanto que o potencial, com um preço mais justo, seria de 9,3 milhões de unidades.
– E uma redução nos impostos poderia auxiliar até na formalização do setor, com cerca de 40% das 235 fabricantes do país informais, de pequeno tamanho.
Quem não quer entrar na informalidade acaba se transformando em importador. É o caso da RioSouth, empresa carioca que planejava fabricar bicicletas elétricas em solo fluminense. Mas os sócios da empresa fizeram as contas e viram que suas bicicletas, que hoje custam de R$ 3 mil a R$ 4 mil – no caso da elétrica dobrável – sairiam 30% mais caras:
– Teríamos o imposto de importação de peças, pois motores e baterias não são feitos no país, e o elevado custo da mão de obra. Não conseguiríamos incentivos, pois somos pequenos. No fim, decidimos fazer o design das bicicletas e fabricá-las na China – disse Felipe Tolomei, sócio da empresa. – E esse preço ainda é alto por causa de impostos, muitos consumidores acabam optando por comprar uma scooter, que sai a partir de R$ 4 mil.
E não é apenas o preço final que afasta os usuários. Renato Mirandolla, gerente da Dádiva Bike, pequena distribuidora de peças e que também produz algumas bicicletas na capital paulista, diz que os caros insumos castigam os mais humildes:
– Um pneu de bike custa cerca de R$ 30. Um trabalhador que use sua bicicleta todo o dia precisa fazer a troca a cada dois ou três meses, isso pesa no orçamento.
Tablets substituem bikes
Everton Francatto, diretor comercial da Verden Bikes, fábrica que produz cerca de 40 mil bicicletas por ano no interior paulista, afirma que hoje o maior problema do setor é o preço. Ele lembra que uma bicicleta para o dia a dia no Brasil custa cerca de R$ 500, contra valores entre € 80 e € 120 na Alemanha:
– A nossa maior preocupação é justamente nas bicicletas infantis, que custam cerca de R$ 300. Nessa faixa temos uma forte concorrência com o eletrônico. Hoje o sonho de Natal das crianças não é mais a bike, é um tablet, e isso gera problemas de saúde para esta geração.
Ele explica, ainda, que apesar do setor poder integrar o Supersimples, o ICMS encarece o produto. As bicicletas estão enquadradas no conceito de substituição tributária. Pelo regime, o valor do imposto é cobrado tanto da indústria quanto do varejo, antes que o produto seja de fato comercializado. Para tanto, é realizada uma estimativa do valor final do produto ao consumidor e é feito uma cobrança quando o produto cruza uma divisa estadual.
Procurado pelo GLOBO na sexta-feira, o Ministério da Fazenda informou que não teve tempo hábil para comentar a reportagem.