Diários de bordo

Diário de Bordo: Trilha para a Cachoeira dos Borges (Buracão)

12/02/2011 – Por Sérgio Zaggo

O Paraíso
O Paraíso

Este nosso pedal começou no dia anterior, sexta-feira. Decidimos que íamos mesmo e seria necessário levar apoio.
Para isso convoquei o Bruno, a Elenice e o Euler para uma reunião, onde decidiríamos o que seria necessário levar, e estudaríamos a rota.
Enquanto eu estudava o roteiro pelo Google, deixei os três fazendo a lista de compras. Conclusão: conversaram de tudo, menos…
Dei tchau para os animados rapazes, fiz a lista de compras, despachei a Elenice pro supermercado e convoquei o Tora para estudar o roteiro.
Estudamos tudo e o Tora falou: “é mamão com açúcar, deixa comigo que eu conheço tudo, passa lá na fazenda dos caixetas bigodudos, sabe quais?”
Sei não, mas tudo decidido, tudo acertado, estávamos prontos para a nossa aventura.
Sabadão, 5:30 h da matina, horário de verão, tudo escuro, eu mal tinha dormido,tal era a ansiedade e a vontade de meter o pé no pedal, nas estradas Dazalagoas.
Fomos acompanhados pela família do Tora, e pelo Victor (nosso grande churrasqueiro, valeu Vitão) e  a namorada Marina. Também no time feminino estava a Raquel, que veio de BH só pra curtir o pedal, e aproveitou para se encontrar com o Walner,
No trevo dos pneus, reunimos a galera, éramos 15 bikers. O tempo estava maravilhoso, fresquinho e sem sol forte. A estrada é muito bonita, sem trânsito, sem porteira, sem colchete. O Tora ia guiando, eu ia conferindo pelo GPS. Lá pelas tantas, valeu a experiência do Tora, o GPS indicava uma rota que provavelmente seria impossível.
Descemos um morrão e aí tivemos um probleminha: O Banhão deixou escapar a roda dianteira e a magrela se desgovernou. Infelizmente ele se ralou demais, mas o cara é muito duro! Tenho certeza que qualquer um de nós teria chamado o apoio e voltado para casa, mas o Banhão só sacudiu a poeira e seguiu em frente, sempre alegre e bem disposto. Banhão, desejamos melhoras e aqui vai uma dica para todos nós, que nos foi trazida pelo Renato, diretamente de Congonhas: “força na subida e cuidado na descida”.
E aí chegamos no estradão. Oh dúvida cruel!
Esquerda pelo GPS, pelo caminho desconhecido que poderia ser mais curto, mas que poderia ser que o apoio não passasse?
Ou direita pelo estradão, pelo caminho mais longo e conhecido, e com a certeza de chegar?
O Tora decidiu pelo mais longo, pensando sabiamente que, se fossemos pelo caminho mais curto e desse zebra, o recurso seria não atingir a Cachoeira e abortar o passeio, voltando pra casa.
Seria frustração total!
Foi penoso, mas foi o mais certo, só agora eu vejo isso!
Confiram na imagem do Google a “volta” que demos.
Chegamos nas Cachoeira na marca dos 63 km e fomos recompensados pelo lindo visual. O lugar é realmente incrível, e com certeza voltaremos muitas vezes.
Ficamos por lá umas 3 ou 4 horas que passaram voando. Fizemos churrasco, tomamos suco, cerveja, refrigerante, uma verdadeira festa. Depois limpamos tudinho, e eu quero aproveitar para fazer uma sugestão: cada vez que voltarmos lá, vamos trazer, além do nosso lixo, mais um pouco de algum lixo que algum visitante descuidado tenha deixado. Que tal? Podemos deixar no tambor que fica no mata-burro da entrada.
A volta foi rápida, pegamos o estradão e aceleramos forte, só aliviamos Dazalagoas pra cá, e chegamos em Patos cansados mas revigorados, aí pelas 18:00 h, depois de um dia inesquecível de saudável pedal e agradável companhia.
E agora uma notícia de última hora: No domingo, eu, o Euler e o Edinho (Power Bike) voltamos na Cachoeira de carro, roteando com o GPS pela rota mais curta, e ainda pegando uns atalhos que nem o Tora Racing conhece (ele vai dizer que conhece, mas tudo bem…). Foram exatos 45 km contados a partir da Band Bike. Confiram o trajeto e a topografia do trecho na imagem do Google, dá pra ir sem apoio se fizermos o esquema de sair bem cedo como dessa vez.
Alguém tá dentro pra sábado que vem?
TRILHA DOS BORGES, O RETORNO. Desta vez por este percurso.
 

Previous ArticleNext Article

28 Comments

  1. Valeu a pena cada Km. Apesar das brincadeias com a fama do Tora, o que mais gostei foi a quilometragem. Saber onde podemos chegar para planejar os próximos desafios. 123 Km num só dia… já estou apto a ir pra Romaria pela terra… rs. Valeu pela companhia, galera!

  2. É isso ai…..
    A trilha foi digna dos atalhos do “TORA”, mas valeu cada gota de suor!!!!!!!!!!!!E olha que foram varias heim.
    Mas resumindo, deu pra dar uma esticada boas nas pernas, se tiver outra semana que vem to dentro, visto que vamos economizar uns 25kms mesmo………kkkkkkkk
    Valeu

  3. E aí Euler, nós vamos estudar mais uns atalinhos hein!
    Acho que dá para eliminar aquela volta passando dentro do pasto e aquele bico da chegada.

  4. É até clichê ao falar que a trilha foi boa, pois todas as trilhas, voltamos falando que “nossa, essa trilha foi boa demais”.
    Mas esta foi mais do que boa. Para mim foi bacana demais, pois além da distância que igualou o meu record, tivemos a oportunidade de disfrutar daquele paraíso.
    Interessante que é uma distância que se torna muito chata em fazer de carro, de bike, foi muito bom, incluindo até o “atalho” do tora. O visual é muito bacana.
    Valeu galera! Voltaremos lá sábado? Já está marcada hein.

  5. Euler, tem ainda aquela parte da estrada que não achamos, saindo dentro do cafezal do outro lado do córrego. Na verdade é uma divisa de pasto, não é estrada, mas deve dar pra passar. E depois na subida da serra dá pra atalhar também (acho). Estou te mandando a rota no e-mail. Bruno, se der publica aí no final do diário de bordo pra todo mundo ver. As linhas amarelas são os atalhos. Vamos torcer pros fazendeiros não grilarem nesses atalhos.

  6. A trilha foi muito bacana! O sentimento de superar um desafio é ainda melhor!
    E eu preciso deixar registrado que o Robinho me salvou na volta! Quando eu quase desistia de continuar pedalando, ele me empurrava e me deixava descansar. Uma ajuda imprescindível! Super companheiro!
    Mas Sérgio, não era pra contar pro Walner que eu fui especialmente pro pedal… rsrsrsrs.
    Valeu pessoal!

  7. Oi pessoal
    Parabéns a todos pela força no pedal,em especial ao Sergio Zaggo(diga- se meu marido) pela dedicação
    Em planejar o passeio,e pelo desempenho cada vez melhor ,vencendo todos os caquentes…..
    Elenice

  8. ta vendo como a vida e cheia de degraus como a escalada da cachoeira e bom demais quando as pessoas superam os obstaculos que surgem parabens atodos pelo pedal de sabado e que venha outros (team geist).

  9. A Elenice zaggo
    já esta em faze de cicatrização mais deu pra chegar beleza um pouco cansado mais nada que uma bela noite de sono não cure , mais relembrando e o MARQUINHO ele ta firme pra próximas rsrsr melhoras a ele !!!!!

    1. E essa do Walner querer adiar nossa trilha do buracão?
      Na minha modesta opinião, vamos lá sábado agora e no outro sábado também.
      Alguém assina em baixo?

  10. Renatão, se eu tivesse o fôlego de vocês encarava ir pra essa cachoeira que já fui muito no passado. Lugar maravilhoso!!! Belas fotos! Abração pro Bruno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *