Diários de bordo

Diário de Bordo: Trilha do Santo Antônio 03/06/10

03/06/10 – Por Bruno Fernandes e Kuririn
O feriado não passou em branco. Pela primeira vez não tivemos o nosso tradicional pedal noturno, pois a galera toda resolveu pedalar durante o dia. A trilha não foi marcada no site, pois o grau de dificuldade era imensurável. Além da distância de 80 km. E o pior galera, o guia era o Tora. E quem já pedalou com ele, sabe como são os “atalhos” que ele conhece.

Repare bem a neblina. 16 companheiros nesta trilha
Repare bem a neblina. 16 companheiros nesta trilha

Todos preparados para mais uma trilha, em frente à Igreja dos Capuchinhos. Quando observamos que faltava alguém. E quem era? O organizador da trilha e super Pontual Kuririn Saulo Alves (esta semana estamos homenageando o nosso amigo que nos deixou recentemente).
Esperamos o Kuririn até 8 da manhã quando saímos com a certeza de muitas aventuras. Tivemos um companheiro novo desta vez, o atual melhor de Patos, Silvinho Amorim que disse que iria fazer um “treino leve” e entrou no clima com a galera.
O frio castigava. Na ida tudo normal até decidirmos passar pelo cruzeiro, pegamos a estrada da Rocinha e passarmos por fora das Zalagoas. Passamos pelos eucaliptos e eu ficava me perguntando. Cadê o toque de aventura do Tora? Tá tudo muito normal.
Ué, parece que rolou um acidente. Três envolvidos.
Ué, parece que rolou um acidente. Três envolvidos.

Aí começou a aventura. Só trilhinhas, mato e pés de lobeiras. Neste momento houve um engarrafamento com um acidente com três vítimas. Kuririn Caiu, o Edinho Galena chapou a traseira do nosso amigo fotógrafo voador e o Tora veio por trás com os pés presos e foi aquele tombo. Só pra começar a aventura.
Era só trilha. Trilhinha mesmo. Sensacional. Eram lugares inacreditáveis. Passamos pelas trilhas e chegamos a uma estrada abandonada, cheia de cascalho. Tudo certo até chegarmos a uma mata com uma descida bem técnica. Foi aquele festival de tombos. Primeiro foi o Cadu, seguido pelo Robson Pintor, depois o Euler e pra finalizar o Robson PM. E o capote do Euler? Não considero um capote e sim foguete voador. Parecia um Jumbo . O cara voou de uma altura de 2 metros. Por incrível que pareça não quebrou nada. Nem nele, nem na bike.
Minutos depois do vôo do Euler Caixeiro Viajante. Parecia um foguete.
Minutos depois do vôo do Euler Caixeiro Viajante. Parecia um foguete.

Logo depois à descida da matinha, paramos para a foto oficial. Era um lugar mais bonito ainda. E tome descida técnica. Chegamos a um córrego onde passamos por pedras e tome subida. Foi quando o Tora disse que o nosso objetivo tava atrás da serra. Já que não havia como margeá-la, o jeito era subi-la mesmo.
E tome trilha. Foi até o Tora Amassa Mato dizer: “Eu sei de um atalho”. Aí o bicho pegou. Era um mato e não uma mata desta vez. Ele dizia: Siga a trilha. E quando não tem trilha? O Fabianinho Spaço ficou perdido no meio do mato. Esperamos o Tora chegar e ele só meteu o braço e encontrou o caminho. Era um bambuzal que nos esperava, onde havia uma casa abandonada. Passamos por mais uma aguinha e já ouvimos o grito da filha do Tora que nos aguardava.
Oração para agradecermos o pedal e o almoço que nos esperava.
Oração para agradecermos o pedal e o almoço que nos esperava.

Chegamos e fomos muito bem recebidos pela família do Tora que preparou aquele rango. Antes de rangar nós rezamos e agradecemos. Muitos exageraram no tamanho da serra e mesmo assim não pagaram mais. O rango tava uma maravilha. Com direito até a frango caipira. Encontramos com a galera dos Jipes. Eram três carros cheios de gente que estavam com o mesmo objetivo que o nosso. Buscando novas trilhas. Desbravamos umas trilhas até chegarmos ao Córrego Santo Antônio. O Bruno e o Cadu subiram com eles. Que emoção. Muito bacana.
Aí então voltamos à sede e para voltar somente estradão. Nada de atalhos. Chegamos a Patos de Minas já eram 15h40min. Mas com uma certeza. Valeu à pena. E valeu muito a pena.
Obrigado a todos e parabéns a você que participou desta aventura.

Assista a voltinha de Jipe do Bruno Fernandes


Galera Off-road. Dos Jipes e do MTB
Galera Off-road. Dos Jipes e do MTB

Hora do Bruno fazer trilha de Jipe.
Hora do Bruno fazer trilha de Jipe.

Confira as fotos deste pedal. Vale a pena conferir, pois ficaram excelentes.

[nggallery id=105]

Previous ArticleNext Article

15 Comments

  1. Parabéns a todos amigos do Pedal pelo companherismo e tbém ao Tora Racing pelos fantásticos “atalhos”.
    Muito bom estar com pessoas bacanas e numa trilha muito bonita .
    Às vezes é bom sair dos treinos planejados para um treino de descontração.
    O Mais preocupante foi o tombinho do Euler mas graças a Deus nada de grave com nosso irmãozinho…apenas um susto nas alturas num despenhaço de pedras…
    Apesar de ter tomado uma dura da Patroa por sair as 8 da manhã e retornar às 3 horas da tarde foi muito legal e descontraido…
    Abç a todos e até a próxima se Deus quiser!!!!

  2. Valeu galera pela companhia dessa trilha, se não foi a melhor foi umas das melhores que já fiz apesar do tombaço, mais graças a Deus foi só um susto. O Tora é fantástico com seus atalhos cada um melhor do que o outro.
    Obrigado pelo o apoio de todo após o tombo, e também quero agradecer a família do Tora pela recepçao.
    Valeu Noispedala vamos marcar mais.

  3. O que pessoas normais fariam numa manhã fria e chuvosa de outono em pleno feriado? Leria um livro, veria um bom filme… NOISPEDALA!!!
    A ida pelo estradão é de 28 quilômetros mas “atalhando” deu uns 42 via Tora Racing…
    Nesta trilha conheci uns lugares que só conhecia de ouvir falar, tipo “o fim da picada”… e como disse o Fabiano Spaço: É por aqui, Tora? Então joga a corda! kkkkkkk
    Valeu demais. Indescritível!

  4. ai galera valeu pelos agradecimento anossa proxima triha iremos para osertao da uns 85km iremos ao mirante do santo antonio porque nos somosos “team guest” valeusilvinho pela parceria.

  5. VALEU GALERA! Pedal Show…
    Parabéns ao Tora e toda a sua familia pela recepção, Valeu Tora.
    Depois de Curvelo, pensei que ia ser dificil pedalar aqui em Patos, as mesmas trilhas de sempre, Mais depois que surgio os (ATALHOS) do TORA TEAM RACING, Curvelo sobrou… Valeu TORA.
    Valeu Silvinho pela sua companhia, elogiados por todos um cara com essa bagagem e muitos premios, foi muito humilde pedalando com a gente, sem reclamar um minuto tudo tava bão, até mesmo quando o caminho acabava e tinhamos que esperar o nativo Tora chegar, Outra Revelação foi o aluno do Bruno, Renato, só andou na ponta tanto nas descidas quanto nas subidas… Cuidado, Bruno, a cobra vai te pegar…

  6. TEAM GEIST???
    Seu nome significa “Espírito de Equipe” em alemão.
    E o Tora Racing nos privilegiou com uma trilha com lugares maravilhosos… ate as vezes quase inacessiveis; e ele nos ensinou q com o “espirito de equipe” um ajudando o outro podemos superar seja qual for o obstaculo… nós e nossas bikes poderemos ir muito alem do q imaginamos… e isso com certeza proporcionaria inveja em muitas maquinas potentes; tanto em terra como no ar.
    Valeu Tora… valeu mesmo!!!!

  7. vixi…
    olha isso
    “o Edinho Galena chapou a traseira do nosso amigo fotógrafo voador e o Tora veio por trás”
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    meus amigos.. isso eu nao vi….

  8. E ai galera pelas fotos que vi a trilha foi muito boa.
    Gosto muito de pedalar tenho uma GTS S3, tem como participar com voces com este tipo de bike???
    Sou daqui mesmo, neste fim de semana mesmo eu, meu filho e meu sobrinho fomos ate no aeroporto novo pedalando.
    Abraços, Júlio

  9. Olá Júlio Simão,
    smpre novatos são bem vindos, esta trilha realmente foi muito boa ela teve um percuso de 75 kms e um grau de dificuldade bem elevado com muitas subidas. Mais é só voce ficar de olho no Site que sempre tem trilhas agendadas. Por exemplo amanhã( quinta feira ) tem o pedal noturno que provavelmente deve estar no site até as 12:00 . La vai te falar onde é a trilha, kms percorrido e grau de dificuldade.
    Aguardamos voces.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *