Diários de bordo

Diário de Bordo: Pedal Noturno Trilha Beco dos Grossos turbinada

10/02/11 – Por Bruno Fernandes

A galera invadiu a Power Bike
A galera invadiu a Power Bike

Quando cheguei hoje à Power Bike, o ponto de encontro de hoje, com o meu fiel escudeiro Renato Amaral, tomei um baita susto. Já eram 18h58 e não tinha ninguém. Como assim? Aí observei aquele monte de bikes na porta. Ao atravessar a rua, observei que a loja do Herlley estava lotada. Pensei: Pode ser uma liquidação onde estava rolando pedivela XTR de 100 conto ou a galera do Pedal Noturno.
E era nossa galera escondendo do sol que estava rachando mamonas. Nem parecia pedal noturno. Adentrando ao estabelecimento, notei a presença de um dos sócios-fundadors do Pedal Noturno que está de volta. O Tiago New Bike que prometeu ficar nas cabeças dos enduros em 2011. Como a presença VIP do dia, Fabiano Espaço não chegava, fomos atrasando e saímos às 19h17, subindo a Major Gote e Marabá.
Chegamos então ao Trevo do Cometa. Foi quando notamos a falta do parceiro Vinícius Diógenes. Depois de esperamos um bom tempo e ele não aparecer, seguimos nosso roteiro.
Pegamos o estradão do Sumaré que estava poeira pura. Descemos então na Valoriza. Na descida duas lanternas bichadas. A minha que não iluminava nada e a do Fabianinho que nem ligava.
Depois de algumas mexidas, continuamos tocando o terror e encontramos a galera reunida pouco à frente.
Foi quando notamos que pela quantidade de pessoas que tinha (mais de 20), deveríamos eleger o fecha-trilha. O Euler Caixeiro Viajante prontamente atendeu e ficou designado de tal tarefa.
Quando a trilha começou a render, Luis Farol de Carreta e parceirinho Criscelle queriam voltar no primeiro acesso ao estradão. Convencemos a eles irem um pouco mais. Só que menos de um km à frente, o Luis compra um belo terreno, com direito a meter o joelho em uma pedra.
Seguimos sentindo Beco dos Grossos. Só que mais da metade da galera seguiram sentido o beco do atalho da subida do Sumaré. Eles não sabiam o que estavam perdendo.
Depois de chegarmos à encruzilhada após o cemitério que o Coelho Bala morre de medo, não voltamos pelo estradão da subida do arraial.
Foi aí que o Euler largou de ser fecha trilha e foi nos guiando. Passamos pelo arraial e rodamos mais alguns km.
Chegávamos a pontos de subir e a galera não queria subir de jeito nenhum. Nas minhas contas já estávamos próximos ao Santiago. Rs.
Foi quando mudamos a direção da bússola e começamos a ir mais ao leste, até chegarmos à tradicional marvada subida da Taboca, que segundo o Euler é muito pior que a do Ponto Chic.
A galera tava girando muito. Subimos e chegamos então ao estradão do Sumaré. Daí foi só girar mais alguns km e chegar em casa com mais de 50 km pedalados. Foi a maior trilha do pedal noturno de todos os tempos.
Valeu demais galera! Sábado tem Cachoeira do buracão e quinta-feira tem mais. Fiquem ligados. Aquele abraço e boas pedaladas!

Previous ArticleNext Article

7 Comments

  1. e na volta o bunitao do luiz enventa de passar o mata-burro atravessado ae sim soco a roda e pergunta virou um 8 a danada e mais o cutuvelo pro espaço …… valeu

  2. Caramba essa turma ta cada vez mais animada.
    Estou preocupado é com meu parceirinho de Enduro Crisceli que está fazendo umas trilhas com o Luis farol de carreta que está deixando ele meio desanimado. kkkkkkk
    Fala Bruno a subida não foi a do Ponto Chic foi a da Taboca que é muito pior.
    Valeu galera até a próxima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *