Diários de bordo

Diário de Bordo: Pedal noturno na Trilha do Cão que morde

07/04/11 – Por Heber Contador
Oi sou Heber Contador. Repórter por 1 dia do Noispedala!

Pedal Noturno
Pedal Noturno

Cheguei pontualmente na Power Bike e a turma já se aglomerava. Herley XX pediu-me pra comprar pilhas pra sua Lanterna pois era noite de estrear a sua nova bike. Aproveitei e pedi R$ 10,00 emprestado pra comer pizza no Vaninho Star Lanches.
O restante estava tudo normal, Magela que seria o nosso guia, ausente. Dr. Valner no horário. (19:25) e então 19:30 saímos em direção a Trilha do Cão que Morde. Detalhe, um companheiro de sacolinha amarela (Daniel ou Luciano) disse que sabia a trilha direitinho. Estavam fechando a trilha o Euler e o Bruno.
Seguimos, em direção da Av. Fátima Porto e rapidamente subimos a Av. JK em direção a Molas Americanas, quando de repente uma quebra, o amigo Bartolomeu perdeu a roldana do câmbio traseiro, e em vez de voltar, seguiu até o Pesque Pague São Gabriel na esperança de arrumar a bike e seguir a trilha, porém voltou pra casa mais cedo.  Estavam fechando a trilha o Euler e o Bruno.
Alguns, já queriam ir embora, outros fazer uma trilha mais convencional pra chegar mais cedo na Star Lanches, mais ficou decidido pelos Líderes que iríamos fazer a Trilha que estava AGENDADA.
Então começamos a subir a montanha logo depois do pesque pague em direção ao cafezal. Mas fomos surpreendidos por um Balaio de Gato (peguinhas durante Enduros de Regularidade) em uma encruzilhada. O nosso guia ficou confuso, subimos e descemos o mesmo trajeto algumas vezes e o pessoal já deu aquela desaminada! O Euler Tenente estava descontente, o Sérgio Zaggo ficou Bravo. O Marquim Caixão era só alegria! Pra ele tudo tava bão!!!
Então, pasmem!!! Voltamos pelo mesmo caminho! Chegando no Pesque Pague, a bike do Banhão furou o Pneu! Ficamos esperando o conserto, e por nossa surpresapercebemos que a galera que estava na frente, foram todos embora! (FALTA DE COMPANHEIRISMO NA MINHA MODESTA OPNIÃO)
Enfim, uma Trilha pra ser esquecida! (Batizada de Trilha do Cão que Mia). Não houve companheirismo! Não nos confraternizamos na Star Lanches! Mais uma vez , não completei a Trilha Pré-Determinada (Peraí ninguém completou né). E fui eu que fechou a trilha e mais uma vez subi os morros para o Jardim Califórnia sozinho e pensando na vida.
O Bruno Fernandes, ficou desolado! Nem seu fiel escudeiro, Renato Amaral o esperou! (aliás ele levou um tombinho, pra não perder o costume).
Se caso eu desaperecer dos Pedais Noturnos nos próximos 6 meses, vocês já sabem porque!
Fica a dica, para os próximos pedais. Mais companheirismo, menos orgulho!

Previous ArticleNext Article

20 Comments

  1. Agora que fui ler o diário de bordo. Como solicitado, publiquei sem ler e sem editar uma vírgula.
    Pior Hebinho. Fiquei esperando o Renato Amaral 17 minutos em frente à Dipam para subirmos juntos, mantendo o companheirismo, e ele não me espera no meio da trilha.

  2. Acho que foi o pior pedal noturno que já fiz.
    O guia não apareceu, saímos 30 minutos atrasados, problemas com a bike do bartolomeu depois com a do Walner e o pior foi perder sem saber onde estavamos indo.
    Tenho uma opinião que nunca quiseram me dar atenção, que é: Pedal Noturno tem que ser estradinha e estradão nunca passar dentro de fazendas nas portas das casas e currais, uma que é falta de educação já estão dormindo e vem aquela barulheira outra que é perigoso cachorros e ninguém sabe como o dono da fazenda irá nos receber ( se ele pensar que é bandido que está invadindo ).
    E ontem não é que não esperei chamei várias vezes para alterarmos a trilha e ninguém quiz, depois de tanda desordem resolvi ir embora e fui acompanhado pelo walner, Markim Caixão, Renato Amaral, Herley e Sérgio.

  3. O pedal não foi dos melhores como o combinado….
    Mas não vamos culpar ninguém pelo erro, valeu pelas pedaladas.
    Da minha parte não tenho nada a reclamar.
    Até quinta galera.
    Cade o resto das fotos???

  4. Menos gente, menos! Nem tudo dá certo sempre, nem a gente faz a coisa certa sempre.
    Muitas vezes a coisa acontece até sem querer. Quando eu saí do pesque-pague achei que tava indo todo mundo, não estava não? Eu cheguei na rodovia achando que tinha sido promovido a fecha trilha.
    Já fizemos tanta trilha boa, então vamos considerar que estamos de 10 a 1, e vamos procurar nos entender melhor nas próximas.

  5. Fica a valiosa lição: pedal noturno não dá pra ser em trilha que ninguém conhece direito (tipo trilha do tora). Outra coisa, tem que definir fecha-trilha na saída, senão desencontra que nem aconteceu, quando alguns passaram pelo presídio e outros pela matinha do IEF.
    Mas pra mim foi tudo bem. No final o Euler salvou a pedalada avocando a liderança que estava meio confusa e terminamos bem um trajeto descomplicado, com direito a sanduíche no Star Lanches (que não contou com a presença do pessoal que não quis acompanhar o Euler, os quais imaginamos que estaríam lá).

    1. Na verdade, querer acompanhar, todos queriam.
      Teve companheiro que até empréstimo fez para ir comer o sanduba. Só que vocês não nos esperaram.
      Até fui na BR esperando que vocês estavam lá. Isso nunca havia acontecido no pedal noturno.

  6. O Hebinho mora no P.O.
    Vai e volta todos os dias de bike. E tem dia que ele passa no Lagomar antes de vir para Patos.
    Só para tomar água. Por isso que ele pedala demais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *