Diários de bordo

Diário de Bordo: Noispedala no Caminho das Abadias 2010

07/08/10 e 08/08/10, por Bruno Fernandes

12 bikers preparados para mais uma Romaria
12 bikers preparados para mais uma Romaria

Tentarei narrar a vocês todos os detalhes de um fim de semana incrível, onde 12 bikers com diferentes motivos concluíram 106 km de pedal em dois dias, passando por uma região de tirar o fôlego, o Caminho das Abadias, que se inicia na Igreja de Nossa Senhora da Abadia em Patos de Minas e termina no Santuário de Andrequicé, município de Presidente Olegário.
Eram 07h da manhã quando chegamos ao ponto de encontro em Patos de Minas, estavam lá os 11 bikers confirmados e o Everaldo, que passou a fazer parte da turma segundos antes do apito final. Após a chegada do Ademir, o herói desconhecido, a galera colocou as malas sobre o caminhão, adentramos a igreja de Patos de Minas e fizemos nossas orações. Já eram 08h quando saímos. O Magela e Ademir foram atrás de água (patrocinada pelo Rodrigo da Água Viva) e gás.
Adeus Patos de Minas, até domingo.
Adeus Patos de Minas, até domingo.

O primeiro lugarejo que passamos foi Arraial dos Afonsos, após passarmos pelo Beco dos Borges. Seguimos cerca de 10 km após o Arraial. A partir daí já era novidade pra a maioria dos bikers. Foi quando chegamos a Santiago onde paramos para tomar água e trocarmos algumas idéias. O Euler Caixeiro Viajante comprou algumas bananas e seguimos nossa cicloviagem.
Passados 30 minutos, o que era belo, começa a ficar maravilhoso. Descidas emocionantes, vales muito bonitos mesmo em uma época onde o verde não é tão forte e claro, diversos paredões e uma subida de perder o fôlego. Ah, era meio dia. Após esta subida seria servido o almoço, mas… Cadê o Cabo Ademir? O cara sumiu. Quando o Magela já estava de saída para descer a serra e verificar se ele tava lá em baixo, fomos em duas fazendas pedir informações e na segunda delas, além de ganharmos uma água gelada, um senhor informou que ele havia passado há cerca de uma hora atrás.
Magela e Bruno Fernands, idealizadores do Noispedala
Magela e Bruno Fernandes, idealizadores do Noispedala

Foi neste momento que o Vanelton (Vetel) pensou que o estradão era uma piscina e deu um foguete na poeira. Machucar, até que não machucou muito, só que a cor que ele ficou não dá pra descrever aqui. Melhor você ver a foto. Parecia personagem de filme de terror.
Pedalamos mais alguns metros e encontramos o nosso herói Ademir, com um mega rango. A galera tava destruída. Felipe Alonso e Vinícius Diógenes com cãibra, e o Everaldo estava mal do estômago. Almoçamos tranquilamente e estávamos próximo ao Rio da Prata. Aí foi quase que só morro abaixo até chegarmos lá e passarmos um bom tempo curtindo aquela maravilha da natureza. O Valner, o Bruno, o Renato Amaral e o Euler ficaram mais de 2 horas no rio. Preocupado com a demora dos companheiros, o herói Ademir resolve verificar o que estava acontecendo e ao fazer o retorno, ele atola o caminhão na areia. Aí surgiu mais um novo desafio, desatolar o caminhão.
Veja só como o Vanelton Vetel ficou
Veja só como o Vanelton Vetel ficou

Depois de alguns minutos logramos êxito na operação caminhão e aí foi só curtir a natureza e o por do sol que já iniciava. Mais um momento que não dá pra descrever, melhor mesmo é ver as fotos. Parecia um enduro de regularidade, para chegarmos à fazenda no exato momento que o sol se posse.
A noite chegou, conhecemos a família que nos recebeu, o Herói Ademir pilotava o fogão, a galera tomava aquele banho (principalmente o Vanelton Vetel). Aos poucos o acampamento era montado em um cômodo da fazenda. Tudo isso com a galera na maior resenha de biscretêro. Jantamos e fomos dormir. Como é muito comum nessa região as Folias de Reis, iniciou-se a Folia dos Roncos, comandada pelo Capitão Vanelton Vetel, seguidos pelos 12 demais foliões.
Acordamos para o segundo dia de Romaria e logo após a sessão de alongamentos, saímos pelo curral da fazenda por volta de 08h30 da manhã. Era um trecho curto, praticamente passeio se tratando de romaria. Chegando ao estradão, fomos orientados para voltarmos 600 metros e entrarmos em uma fazenda. Aí sim foi emoção para valer! Trilhinhas show de bola e uma descida técnica perfeita.
Sem explicação.
Sem explicação.

Passamos por um corregozinho e aí uma subida de pedras bem desafiante. E a galera não desafinou. E tome trilhas. Vou parar de falar que o lugar é bonito demais, pois tá ficando repetitivo. (Mas é bonito mesmo, viu). Voltamos para o Estradão P.O. / Andrequicé e encontramos com diversos carros de boi e alguns romeiros. Ganhamos até água gelada.
Aí foi só seguirmos a peregrinação até chegarmos à ponte do Rio Andrequicé, onde ficamos lá apreciando a natureza e trocando algumas idéias. 12h30 foi quando chegamos ao Santuário e visitamos a igreja. Fomos acolhidos no Posto Policial, almoçamos no restaurante da associação, tomamos banho. Encontramos lá o Kuririn e o Júlio Braga (Pedal do Cerrado) que nos esperou na Galena, mas como mudamos o roteiro, não os encontramos. E a galera de João Pinheiro? Marcou presença é claro! E teve uma galera que foi e voltou no mesmo dia. É isso aí, bora pedalar galera. Encontramos também o Joaquim Bombeiro que foi a pé e chegou sábado à noite. Após algum tempo o motorista da van chegou e embarcamos as bikes na nova carretinha do José Gonçalves Star Bike.

Confira as galerias de fotos desta aventura!

Os 12 peregrinos
Os 12 peregrinos

Obrigado e parabéns a todos nós: eu (Bruno Fernandes), Magela, Renato Amaral, Walner, Euler, Vinícius Diógenes, Gagame, Marquinho Caixeiro e os novatos Vanelton, Everaldo, Daesio e Felipe Alonso.
Os carros de boi
Os carros de boi

Galera de Patos de Minas e João Pinheiro
Galera de Patos de Minas e João Pinheiro

Previous ArticleNext Article

36 Comments

  1. kkkk e ai galera agora vcs que pedala viu o motivo do capacete ne kkk depois do uma mergulhada na pcina obrigado a todos pela aventura e parabens a todos

  2. Meus amigos De pedal, ontem realmente foi um dia inesquecível, pra quem realmente gosta de mountain bike, este roteiro é perfeito!
    Poucas vezes temos a oportunidade de fazer história. E, quando temos, há que se honrar tal oportunidade, sem perder a ternura jamais.

  3. Aew galera foi uma aventura e tanto mas eu falei pra vcs nao mandarem o Vanelton toca o terro vcs viram o que aconteceu nao dexo ninguem durmi anoite….hsahsah brincadera galera foi uma otima aventura o ano que vem to dentro de novo..=D e quinta to la no pedal noturno..

  4. Inesquecível. E acho que o cara que sugeriu o atalho pra gente é parente do Tora Racing porque foi a melhor parte. A diferença é que o atalho sugerido encurtou o caminho e os atalhos do Tora aumentam.
    Pessoal, valeu demais a companhia e o companheirismo. Cicloviagem show. Obrigado, Magela – idealizador do Caminho das Abadias – e o incentivador do pedal!

  5. Será q a Ns.da Abadia ñ vai fika brava comigo naum??? Só pedalei uns 30% do caminho… desse jeito ñ da pra pagar nem um tikin dos pecados!!!

  6. pra quem tinha a bike mais ruim eu fui forte graças a nSa da Abadia
    agradeço a todos q foi um passeio inesquecivel na minha vida
    obrigado por tudo pessoal

    1. Só não digo que foi turismo ao invés de pedal devido ao fato de ter muitos novatos. E com certeza para eles, não foi passeio não. Foi sacrifício mesmo. Se o Daésio não fosse forte, ele não teria completado nunca.

  7. Estou aqui, ansioso pela próxima trilha com os parceiros, novos e antigos, que me fizeram rir e um pouco de raiva (tipo o ronco do Vanelson, rrsrsrssr), mas que, principalmente, me fizeram companhia nesse passeio excelente!
    Obrigado aos idealizadores e organizadores, pela oportunidade. E mesmo perante estes, sou mais grato é pelo companheirismo de estar presente nas várias situações memoráveis de todo o percurso.
    Gosto de pedalar é para fazer uns programas desses!
    Quanto à reclamação do grande Vinícius, as fotos já estão no computador do Herlley desde segunda as 9:00h, que foi onde combinamos de reunir os arquivos em alta resolução. Inclusive, estou esperando as fotos dos outros fotógrafos, porque quero guardar todas.
    Quem quiser, mando também por e-mail ou outra forma. Tem coisa fina ali!
    Abraços a todos.
    Fica dura, galera npd, pq a moçada tá pedalando muito! rsrsrssr

  8. Eh!!! Foi um viagem e tanto!!! Tentei de todo jeito ir com voces, mas dessa vez não deu, mas da proxima irei com certeza.Abraços e parabéns a todos

  9. isso ai pessoal da Bike, fiz esse caminho em 2007 com o Magela de bike e em 2010 fomos a pé e tudo foi sensacional, a melhor forma de explorar o caminho e criar infraestrutura para o caminho das Abadias é realizar justamente isso que voces fizeram, tem que divulgar e usar o local.
    continuem sempre fazendo ações como essa, em algum momento as autoridades irão perceber o potencial turístico que o local tem e certamente ira procurar dar apoio
    parabens aos envolvidos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.