Diários de bordo

Diário de Bordo do Nightbike 29/10 – Ribeirão Mata Burro

Chapolim Colorado
Às 18h55min quando eu chegava próximo ao ponto de encontro, o meu amigo Zé da Star Bike estava indo andar de bicicleta sozinho. Com certeza é devido ao capote que ele levou na frente de todo mundo no último passeio noturno, ele ainda estava com vergonha, coitadinho. Mas não tem problema não, lá na cervejaria Contorno estava toda galera do NPD e com gente nova no pedaço, às 19h00min em ponto saímos com destino a Av. Marabá sem a presença do nosso herói Super Mario Bros, que foi substituído pelo grande Chapolin (Miguelangelo), e ainda apareceu do nada o Dão da Civil, com sua pochete de ferramentas na cintura e eu tenho que confessar, achei que ele não ia dar conta de subir a Marabá, pois eu nunca vi o cara pedalando.
Acabamos de subir a marabá contamos  a turma e deram 15. O Gleidson foi voluntário em ser o último e lá foi à gente na estrada do Sumaré com suas costelas de vaca que não acabam por nada e quando ligamos os faróis, desta vez fomos humilhados pelo Luiz que conseguiu colocar um farol que mais parecia com aqueles faróis que sinalizam para os navios próximos aos arquipélagos. Para vocês terem idéia a bateria era uma berreria de carreta que ele amarrou no meio do quadro, uma autêntica jegueira, mas que iluminava muito.

Nightbike 29/10
Nightbike 29/10

Após uns 7 km na estrada do Sumaré, entramos a direita em direção a decida do “dólar” e quando chegamos ao topo da decida entramos a esquerda, mesmo eu avisando que iríamos pegar uma trilha a direita o Weuler (Autopatos caminhões) e o Marco Túlio desceram na frente e passaram do ponto, mais que de pressa o Fabiano (spaço) disse: “Deixa que eu busco eles” (profissional), aproveitou para dar uma de Junim (melhor de Patos), assim que os engraçadinhos voltaram pegamos a trilha e era trilha mesmo, só um trilhinho de vaca e pra piorar cheio de pedras, que no escuro era inevitável as derrapadas, mas descemos todos de boa sem nem um capote.
Quando chegamos à mata, eu como não passava por lá há algum tempo, não sabia que varias arvores estavam caídas sobre a trilha, e por diversas vezes tivemos que empurrar as bikes ouvido o medroso o Coelho falar sem parar; “gente vamos andar todo mundo junto, esse lugar é perigoso, não é melhor a gente voltar? gente todo mundo junto! gente eu to com medo! gente tome cuidado”, e como se não bastasse o Weuler começou com um tal de “olha o gagame, olha o gangagalho” e o Marco Túlio demorou menos de 1 minuto para começar a repetir as frases do Weuler sem parar até o fim do passeio, “olha o gagame, olha o gangagalho”.
No fim da mata o nosso amigo Euler (caixeiro viajante), que veio de Paracatu no maior gás só para pedalar com a gente, ao chegar ao fim da mata, ele travou a roda da frente da bike num toco e levou aquele capote clássico, é quando o piloto passa por cima do guidão da bike, imaginem uma pessoa de 1,95m (um metro e noventa e cinco centímetros) de altura, pensando uns 115 Kg, levando um tombo desses, como diria um locutor de rodeio “o chão tremeu” e a galera riu, mas o Euler saiu ileso, sujo, mas ileso.
Acabamos de descer as trilhas e pegamos uma estradinha abandonada, quando chegamos à ponte do ribeirão Mata  Burrinho, cadê a ponte? A enchente levou a ponte e sobraram apenas três troncos arredondados e com lodo, o Bruno só passou depois que o Luiz deu a mão pra ele segurar, vergonha… Passamos o ribeirão e começamos a subir e subir e subir quando estávamos quase chegando ao topo da montanha e eu já tava bufando, o Dão que eu achava não dar conta de subi a Marabá, passou por mim conversando como se estivesse descendo, boa surpresa.
Após reunir e contar a turma começamos a decida e chegamos à estrada da antiga rinha de galo, como é regra do nightbike o meu pneu estava furado, como estava chegando, acabei de chegar sem trocar a câmara de ar, vim só na bomba e depois enchendo nos postos de combustíveis da cidade.
As 22h10min chegamos à cidade sem chuva, pois armou chuva o tempo todo e não choveu.
É isso aí, quinta-feira que vem noispedala de novo às 19 Horas.
Clique aqui e veja as fotos do Nightbike 29/10.
O autor do Diário de Borda é o Magela.

Previous ArticleNext Article

9 Comments

  1. E ai bruno show de bola esse nghtbike, no proximo estarei lá sem falta, onde fui treinar com junim “elite” quais que ele me mata de fazer força quero é um passei legal curtir na natureza e nightbike é tudo isso.

  2. Foi show, esse nigthbike, tanto a trilha de bike quanto o trekking a pé, e sem falar desse diário de bordo do Lider Magela, descrevendo tudo 100% PARABÉNS MAGELA (daqui uns dias esse diário vai ficar melhor que a trilha ou virar um livro).
    Ah noticia de primeira mão a partir de 09/11/09 até 31/12/09. vocês podem contar com a presença do MELHOR DE PATOS – JUNIM – nas noites de quinta- feira no nigthbike, pois acabei de fechar com ele para ser o meu personal bike neste periodo, pois vou treinar rumo a “elite” e mesmo com esse objetivo não vou deixar de pedalar com vocês.
    FLW “GAGELA” como dis o Marco Tulio(Weuler) Galera…

  3. O Magela não deixa passar nada no Diário de Bordo. O trekking a pé foi excelente. Já vão treinando pro enduro a pé.
    A trilhinha foi muito boa, pensava que só seria estradão nos nightbike, mas gostei dessa nova fórmula.
    Magela, já marcou o percurso da próxima quinta? E segunda? pra onde vamos?

  4. kkkkkkk…..esse diario ta fikando…. sem comentarios rsrsrs…. como eh d costume… o Euler ñ podia deixar d toma akele capote e tamem q surpresa o “Dão” da Civil aparecer o cara andava sumido e espero q continue pedala.
    abraçao galera!!!!!!

  5. Magela, parabéns pela sua iniciativa…agora toda quinta pode esperar o João(Dão da Cívil),agora ele tem compromisso marcado com essa galera, está sendo muito bommmmm prá ele… está num pique só….
    Abraços…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *