Competições

Circuito XC de Favelas reúne ciclistas no Complexo do Alemão. Silvinho Amorim (Cemil) participou

Por Priscilla Souza, Imprensa do Governo do RJ
A estrada que ficou mundialmente conhecida como rota de fuga de bandidos durante a ocupação da Vila Cruzeiro pelas forças de segurança em 2010 se tornou percurso esportivo. Neste domingo (5/2), o local foi palco da quarta e última etapa do Circuito XC de Favelas, que tem o apoio do Governo do Estado através da Lei de Incentivo Fiscal.
Quatrocentos atletas, entre amadores e profissionais, se inscreveram para esta etapa. A largada foi realizada no alto da Serra da Misericórdia e o percurso é de 5 km em várias voltas. O trajeto foi escolhido com cuidado pelo organizador do evento Thiago Gomes.

Ciclista, Silvio Otávio, competidor do Circuito XC de Favelas no Complexo do Alemão
Ciclista, Silvio Otávio, competidor do Circuito XC de Favelas no Complexo do Alemão

– Eu estou há mais de um ano pedalando aqui, desde que houve a pacificação. Isso é importante para conhecer os caminhos, definir o melhor percurso e, principalmente, integrar à comunidade ao evento. Nós temos cem moradores trabalhando conosco na realização da prova de hoje, que é muito simbólica. Nós estamos ocupando com esporte um espaço que antes era usado por criminosos – afirmou o organizador.
O jovem Roger Tanan, de 19 anos, é um dos moradores do Complexo do Alemão que participaram da produção do evento a convite da organização.
– Eu moro na localidade conhecida como Relicário que faz parte do percurso da prova. Eles me chamaram para colaborar. É muito legal ver um evento desse tipo acontecendo aqui – disse Roger.

Cenário perfeito

A novidade atraiu também atletas profissionais de outros estados. É o caso do ciclista Silvio Otavio (Cemil), de 36 anos, campeão brasileiro de prova de longo percurso em 2011 e vice-campeão da modalidade Cross Country.
– Eu já tinha participado da prova que foi realizada no morro do Borel e, agora, vim ao Rio especialmente para essa disputa no Complexo do Alemão. Achei excelente essa iniciativa – disse o atleta de Minas Gerais.
O projeto foi idealizado a partir da pacificação de comunidades que são o cenário prefeito para o Cross Country, modalidade olímpica do ciclismo. Os morros cariocas são íngremes, acidentados, e cheios de becos e trechos de mata que desafiam o reflexo e força do ciclista.
No caso do Complexo do Alemão, o percurso foi um pouco mais leve, com poucas subidas técnicas. A prova – que distribui R$ 20 mil em prêmios – já foi realizada em outras comunidades como Turano, Salgueiro, Macacos e Chácara do Céu. A previsão é que, neste ano, sejam realizadas mais oito etapas do projeto.

Assista a reportagem da TV Record

Previous ArticleNext Article

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *