Ciclismo

Ciclistas patenses concedem entrevista para o Jornal o Tempo. Matéria foi veiculada nesta quarta-feira

Na última quarta-feira, foi veiculada uma matéria, no Jornal O Tempo que contou com a participação dos ciclistas de Patos de Minas Ivo de Lima Dias e Lucas Couto. A matéria intitulada “Glamouroso, mas suspeito” e assinada por Aline Soares, fez parte do caderno de esportes da edição.
Segue a reportagem:

Glamouroso, mas suspeito

FOTO: CHRISTOPHE ENA/ASSOCIATED PRESS
Tradição. Tour de France, ou Volta de França, começou no último dia 2 de julho e só terá a sua etapa final em 24 de julho, com chegada prevista em Paris, a capital do país
Torcedores de todo o mundo, equipes tradicionais, jornalistas aflitos em busca de qualquer detalhe que possa mudar um resultado e um país inteiro mobilizado em torno de uma competição. Não se trata da Copa do Mundo de futebol, e sim do Tour de France (Volta da França), que teve início neste último fim de semana e completará, no dia 24 deste mês, a 103ª edição da prova.
Mas a maior e mais importante competição do ciclismo mundial também tem que conviver com os escândalos de doping. E não é de hoje. No ano passado, o último campeão (e dono de outros dois títulos), Alberto Contador, foi pego no teste devido à substância anabolizante clembuterol. Quatro anos antes, o norte-americano Floyd Landis havia sido pego no exame que atestou positivo para testosterona.
Para quem vive no mundo desse esporte, infelizmente, o uso de substâncias ilegais virou natural entre os atletas. “Os próprios organizadores das provas, no caso específico do Tour de France, dificultam o circuito e isso faz com que os atletas queiram se dopar para dar conta do recado. Não é algo novo no esporte, a Cetamina já era utilizada bem antes. Acho que um pouco é pela necessidade do torneio, para dar conta de participar, uma ajuda extra para os profissionais”, destacou o médico neurologista e corredor amador de ciclismo, Lucas Couto.
Já o decacampeão mineiro na elite, Ivo Lima, acredita que a quantidade de exames que são feitos na modalidade é muito maior do que as de outras, por isso há tantos casos no esporte. “A quantidade de exames que fazem no ciclismo é fora do normal, e as pessoas fazem questão de noticiar só os casos negativos”, destacou.
Mineiro, de Patos de Minas, Lucas Couto participou da etapa paralela ao Tour de France, para ciclistas amadores, no ano passado, e destacou que, ao acompanhar o torneio um dia após a etapa percorrida, ficou abismado ao ver determinados circuitos considerados pelo médico biologicamente impossíveis de serem realizados com tanta tranquilidade sem substâncias que alterem a potência dos atletas. “O doping é real no ciclismo, quem convive sabe, e a indústria do doping está à frente dos meios científicos que conseguem regular as substâncias no corpo humano”, afirmou.
 

ANTIDOPING
Exame deu positivo para 20 brasileiros nos últimos 3 anos
Apesar de os escândalos com doping no ciclismo terem maior notoriedade com atletas já consagrados, como o norte-americano Lance Armstrong e o espanhol Alberto Contador, o número de ciclistas brasileiros flagrados com substâncias ilegais está cada vez maior.Segundo a entidade máxima, e talvez a mais severa, do esporte internacional, a União Ciclística Internacional (UCI), pelo menos 20 brasileiros foram barrados pelo doping desde 2008.
Clemilda Fernandes e Pedro Nicácio são os nomes mais conhecidos envolvidos recentemente. Ambos disputaram o Pan do Rio em 2007 e foram suspensos por dois anos, pena dominante no cenário nacional.Os números começam a assustar, principalmente porque, de acordo com o mineiro Ivo Lima, no Brasil, os testes biológicos são realizados esporadicamente. “Aqui, os exames de antidoping não são comuns, acho que por serem caros. No período de 2003 a 2010 participei de inúmeras corridas e fui examinado somente uma vez, e ainda pelo método do sorteio”, explicou Ivo.
O preparador físico, Wellington Vero, atual membro da comissão técnica do Clube do Remo, explicou a diferença de suplementos para ciclistas. “A ingestão de algumas substâncias ilegais aumenta as potencialidades. Se ele corre a 80%, ingerindo a potencialidade ele vai para 110, 180”, disse. (AS)
FOTO: BRUNO FERNANDES/NOISPEDALA.COM.BR
Médico Lucas Couto é de Patos de Minas e pratica o ciclismo
Volta é reverenciada por artistas
O charme da prova tem também influenciado diretamente o mundo das artes. Nos anos 30, a música “P’tit gars du tour” transformou-se em um dos maiores sucessos na França. No fim da década de 70, Queen se inspirou no tour para compor o single “Bicycle Race”.O Tour também serve de pano de fundo e até mesmo personagem principal no cinema, como o filme “La course en tête”(1974). Em 2000, foi lançado o documentário “The tour baby!”, que arrecadou US$ 160 mil para a fundação beneficente Lance Armstrong. (AS)
Previous ArticleNext Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *