Ciclismo

As principais frases da confissão de Lance Armstrong para Oprah Winfrey

Lance Armstrong confessa doping em entrevista
Lance Armstrong confessa doping em entrevista

Lance Armstrong confessou doping e reconheceu que toda a sua vida foi uma grande mentira.
Confira aqui as frases que chocam todos os que acreditaram no ex-ciclista.
“Na minha opinião, não teria sido possível ganhar por sete vezes o Tour sem recorrer a substâncias dopantes”.
“Dopar-me fazia parte do trabalho”.
“Tomei as minhas opções, o erro é meu”.
“O meu cocktail era EPO, transfusões sanguíneas e testosterona. Não tinha acesso a nada que os outros não tivessem”.
“No início da minha carreira, tomava cortisona, depois a geração EPO começou. Iniciei-me na EPO em meados dos anos 90”.
“Não vou dizer o nome de ninguém. Eram 200 ciclistas (no pelotão do Tour de France), haveria certamente alguns que não se dopavam”.
“Porquê agora? Essa é a melhor pergunta, a mais lógica. Não tenho uma boa resposta. É demasiado tarde (para admitir ter-me dopado), provavelmente para a grande maioria das pessoas, e a culpa é minha. Esta situação é uma grande mentira, que repeti inúmeras vezes”.
“Estava habituado a controlar tudo na minha vida, especialmente no que toca ao esporte. Agora a história é tão má, tão tóxica, e grande parte é verdade”.
“Era uma história perfeita e não era verdade”.
“Eu não inventei a cultura (do doping), mas não tentei pará-la. Agora a modalidade está pagando por isso e eu lamento”.
“Eram tempos competitivos. Éramos todos homens adultos, fazíamos as nossas escolhas. Houve pessoas na equipe que optaram por não dopar”.
“Havia um grande nível de exigência (na US Postal). Esperávamos que os ciclistas estivessem em forma, fortes, para desempenharem as suas funções. Neste momento não sou o tipo mais credível, mas nunca fiz isso (pressionei colegas para usarem doping)”.
“Não sentia que estava fazendo algo errado. (Sentia que estava a fazer fraude?). Não. Olhava para a definição de fraude e não via o que estava fazendo isso. Via como um meio de jogar ao mesmo nível dos outros”.
“Era assustador”.
“Nunca fui apanhado, porque o meu organismo estava limpo durante a competição”.
“Sinto-me mais feliz agora do que naquela altura. Mais feliz hoje do que ontem”.
“Não percebia a magnitude das minhas ações. O importante é que agora começo a entender. Vejo a revolta nas pessoas. A sensação de traição… está tudo lá. Eram pessoas que me apoiavam, acreditavam em mim e, por isso, têm todo o direito de se sentir traídas. Terei de pedir desculpa a essas pessoas toda a minha vida [referindo-se a antigos colegas e respetivos familiares que ameaçou, difamou e processou]”.
“Nunca houve um controle positivo [na Volta da Suíça em 2001], nunca houve um encontro secreto com o diretor do laboratório de Lausana, nem nenhum pagamento à União Ciclista Internacional”.
“Assumi que as histórias continuariam por muito tempo. Só estamos sentados aqui porque houve uma investigação federal que decorreu durante dois anos. Todos os envolvidos na história foram chamadas, depuseram. Havia um homem com uma arma e um distintivo e as consequências eram sérias”.
“Amo o ciclismo. Amo mesmo. E dizer isso pode parecer… as pessoas dizem que desrespeitei o Tour, a cor amarela, a modalidade, a camisa. É verdade. Abusei do meu poder e desrespeitei as regras. Foi uma escolha minha. Não tenho moral para dizer ‘vamos limpar o ciclismo'”.

Confira na íntegra a confissão


Previous ArticleNext Article

4 Comments

  1. Prestem atenção no final da quarta frase acima (…) “Não tinha acesso a nada que os outros não tivessem”. Quais os motivos dos outros que utilizavam as mesmas substâncias, ou às vezes mais, nunca conseguiram ganhar do Lance? Ele continua sendo o ícone do ciclismo mundial. Doping sempre existiu, a diferença é que uns tem coragem de admitir e a esmagadora maioria não.

  2. Não que eu pararei de competir, mas, cada dia que passa, vejo que os ciclistas que simplismente pedalam por aí, os que não querem ser melhores que alguém, ou seja, ciclistas que não sentem vontade de competir com os outros, são os mais felizes nesse esporte. Ultimamente, tenho me espelhado em muitos que nunca sequer competiram, não tenho ídolos nesse esporte competitivo. Meus ídolos, são os ciclistas que têm o compromisso e a dedicação com a modalidade apenas para a saúde e satisfação de estar ali em cima da bike. Se nós pensarmos bastante mesmo nas probabilidades, possibilidades, amizades perdidas e desonestidades, competição não é uma opção no ciclismo. Muitos vão descordar, mas, um dia irão entender o que estou pensando.

  3. Boa noite,
    Falar de si mesmo é muito difícil. Cada um sabe onde a corda pega. Criticar as outras pessoas faz parte da natureza humanha. Ele fez o que achava certo e foi vitorioso, mas está pagamento o preço alto, com ele próprio. Devemos acreditar em algo e torçer que isso seja bom agora e no futuro. Entendo que ele foi importante naquele momento e devemos busca a importância dessa situação agora. É sabido e consabido que no ciclismo e nos outros esportes existem drogas, agora usar ou não, dependerá de cada um. Seja qual for a filosofia de vida, devemos amar o que fazemos para valer a pena. Salve o ciclismo que nada tem a ver com isso.

Deixe uma resposta para Jorge Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *